Jovens que sofrem bullying são mais propensos a fantasiar sobre cometer atos de violência


Sofrer bullying e agressão quando adolescente ou jovem adulto aumenta ideações violentas, incluindo pensamentos de prejudicar ou matar outros, relata um novo estudo.

Universidade de Cambridge

Sofrer bullying e formas de agressão no final da adolescência e início da vida adulta está ligado a um aumento acentuado na probabilidade de ter devaneios ou fantasias sobre machucar ou matar pessoas, de acordo com um novo estudo.

Embora pesquisas tenha mostrado que um número significativo de pessoas fantasiam em infligir danos*, pouco se sabe sobre os processos por trás dessas "ideações violentas".

Uma equipe liderada por um professor da Universidade de Cambridge rastreou os pensamentos e experiências autorrenotados de 1.465 jovens de escolas da cidade suíça de Zurique com idades entre 15, 17 e 20 anos.

Os pesquisadores coletaram dados sobre se pensamentos violentos ocorreram nos últimos 30 dias, e os tipos de bullying ou agressão experimentados nos últimos 12 meses.

Eles usaram questionários para sondar os níveis de agressão (humilhação, espancamentos, assassinato) e alvos imaginados (estranhos, amigos) dentro das fantasias mais sombrias dos jovens.

A equipe também perguntou sobre experiências de 23 formas de "vitimização", como provocações, ataques físicos e assédio sexual por colegas, paternidade agressiva – gritar, bater e assim por diante – e namorar violência, por exemplo, ser pressionada para o sexo.

Enquanto a maioria dos adolescentes tinha sido vitimada em pelo menos uma maneira, experimentar uma série de maus tratos estava "intimamente associado" com uma maior probabilidade de pensar em matar, atacar ou humilhar outros.

Os meninos eram mais propensos ao pensamento violento em geral, mas o efeito de múltiplas vitimizações em fantasias violentas era muito semelhante em ambos os sexos.

Entre os garotos de 17 anos que não haviam sido vitimados no ano anterior, a probabilidade de fantasias violentas no último mês foi de 56%.

A cada tipo adicional de maus tratos, a probabilidade de fantasias violentas aumentou em até 8%. Aqueles que listaram cinco formas de vitimização tinham 85% de probabilidade de terem tido fantasias violentas; para aqueles que listaram dez foi de 97%.

Entre as meninas da mesma idade, nenhuma experiência de vitimização teve uma probabilidade de fantasia violenta de 23%, que aumentou para 59% naqueles que listaram cinco tipos de maus tratos, e 73% naqueles que disseram ter sofrido dez.

"Uma maneira de pensar sobre fantasias é como nosso cérebro ensaiando cenários futuros", disse o Prof. Manuel Eisner, diretor do Centro de Pesquisa em Violência da Universidade de Cambridge e autor principal do estudo publicado na revista Aggressive Behavior.

"O aumento das fantasias violentas entre aqueles que sofrem bullying ou maus tratos pode ser um mecanismo psicológico para ajudá-los a prepará-los para a violência que está por vir", disse ele.

"Essas fantasias de revidar contra os outros podem ter raízes profundas na história humana, de uma época em que as sociedades eram muito mais violentas, e a retribuição – ou a ameaça dela – era uma forma importante de proteção."

Segundo Eisner, a pesquisa sugere a extensão da ideação violenta em sociedades aparentemente pacíficas como a Suíça – com pensamentos assassinos surpreendentemente comuns.

"Cerca de 25% de todos os meninos de 17 anos e 13% das meninas relataram ter pelo menos uma fantasia de matar uma pessoa que conhecem nos últimos trinta dias. Cerca de um em cada cinco participantes do estudo nessa idade. Esses pensamentos podem ser profundamente preocupantes para aqueles que os vivenciam", disse ele.

A equipe – incluindo pesquisadores da Universidade de Zurique, Universidade de Edimburgo, Universidade de Utrecht, Universidade de Leiden e Universidad de la Republica – coletou e analisou uma riqueza de dados.

Como tal, eles foram capazes de filtrar e 'controlar' outros possíveis gatilhos para o pensamento violento nos adolescentes. Por exemplo, eles descobriram que o status socioeconômico desempenhou pouco papel nas taxas de fantasia violenta.

O estudo também mostra que "eventos adversos da vida", como problemas financeiros ou separação dos pais, não tiveram impacto significativo. "Pensamentos de matar outros são desencadeados por experiências de danos interpessoais, ataques à nossa identidade pessoal, em vez de estímulos nocivos de forma mais geral", disse Eisner.

"É a diferença entre as condições que deixam as pessoas irritadas e chateadas, e aquelas que tornam as pessoas vingadas."

Seguindo a maioria dos adolescentes até a idade adulta, os pesquisadores puderam rastrear padrões ao longo de vários anos. As taxas globais dos pensamentos mais extremos diminuíram aos vinte anos: apenas 14% dos homens jovens e 5,5% das mulheres pensaram em matar alguém que conhecem no mês passado.

No entanto, os efeitos da vitimização em fantasias violentas não diminuíram à medida que cresciam, sugerindo que a intensidade desse mecanismo psicológico pode não desaparecer.

"Este estudo não analisou se ideações violentas causadas pela vitimização realmente levam a comportamentos violentos. No entanto, um achado consistente em toda a criminologia é que as vítimas muitas vezes se tornam infratores, e vice-versa", disse Eisner.


"As fantasias são desenfreadas, e a vingança tomada em nossas mentes é muitas vezes desproporcional ao evento do mundo real que a desencadeou.

"Estudar os mecanismos por trás de fantasias violentas, particularmente em uma idade jovem, pode ajudar com intervenções direcionadas que podem impedir que a ruminação obsessiva se transforme horrivelmente real."

anotações:

* Exemplos de pesquisas anteriores sobre níveis de "ideação homicida" entre adultos citados pelo estudo incluem:

– Entre 50-80% dos universitários relatam pelo menos uma fantasia de matar outra pessoa em sua vida;

– 14% de uma amostra comunitária de adultos tinha experimentado devaneios ou pensamentos sobre machucar fisicamente outras pessoas nos dois meses anteriores ao estudo.

* A equipe de pesquisa também encontrou uma pequena correlação entre o consumo de mídia violenta e pensamentos violentos, mas os efeitos foram pequenos. Um preditor mais significativo foi simplesmente ter relatado fantasias violentas em uma idade mais precoce, bem como uma crença de que a violência pode ser justificada, o que contribui para o que os pesquisadores chamam de "agressividade característica".

* O estudo foi realizado com o Projeto Zurique de Desenvolvimento Social da Infância à Idade Adulta, que é financiado principalmente pela Fundação Nacional de Ciência da Suíça e pela Fundação Jacobs. É sediada pelo Centro Jacobs de Desenvolvimento produtivo da Juventude na Universidade de Zurique.

"A associação da polivitimização com ideações violentas no final da adolescência e início da vida adulta: Um estudo longitudinal" por Manuel Eisner et al. Comportamento Agressivo


45 visualizações0 comentário