top of page

Microbioma intestinal desempenha um papel nos efeitos do estilo de vida no risco de demência




11 de outubro de 2022 O microbioma do intestino pode influenciar como o exercício e a dieta afetam a saúde cerebral geral e o risco de desenvolver demência.

O microbioma intestinal pode desempenhar um papel na forma como a dieta e o exercício afetam a saúde cerebral e o risco de demência, sugere um estudo recente de Baycrest. Esse conhecimento poderia ajudar cientistas e médicos a otimizar estratégias para prevenir a demência.

Intervenções de estilo de vida para reduzir o risco de demência muitas vezes incluem dieta e exercícios, que são conhecidos por afetar o microbioma intestinal – a comunidade de bactérias e outros microrganismos que vivem em nosso intestino.

"Sabemos que os desequilíbrios no microbioma estão associados à cognição prejudicada", diz Noah Koblinsky, autor principal do estudo, Fisiologista do Exercício e Coordenador de Projetos do Instituto de Pesquisa Rotman (RRI) de Baycrest.

"No entanto, não sabemos muito sobre o papel do microbioma quando usamos intervenções de estilo de vida, como dieta e exercícios, para apoiar a saúde cerebral. Podemos adaptar intervenções de estilo de vida para direcionar especificamente o microbioma intestinal, e isso ajudará a otimizar seus efeitos na cognição? Neste estudo de revisão, buscamos resolver essa lacuna de conhecimento."

Para isso, Koblinsky e sua equipe revisaram todas as pesquisas existentes sobre dieta e intervenções de exercícios que analisaram tanto o microbioma quanto a saúde cerebral.

O estudo foi publicado no Journals of Gerontology: Series A.

Eles descobriram que o microbioma intestinal parece desempenhar um papel na forma como a dieta e o exercício afetam a saúde cerebral, embora mais pesquisas sejam necessárias para entender completamente como.

Estudos dietéticos mostraram um grande impacto da dieta no microbioma, com alimentos associados a um padrão alimentar no estilo mediterrâneo (por exemplo, fibras e gorduras saudáveis) que parecem ter o maior benefício para um microbioma intestinal saudável e cérebro.

Um estudo com 1.200 idosos analisou o impacto da dieta tanto na cognição quanto no microbioma. Metade dos participantes foi convidada a seguir uma dieta ao estilo mediterrâneo por 12 meses, enquanto a outra metade não estava.

Aqueles do grupo de dieta mediterrânea apresentaram melhorias significativas na cognição. Além disso, aqueles que acompanharam a dieta com mais atenção tinham microbiomas mais saudáveis associados a uma melhor saúde cerebral.

Em outro estudo, os pesquisadores usaram antibióticos para "matar" o microbioma intestinal em uma amostra de ratos. Eles então deram a esses ratos transplantes de microbioma (fecal) de ratos que tinham sido alimentados com uma dieta não saudável ou uma dieta saudável. Os ratos que receberam o transplante do grupo dietético insalubre apresentaram pior desempenho de memória, bem como inflamação nos intestinos e cérebro.

Esses achados apoiam a ideia de que o microbioma desempenha um papel na forma como a dieta impacta a saúde cerebral.

Os pesquisadores encontraram menos estudos olhando para o exercício. No entanto, aqueles que sugeriram que o exercício inicial, especificamente exercício aeróbico, pode levar a alterações no microbioma intestinal e na saúde cerebral ao mesmo tempo.

Essa área de pesquisa ainda está em sua infância, e a maioria dos estudos que os pesquisadores revisaram analisou analisou roedores e componentes alimentares singulares (por exemplo, fibras) em vez de padrões alimentares inteiros (como a dieta mediterrânea). No geral, os pesquisadores encontraram uma clara necessidade de mais estudos sobre dieta completa e intervenções de exercícios olhando tanto para o microbioma quanto para a saúde cerebral, particularmente em idosos em risco de demência.

Os pesquisadores estão agora lançando um ensaio controlado randomizado e estão procurando garantir financiamento para incluir a análise de mudanças no microbioma.

"Ao entender melhor como as mudanças no microbioma intestinal afetam a relação entre estilo de vida e saúde cerebral, podemos fortalecer as intervenções de estilo de vida existentes e criar novas estratégias para reduzir o risco de demência, ajudando idosos em todos os lugares a envelhecer sem medo", diz a Dra Nicole Anderson, Cientista Sênior do RRI, Diretora Científica Associada do Centro de Saúde e Bem-Estar Do Cérebro de Baycrest, e o autor sênior deste estudo.

Financiamento: Esta pesquisa foi apoiada por uma bolsa do Consórcio Canadense de Neurodegeneração no Envelhecimento (CCNA), que é apoiada pelo Canadian Institutes of Health Research (CIHR) com financiamento de vários parceiros. Autor: Sophie Boisvert-Hearn

Fonte: Baycrest

Contato: Sophie Boisvert-Hearn – Baycrest


115 visualizações0 comentário
bottom of page