Medicação anticonvulsiva melhora função cognitiva em alguns pacientes com Alzheimer




Levetiracetam, uma droga barata comumente usada no tratamento da epilepsia, melhorou a memória, o aprendizado e a cognição para pacientes com Alzheimer que experimentam atividade de epilepsia em seus cérebros.

Fonte: UCLA

Um medicamento anticonvulsivo barato melhora significativamente o aprendizado e a memória e outras funções cognitivas em pacientes com Alzheimer que têm atividade epiléptica em seus cérebros, de acordo com um estudo publicado na edição de 27 de setembro da JAMA Neurology.

"Esta é uma droga usada para epilepsia", diz Keith Vossel, MD, MSc, diretor do Mary S. Easton Center for Alzheimer's Disease Research da UCLA, e o principal pesquisador do estudo clínico. "Usamos neste estudo para pacientes com Alzheimer que tinham evidências de atividade epiléptica silenciosa, que é atividade cerebral semelhante a convulsões sem as convulsões físicas associadas."

A doença de Alzheimer (DA) é a principal causa de demência em todo o mundo. Os sintomas iniciais incluem perda de memória de curto prazo, declínio na resolução de problemas, dificuldades de encontrar palavras e problemas com a navegação espacial. Entre os pacientes com Alzheimer, estima-se que 10-22% desenvolvem convulsões, enquanto outros 22-54% apresentam atividade epiléptica silenciosa.

O Dr. Vossel mostrou em estudos anteriores que pacientes que experimentam atividade epiléptica silenciosa em seus cérebros têm um declínio mais rápido na função cognitiva. Os pesquisadores optaram por testar o medicamento anticonvulsivo levetiracetam, que foi aprovado pela FDA em 1999 e também teve um bom desempenho em modelos animais da doença de Alzheimer. Agora disponível como um genérico, levetiracetam custa cerca de US $ 70 por ano. A dose testada no ensaio foi de 125 mgs duas vezes ao dia, muito menos do que uma dose típica usada para epilepsia.

No estudo, 54 pacientes com sintomas leves de Alzheimer foram examinados para atividade epiléptica silenciosa usando um eletroencefalograma (EEG) para monitorá-los durante a noite, bem como um magnetoencefalograma de uma hora de duração (MEG) para registrar ondas magnéticas geradas a partir da atividade elétrica.

"O MEG pode captar atividade epiléptica que os EEGs perdem porque está olhando para uma população diferente de células cerebrais", explicou o Dr. Vossel.

Entre os pacientes examinados para o estudo, 34 pacientes foram elegíveis para participar, sendo que quase 40% tinham atividade epiléptica, e o restante não tinha atividade epiléptica (pacientes com medicamentos anticonvulsivos devido a distúrbios convulsivos pré-existentes foram excluídos antes da triagem).

Esses pacientes foram então divididos em dois grupos com um grupo recebendo placebo por quatro semanas, seguido por um período de 4 semanas sem receber nenhuma droga e, em seguida, uma dose de 125 mg de levetiracetam duas vezes por dia durante quatro semanas. O segundo grupo recebeu esses mesmos tratamentos em ordem inversa. Este projeto de crossover permitiu que a intervenção fosse testada em todos os participantes, sem que nem os pacientes nem os pesquisadores soubessem se o paciente estava tomando a droga real em uma determinada semana.

Durante o período de estudo, os pesquisadores testaram habilidades como as habilidades dos pacientes para resolver problemas, raciocinar, lembrar palavras e quão bem eles poderiam navegar. Por exemplo, usando um simulador de direção em um monitor de computador, eles fizeram com que os participantes aprendessem a navegar por uma rota de rua através de uma cidade virtual.

Os pesquisadores descobriram que os pacientes tratados com levetiracetam apresentaram tendências para a melhora da função cognitiva, mas quando os pacientes foram separados naqueles com atividade epiléptica silenciosa e sem, os pacientes com atividade epiléptica silenciosa mostraram claro benefício de estar em cima da droga.