top of page

Lipídio exclusivo de ácido graxo ômega-3 pode revolucionar nossa compreensão do desenvolvimento cere




Os pesquisadores identificaram uma proteína transportadora especial, Mfsd2a, que desempenha um papel crítico na regulação das células cerebrais responsáveis por proteger os nervos com bainhas de mielina. A perda das bainhas de mielina pode ocorrer durante o processo normal de envelhecimento e em doenças neurológicas como esclerose múltipla e doença de Alzheimer. Os resultados indicam que os lipídios ômega-3 da LPC podem direcionar o desenvolvimento de oligodendrócitos, um processo crítico para a mielinização cerebral.

Principais Fatos:

1. Os pesquisadores descobriram o papel crítico de uma proteína transportadora especial na regulação das células cerebrais que protegem os nervos com bainhas de mielina.

2. A proteína chamada Mfsd2a transporta um lipídio, lisofosfatidilcolina (LPC), que contém um ácido graxo ômega-3, para o cérebro como parte do processo de mielinização. Os lipídios ômega-3 da LPC atuam como fatores dentro do cérebro para direcionar o desenvolvimento de oligodendrócitos, um processo crítico para a mielinização cerebral.

3. Os resultados da pesquisa podem abrir caminho para o desenvolvimento de terapias e suplementos dietéticos baseados em lipídios ômega-3 LPC que podem ajudar a reter a mielina no cérebro envelhecido e tratar pacientes com distúrbios neurológicos decorrentes da mielinização reduzida.

Fonte: Duke NUS Medical School

Cientistas de Singapura demonstraram o papel crítico desempenhado por uma proteína transportadora especial na regulação das células cerebrais que garantem que os nervos sejam protegidos por coberturas chamadas bainhas de mielina.

As descobertas, relatadas por pesquisadores da Duke-NUS Medical School e da Universidade Nacional de Cingapura no Journal of Clinical Investigation, podem ajudar a reduzir os impactos prejudiciais do envelhecimento no cérebro.

Uma membrana isolante que envolve os nervos, as bainhas de mielina facilitam a condução rápida e eficaz de sinais elétricos por todo o sistema nervoso do corpo. Quando a bainha de mielina fica danificada, os nervos podem perder sua capacidade de funcionar e causar distúrbios neurológicos.

Com o envelhecimento, as bainhas de mielina podem naturalmente começar a degenerar, razão pela qual os idosos perdem suas habilidades físicas e mentais.

"A perda das bainhas de mielina ocorre durante o processo normal de envelhecimento e em doenças neurológicas, como esclerose múltipla e doença de Alzheimer", disse o Dr. Sengottuvel Vetrivel, pesquisador sênior do Programa de Distúrbios Cardiovasculares e Metabólicos (CVMD) da Duke-NUS e principal investigador do estudo.

"Desenvolver terapias para melhorar a mielinização – a formação da bainha de mielina – no envelhecimento e na doença é de grande importância para aliviar quaisquer dificuldades causadas pelo declínio da mielinização."

Para abrir caminho para o desenvolvimento de tais terapias, os pesquisadores buscaram entender o papel da Mfsd2a, uma proteína que transporta lisofosfatidilcolina (LPC) – um lipídio que contém um ácido graxo ômega-3 – para o cérebro como parte do processo de mielinização.

Pelo que se sabe, defeitos genéticos no gene Mfsd2a levam a uma redução significativa da mielinização e a um defeito congênito chamado microcefalia, que faz com que a cabeça do bebê seja muito menor do que deveria.

Em modelos pré-clínicos, a equipe mostrou que a remoção de Mfsd2a de células precursoras que amadurecem em células produtoras de mielina – conhecidas como oligodendrócitos – no cérebro levou a mielinização deficiente após o nascimento.

Investigações adicionais, incluindo o sequenciamento de RNA de célula única, demonstraram que a ausência de Mfsd2a fez com que o pool de moléculas de ácidos graxos – particularmente gorduras ômega-3 – fosse reduzido nas células precursoras, impedindo que essas células amadurecessem em oligodendrócitos que produzem mielina.

"Nosso estudo indica que os lipídios ômega-3 da LPC atuam como fatores dentro do cérebro para direcionar o desenvolvimento de oligodendrócitos, um processo crítico para a mielinização cerebral", explicou o professor David Silver, autor sênior do estudo e vice-diretor do Programa CVMD.

"Isso abre caminhos potenciais para desenvolver terapias e suplementos alimentares baseados em lipídios ômega-3 LPC que podem ajudar a reter a mielina no cérebro envelhecido – e possivelmente para tratar pacientes com distúrbios neurológicos decorrentes da mielinização reduzida."

Anteriormente, o Prof. Silver e seu laboratório descobriram o Mfsd2a e trabalharam em estreita colaboração com outras equipes para determinar a função dos lipídios LPC no cérebro e em outros órgãos. A pesquisa atual fornece mais informações sobre a importância do transporte lipídico para o desenvolvimento de células precursoras de oligodendrócitos.

"Agora pretendemos conduzir estudos pré-clínicos para determinar se o ômega-3 LPC dietético pode ajudar a remielinizar axônios danificados no cérebro", acrescentou o Prof. Silver. "Nossa esperança é que suplementos contendo essas gorduras possam ajudar a manter – ou até mesmo melhorar – a mielinização cerebral e a função cognitiva durante o envelhecimento."


"O Prof. Silver tem sido implacável na investigação do papel de longo alcance da Msdf2a desde que descobriu esta importante proteína de transporte lipídico, aludindo às muitas maneiras possíveis de tratar não apenas o cérebro envelhecido, mas também outros órgãos nos quais a proteína desempenha um papel", disse o professor Patrick Casey, vice-reitor sênior de pesquisa.


"É emocionante ver o Prof. Silver e sua equipe moldarem nossa compreensão dos papéis que esses lipídios especializados desempenham através de suas muitas descobertas."

Author: Dionne Seah

Source: Duke NUS Medical School

Contact: Dionne Seah – Duke NUS Medical School


Original Research: The findings will appear in Journal of Clinical Investigation


640 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page