Médico da Austrália soa alarme: Não tome a vacina se você já teve COVID-19



Dr. Mark Hobart, que tem vasta experiência no tratamento de pacientes coronavírus em asilos em Melbourne, escreveu que era seu "dever como médico" informar as autoridades de saúde de "práticas medial perigosas".

20 de maio de 2021

MELBOURNE, Austrália, 20 de maiode2021 —Um Geriatra da Austrália soou o alarme sobre os perigos das vacinas COVID-19 para pessoas que já tiveram o vírus.

"Todos os pacientes em asilos em Victoria devem ser testados para anticorpos COVID antes de receber qualquer vacina COVID", escreveu o Dr. Mark Hobart, 62 anos, em uma carta de 4 de maio ao Diretor Médico (CMO) do estado.

"Os pacientes não devem receber a vacina se forem positivos em anticorpos."

Hobart tem tratado pacientes que testam positivo para o novo coronavírus em casas de saúde de Melbourne, e ele diz que tanto sua "vasta experiência" quanto a "literatura mais recente" confirmam sua opinião.

"Minha recomendação urgente também é apoiada por alguns dos principais imunologistas e especialistas australianos e internacionais", acrescentou.

Hobart orientou o CMO, professor Brett Sutton, a ler um artigo de revista chamado "Self-Reported Real-World Safety and Reactogenicity of COVID-19 Vaccines: A Vaccine Recipient Survey". O estudo relatou que as pessoas que se recuperaram do COVID-19 tinham um risco muito maior de obter um efeito colateral grave de uma vacina COVID-19.

"Este estudo descobriu que se você vacinar pessoas que já tiveram doença covid-19, há um aumento de até 112% da necessidade de hospitalização devido a reações adversas graves", escreveu Hobart.

"Isso foi especialmente com a vacina [Oxford-AstraZenica] em comparação com a Pfizer, que foi menos arriscada neste estudo."

Os autores descreveram as vacinas não-mRNA como mais arriscadas do que as vacinas mRNA, dizendo que "nosso estudo associa a doença anterior do COVID-19 com uma incidência crescente de efeitos colaterais de vacinação e demonstra que as vacinas de mRNA causam efeitos colaterais mais leves e menos frequentes, mas mais reações locais".

Hobart está preocupado com o bem-estar dos 14 pacientes que tiveram COVID-19 no mesmo asilo em julho e agosto passado e agora têm anticorpos.

"Eles não devem receber a vacina COVID devido aos riscos à saúde e porque já estão imunes e não precisam dela", escreveu.

O médico acredita que centenas de pacientes semelhantes nos asilos de Victoria terão anticorpos COVID-19 e, portanto, eles "devem ser testados antes de serem vacinados". Ele disse a Sutton que os pacientes, ou seus parentes mais próximos, devem ser informados tanto de seu risco aumentado para efeitos colaterais quanto sua imunidade quase certa ao coronavírus.

"Dado o perigo de imunizar pacientes pós-Cov e o alto nível de proteção que se segue à doença de Covid, que agora está bem documentada, há uma razão moral e legal para informar totalmente esses destinatários dessas realidades", escreveu Hobart.

"Este é o dever básico de cuidado. Uma falha no teste dos pacientes do asilo afetado ou informá-los, ou seus 'parentes próximos', dos riscos potenciais pode ser considerado uma desistência do dever."

Hobart escreveu que era seu "dever como médico" informar as autoridades de saúde sobre "práticas medial perigosas" e informou ao CMO que divulgaria as informações ao público se não recebesse "uma resposta apropriada" até 7 de maio.

Além disso, o médico alertou o CMO para a literatura demonstrando que a vacinação não é necessária, pois terapias alternativas como a Ivermectina têm se mostrado eficazes. Os perigos das vacinas para pessoas com anticorpos COVID-19 são, escreveu Hobart, "especialmente preocupante, dado que a literatura agora confirma a eficácia das terapias alternativas à vacina covid que oferece proteção contra sars-cov-2 e sua doença covid associada".

Ele ofereceu o artigo "Review of Emerging Evidence Demonstrating the Efficacy of Ivermectin" no American Journal of Therapeutics (e299-e318 [2021]) como a mais recente pesquisa sobre o tema.

