top of page

Máscaras causam dores de cabeça, coceira e menor ingestão de oxigênio, diz estudo




Uma revisão sistemática de 2.168 estudos que analisaram os efeitos adversos do uso de máscaras durante a pandemia de COVID-19 descobriu que a prática levou a consequências negativas para a saúde, incluindo coceira, dores de cabeça e restrição de oxigênio.

"Encontramos efeitos significativos nas máscaras médico-cirúrgicas e N95, com um impacto maior do segundo", afirma a revisão, publicada no "Frontiers in Public Health" em 5 de abril. Uma meta-análise de vários estudos descobriu que a dor de cabeça era o "sintoma mais frequente" entre os usuários de máscaras, com uma prevalência de 62% para o uso geral de máscaras e até 70% ao usar máscaras N95. A falta de ar foi observada em 33% para o uso geral de máscaras e 37% entre os usuários do N95.

Enquanto 17 por cento dos usuários de máscara cirúrgica experimentaram coceira, esse número foi de 51 por cento entre os usuários de N95. A prevalência de acne entre os usuários de máscaras foi de 38% e a irritação da pele foi de 36%. Verificou-se que a tontura era prevalente entre 5% dos indivíduos.

"As máscaras interferiram na captação de O2 e na liberação de CO2 e comprometeram a compensação respiratória", afirma a revisão. "Embora as durações de uso avaliadas sejam mais curtas do que o uso diário / prolongado, os resultados validam independentemente a síndrome de exaustão induzida por máscara (MIES) e as disfunções fisiometabólicas a jusante. O MIES pode ter consequências clínicas a longo prazo, especialmente para grupos vulneráveis."

A restrição do consumo de oxigênio e o impedimento na liberação de dióxido de carbono foram identificados como mais significativos entre os usuários de máscaras N95. A reinalação contínua de dióxido de carbono resulta no "deslocamento para a direita da curva de saturação de hemoglobina-O2".

"Como a homeostase do O2 e do CO2 influencia diversos processos metabólicos a jusante, as mudanças correspondentes em direção a direções clinicamente preocupantes podem levar a consequências desfavoráveis, como hipoxemia transitória e hipercarbia, aumento da umidade da respiração e temperatura corporal, juntamente com compensações fisiológicas comprometidas", afirma a revisão.


A revisão também disse que vários sintomas relacionados à máscara podem ter sido mal interpretados como sintomas de COVID longa. "De qualquer forma, o possível MIES contrasta com a definição de saúde da OMS", afirma, referindo-se à Organização Mundial da Saúde.

Sugeriu que os efeitos colaterais das máscaras faciais fossem avaliados com base na análise de risco-benefício depois de levar em consideração sua eficácia contra as transmissões virais. Se "fortes evidências empíricas" mostrando a eficácia das máscaras estiverem ausentes, o estudo recomendou que o uso de máscaras não deve ser obrigatório, "muito menos aplicado por lei".

Mudança repentina de política de máscaras, suprimindo estudos

Antes da pandemia de COVID-19, os dados existentes sobre vírus respiratórios mostravam que não havia base para o uso de máscaras para evitar sua disseminação. "Todos os estudos feitos no mundo até 2020 mostraram que não há justificativa para isso", disse Yoav Yehezkelli, especialista em medicina interna e tenente-coronel das Forças de Defesa de Israel, em entrevista ao Epoch Times em janeiro.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, bem como a OMS, emitiram diretrizes de que não havia necessidade de usar máscaras no público em geral, ressaltou.

Mas em 2020, após o surto de COVID-19, as recomendações sobre o uso de máscaras em todo o mundo mudaram de repente "sem ter qualquer novo apoio profissional para confirmar que realmente tem eficácia contra a infecção respiratória".

Uma carta de dezembro que ele co-escreveu e enviou ao Israel Medical Association Journal apontou para vários estudos sugerindo que o uso de máscaras pode acabar causando danos.

Potenciais efeitos negativos incluem dores de cabeça, falta de ar, uma queda nos níveis de oxigênio no sangue, um aumento nos níveis de dióxido de carbono, dificuldades de concentração e contaminação bacteriana. O acúmulo de CO2 pode acabar causando cansaço, embaçamento e sonolência, observou ele.

Também houve tentativas de subjugar estudos que expõem a ineficácia das máscaras. Um estudo de 2023 publicado no Cochrane Database of Systematic Reviews afirmou que o uso de máscaras fez "pouca ou nenhuma diferença" quando se tratava da transmissão da COVID-19.

Um colunista do The New York Times publicou um artigo de opinião intitulado "Aqui está por que a ciência é clara que as máscaras funcionam" e entrou em contato com a Cochrane para obter sua opinião. O editor-chefe da Cochrane emitiu um comunicado dizendo que é uma "interpretação imprecisa e enganosa" dizer que o estudo mostra que as máscaras não funcionam, acrescentando que a publicação estava "envolvida" com os autores na atualização do resumo do artigo.

