Microbiota Intestinal desempenha um papel na função cerebral e regulação do humor


A microbiota intestinal desempenha um papel na função cerebral e regulação do humor. Crédito: Institut Pasteur / Pascal Marseaud



Um desequilíbrio nas bactérias intestinais pode causar a redução de alguns metabólitos, resultando em sintomas semelhantes à depressão. Os achados contribuem para o crescente conjunto de evidências para o papel que o microbioma desempenha na função cerebral e na saúde mental.

Fonte: Instituto Pasteur

A depressão é um transtorno mental que afeta mais de 264 milhões de pessoas de todas as idades em todo o mundo. Compreender seus mecanismos é vital para o desenvolvimento de estratégias terapêuticas eficazes. Cientistas do Institut Pasteur, Inserm e do CNRS realizaram recentemente um estudo mostrando que um desequilíbrio na comunidade bacteriana intestinal pode causar uma redução em alguns metabólitos, resultando em comportamentos depressivos.

Esses achados, que mostram que uma microbiota intestinal saudável contribui para a função cerebral normal, foram publicados na Nature Communications em 11 de dezembro de 2020.

A população bacteriana do intestino, conhecida como microbiota intestinal, é o maior reservatório de bactérias do corpo. Pesquisas têm mostrado cada vez mais que o hospedeiro e a microbiota intestinal são um excelente exemplo de sistemas com interações mutuamente benéficas. Observações recentes também revelaram uma ligação entre distúrbios de humor e danos à microbiota intestinal.

Isso foi demonstrado por um consórcio de cientistas do Institut Pasteur, do CNRS e do Inserm, que identificaram uma correlação entre a microbiota intestinal e a eficácia da fluoxetina, molécula frequentemente usada como antidepressivo. Mas alguns dos mecanismos que regem a depressão, a principal causa de incapacidade em todo o mundo, permaneceram desconhecidos.

Usando modelos animais, os cientistas descobriram recentemente que uma mudança na microbiota intestinal provocada pelo estresse crônico pode levar a comportamentos depressivos, em particular causando uma redução nos metabólitos lipídicos (pequenas moléculas resultantes do metabolismo) no sangue e no cérebro.

Estes metabólitos lipídes, conhecidos como canabinoides endógenos (ou endocanabinóides), coordenam um sistema de comunicação no corpo que é significativamente dificultado pela redução de metabólitos. Microbiota intestinal desempenha um papel na função cerebral e regulação do humor

Os endocanabinóides se ligam a receptores que também são o principal alvo do THC, o componente ativo mais conhecido da cannabis. Os cientistas descobriram que a ausência de endocanabinóides no hipocampo, uma região cerebral chave envolvida na formação de memórias e emoções, resultou em comportamentos depressivos.

Os cientistas obtiveram esses resultados estudando as microbiotas de animais e animais saudáveis com transtornos de humor. Como explica Pierre-Marie Lledo, Chefe da Unidade de Percepção e Memória do Institut Pasteur (CNRS/Institut Pasteur) e último autor conjunto do estudo: "Surpreendentemente, simplesmente transferir a microbiota de um animal com transtornos de humor para um animal em boa saúde foi suficiente para provocar mudanças bioquímicas e conferir comportamentos depressivos neste último."

Os cientistas identificaram algumas espécies bacterianas que são significativamente reduzidas em animais com transtornos de humor. Eles então demonstraram que um tratamento oral com as mesmas bactérias restaurou os níveis normais de derivados lipídes, aliviando assim os comportamentos depressivos. Essas bactérias poderiam, portanto, servir como um antidepressivo. Tais tratamentos são conhecidos como "psicobióticos".

"Essa descoberta mostra o papel desempenhado pela microbiota intestinal na função cerebral normal", continua Gérard Eberl, Chefe da Unidade de Microambiente e Imunidade (Institut Pasteur/Inserm) e último autor conjunto do estudo. Se há um desequilíbrio na comunidade bacteriana intestinal, alguns lipídios que são vitais para a função cerebral desaparecem, incentivando o surgimento de comportamentos depressivos. Neste caso específico, o uso de bactérias específicas pode ser um método promissor para restaurar uma microbiota saudável e tratar os transtornos de humor de forma mais eficaz.

56 visualizações0 comentário