"Eles tentaram fechar nosso site"

Hobart disse ao LifeSiteNews esta manhã que na terça-feira depois de escrever a carta, ele a entregou à mão no escritório do CMO. O GP deu ao CMO um prazo para sua resposta porque seus pacientes do asilo estavam programados para obter uma vacinação COVID-19 em 12 de maio. Depois, ele telefonou para os parentes mais próximos para seus pacientes que tinham testado positivo para anticorpos COVID-19, e a maioria disse que não queria que seus parentes fossem vacinados.

"Liguei para outros médicos do asilo, para contar o que tinha acontecido, e então fiz o que pude."

Hobart também escreveu para políticos e contatos da mídia e não teve uma resposta de ninguém até agora.

"As únicas pessoas por quem consegui espalhá-lo foram as redes sociais e o subterrâneo — como você chama isso? A resistência subterrânea."

Hobart acredita que sabe por que as autoridades civis e a grande mídia não estão respondendo.

"Trata-se da Pfizer e de outras empresas de vacinas que passam pela vacina, não importa o que aconteça", disse ele.

"E a razão pela qual não recebi nenhuma resposta de ninguém é porque isso pode interromper a implantação da vacina."

O médico disse que o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, quer que todos sejam vacinados, para que as viagens possam ser retomadas entre a nação insular e o resto do mundo. Mais recentemente, fala-se em vacinar crianças.

"É uma grande batalha aqui. Uma pequena minoria de médicos que são contra a vacinação que não é testada, experimental, não quer vacinar pessoas que não são susceptível de melhorar com isso", disse ele.

O grupo está atualmente organizado sob o nome e site "Covid Medical Network" e sob ataque da Administração de Bens Terapêuticos da Austrália (TGA),que controla todos os medicamentos que entram no país.

"Eles tentaram fechar nosso site", disse Hobart.

"Estou sob investigação da AHPRA, a Agência Australiana de Regulação de Practioner da Saúde, porque dei uma entrevista no início de setembro em um programa de televisão aqui no canal Sky... sobre como eu tratei um paciente com Ivermectina para coronavírus."

Trabalhando com pacientes coronavírus: 'Todos os funcionários regulares tinham saído'

As aventuras covid-19 de Hobart começaram quando asilos nos subúrbios ocidentais de Melbourne sofreram um surto de coronavírus em julho e agosto de 2020. Hobart tinha sete pacientes em uma das casas, e depois de não ter notícias deles por uma semana, ele telefonou para descobrir como eles estavam. Ele descobriu que o asilo estava trancado e abandonado pelos funcionários.


"Todos os funcionários regulares tinham deixado", disse ele, "e funcionários da agência tinham sido trazidos de fora para substituí-los. Todos os GPs normais tinham saído. Eu fui o único que participou. Os únicos outros participantes médicos eram do hospital público da região, e enviavam médicos para administrar os cuidados médicos dos pacientes."

"Eu era o único lá que tinha a continuidade do cuidado desses pacientes, e enquanto lá eu via algumas coisas muito interessantes."


Acima de tudo, nenhum dos pacientes coronavírus apresentava sintomas de doença respiratória.

"Nenhum deles estava tossindo", disse Hobart. "Nenhum deles teve qualquer dificuldade para respirar. Eles pareciam iguais. A única diferença era que tudo estava embrulhado em plástico, e todos estavam isolados. E ninguém podia entrar ou sair do lugar, então eles não tinham visitas... e nenhuma atividade social."

O médico esteve no asilo quase todos os dias por mais de seis semanas, e enquanto ele estava lá 54 residentes foram positivos para COVID-19. Hobart disse ao LifeSiteNews que experimentou algumas "coisas bastante perturbadoras", incluindo ouvir sobre a morte de um paciente assintomático que ele havia visitado recentemente e encontrado em boa saúde. Ela morreu pouco tempo depois que outro médico injetou morfina e midazolam e retirou sua hidratação. Em outro caso, o hospital local se recusou a receber um paciente assintomático, mas COVID-19 positivo, que Hobart acreditava ter tido um derrame após uma queda. Quando ele a encontrou ainda em casa no dia seguinte, a paciente estava inconsciente e paralisada do lado esquerdo.

"Eles não a levariam porque ela era coronavírus positivo", disse ele . Quando Hobart chamou uma ambulância, o hospital a aceitou e descobriu que ela tinha sangramento no cérebro. A família dos pacientes decidiu colocá-la em cuidados paliativos, e ela morreu duas semanas depois. Hobart acredita que isso não teria acontecido, se o hospital a tivesse levado quando ele pediu pela primeira vez. Ele também acredita "absolutamente" que os pacientes COVID-19 positivos estão sendo maltratados e negligenciados.