No entanto, os autores se recusaram a fazê-lo, com o autor principal insistindo que "simplesmente não há evidências de que [as máscaras] façam qualquer diferença ... ponto final".



SYSTEMATIC REVIEW article

Front. Public Health, 05 April 2023 Sec. Environmental health and Exposome Volume 11 - 2023 | https://doi.org/10.3389/fpubh.2023.1125150

Physio-metabolic and clinical consequences of wearing face masks—Systematic review with meta-analysis and comprehensive evaluation

Kai Kisielinski1*, Oliver Hirsch2, Susanne Wagner3, Barbara Wojtasik4, Stefan Funken5, Bernd Klosterhalfen6, Soumen Kanti Manna7, Andreas Prescher8, Pritam Sukul9* and Andreas Sönnichsen10

  • 1Orthopaedic and Trauma Surgery, Clinical Medicine, Private Practice, Düsseldorf, Germany

  • 2Department of Psychology, Fachhochschule für Oekonomie und Management (FOM) University of Applied Sciences, Siegen, Germany

  • 3Veterinary Medicine, Wagner Medical Science Liason (MSL) Management, Blankenfelde-Mahlow, Germany

  • 4Department of Genetics and Biosystematics, Faculty of Biology, University of Gdańsk, Gdansk, Poland

  • 5Internal Medicine, Clinical Medicine, Private Practice, Moers, Germany

  • 6Institute of Pathology, Dueren Hospital, Dueren, Germany

  • 7Biophysics and Structural Genomics Division, Saha Institute of Nuclear Physics, Kolkata, India

  • 8Institute of Molecular and Cellular Anatomy (MOCA), Rhine-Westphalia Technical University of Aachen, Aachen, Germany

  • 9Rostock Medical Breath Research Analytics and Technologies (ROMBAT), Department of Anesthesiology and Intensive Care, University Medicine Rostock, Rostock, Germany

  • 10Internal Medicine, Clinical Medicine, Private Practice, Gesundheit für Österreich e.V. (Health for Austria), Vienna, Austria

Background: As face masks became mandatory in most countries during the COVID-19 pandemic, adverse effects require substantiated investigation.

Methods: A systematic review of 2,168 studies on adverse medical mask effects yielded 54 publications for synthesis and 37 studies for meta-analysis (on n = 8,641, m = 2,482, f = 6,159, age = 34.8 ± 12.5). The median trial duration was only 18 min (IQR = 50) for our comprehensive evaluation of mask induced physio-metabolic and clinical outcomes.

Results: We found significant effects in both medical surgical and N95 masks, with a greater impact of the second. These effects included decreased SpO2 (overall Standard Mean Difference, SMD = −0.24, 95% CI = −0.38 to −0.11, p < 0.001) and minute ventilation (SMD = −0.72, 95% CI = −0.99 to −0.46, p < 0.001), simultaneous increased in blood-CO2 (SMD = +0.64, 95% CI = 0.31–0.96, p < 0.001), heart rate (N95: SMD = +0.22, 95% CI = 0.03–0.41, p = 0.02), systolic blood pressure (surgical: SMD = +0.21, 95% CI = 0.03–0.39, p = 0.02), skin temperature (overall SMD = +0.80 95% CI = 0.23–1.38, p = 0.006) and humidity (SMD +2.24, 95% CI = 1.32–3.17, p < 0.001). Effects on exertion (overall SMD = +0.9, surgical = +0.63, N95 = +1.19), discomfort (SMD = +1.16), dyspnoea (SMD = +1.46), heat (SMD = +0.70), and humidity (SMD = +0.9) were significant in n = 373 with a robust relationship to mask wearing (p < 0.006 to p < 0.001). Pooled symptom prevalence (n = 8,128) was significant for: headache (62%, p < 0.001), acne (38%, p < 0.001), skin irritation (36%, p < 0.001), dyspnoea (33%, p < 0.001), heat (26%, p < 0.001), itching (26%, p < 0.001), voice disorder (23%, p < 0.03), and dizziness (5%, p = 0.01).

Discussion: Masks interfered with O2-uptake and CO2-release and compromised respiratory compensation. Though evaluated wearing durations are shorter than daily/prolonged use, outcomes independently validate mask-induced exhaustion-syndrome (MIES) and down-stream physio-metabolic disfunctions. MIES can have long-term clinical consequences, especially for vulnerable groups. So far, several mask related symptoms may have been misinterpreted as long COVID-19 symptoms. In any case, the possible MIES contrasts with the WHO definition of health.

Conclusion: Face mask side-effects must be assessed (risk-benefit) against the available evidence of their effectiveness against viral transmissions. In the absence of strong empirical evidence of effectiveness, mask wearing should not be mandated let alone enforced by law.

Systematic review registration: https://www.crd.york.ac.uk/prospero/display_record.php?ID=CRD42021256694, identifier: PROSPERO 2021 CRD42021256694.


364 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page