Os residentes do asilo "podem testar positivo por meses", explicou Hobart.

"Eles só fazem o teste de PCR uma vez, e inicialmente eles usavam para testá-los novamente, mas depois pararam de testá-los porque muitos continuaram testando positivo", continuou.

"A regra era a seguinte: [quando] a pessoa que foi testada para coronavírus e encontrou positivo, se depois de duas semanas, eles são assintomáticos, eles são considerados negativos."

Hobart disse que o teste está sendo usado da maneira errada.

"Eles estão testando muito acima da taxa de multiplicação", explicou.

"Chama-se limiar de tomografia; é o número de vezes que você multiplica o teste. Eles estão testando até 38 e 40 vezes aqui, e uma vez que você ultrapassa 30 vezes, o teste se torna sem sentido. É razoavelmente preciso até cerca de 28, mas quanto menor a taxa de multiplicação, mais preciso é, porque você está pegando mais coisas."

"Você sabe, isso é exatamente como eu me senti quando eu tenho coronavírus."

Hobart foi inspirado a escrever ao Diretor Médico de seu estado sobre os perigos de vacinar pessoas que já têm anticorpos COVID-19 por causa do sofrimento de um de seus próprios pacientes. Este cavalheiro contraiu coronavírus e ficou no hospital por seis meses. Depois de receber alta, Hobart sugeriu que ele fez um teste de anticorpos, coberto pelo plano de saúde do governo, porque o paciente estava reservado para tomar uma vacina. O teste deu positivo.

"Eu disse a ele: 'Ouça, você tem anticorpos para coronavírus. Isso provavelmente significa que você é imune ao coronavírus; considere não ter a vacina'", lembrou Hobart.

Ele sugeriu que o paciente desse os resultados ao médico reservado para vaciná-lo e ver o que ele disse. O médico, no entanto, acreditava que o paciente precisava da vacina de qualquer maneira e o inoculava.

"Algumas horas depois disso, ele começou a se sentir mal. Quando ele acordou [na manhã seguinte], ele estava muito doente", disse Hobart.

"Ele me disse: 'Sabe, foi exatamente assim que me senti quando recebi coronavírus'."

O paciente ficou no hospital por uma semana, e enquanto estava lá, foi diagnosticado com uma infecção torácica — embora não houvesse evidências de que ele tinha tido uma infecção torácica. O raio-X do tórax estava limpo, nenhum teste de escarro foi feito, todos os testes de patógenos respiratórios deram negativo, a contagem de células brancas não subiu.

"O que me incomodou foi que os médicos do hospital disseram a ele 'Isso não tem nada a ver com a vacinação; você tem uma infecção torácica grave'", disse Hobart ao LSN.

"E não só isso, ele foi dito que ele deve obter o booster tiro."

Hobart ficou preocupado com seus pacientes no asilo e convidou todos os 27 – os 15 que tinham COVID-19 e os 12 que não fizeram – para fazer exames de anticorpos. Todos os 14 sobreviventes do coronavírus que concordaram deram positivo para os anticorpos. Na mesma época, Hobart tomou conhecimento do estudo de meados de março que ele mencionou em sua carta, mostrando que as pessoas que tinham tido o coronavírus e depois foram vacinadas foram encontradas com o dobro do risco de reações graves. Ele também falou "com o imunologista mais sênior da Austrália" sobre seus medos.

"Ele disse: 'Isso mesmo. Se você teve coronavírus e você tem anticorpos, você terá pelo menos imunidade boa ou melhor do que a vacina. Não há necessidade de tomar a vacina'", lembrou Hobart.

"Ele também disse: 'Se eles forem vacinados, eles podem acabar com uma reação severa.'"

Hobart não nomearia o especialista, já que o imunologista tem sido atacado na Austrália.

Dadas todas essas informações, Hobart decidiu que era seu dever informar o Diretor de Saúde do que estava acontecendo.

"E é por isso que eu escrevi a carta."

Hobart acredita que o impulso para vacinar todos, mesmo aqueles com anticorpos, é motivado pela ganância financeira por parte das empresas de vacinas.

"Eles podem ter razões piores para isso, mas eu não quero especular porque eu não sei", disse ele.


2,138 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo