top of page

Morte,insuficiência cardíaca ocorreu entre v@cin@dos com inflamação cardíaca, diz estudo



A insuficiência cardíaca e até a morte ocorreram entre as pessoas que receberam uma vacina contra a C-19, de acordo com um novo estudo.

Seis pessoas nos quatro países nórdicos morreram com miocardite, uma forma de inflamação cardíaca, dentro de 90 dias após a admissão hospitalar depois de serem vacinadas com uma vacina de RNA mensageiro (mRNA), relataram os pesquisadores. Vinte e duas pessoas vacinadas foram diagnosticadas com insuficiência cardíaca dentro de 90 dias após a admissão hospitalar com miocardite.

A miocardite é causada pelas vacinas de mRNA C-19 feitas pela Pfizer e pela Moderna, disseram especialistas nos Estados Unidos e em outros lugares. A morte é um resultado conhecido. Muitas pessoas diagnosticadas com a condição são hospitalizadas.

Muitos dos diagnósticos de insuficiência cardíaca ou morte aconteceram naqueles com 40 anos ou mais. Oito ocorreram entre jovens de 12 a 39 anos.

Autópsias realizadas em vários países descobriram que a miocardite induzida pela vacina levou a mortes em jovens e de meia-idade, e trabalhos observacionais anteriores identificaram mortes pós-vacinação entre aqueles com inflamação cardíaca.

Os pesquisadores também descobriram que 62 pessoas que sofreram inflamação cardíaca após a vacinação foram readmitidas em um hospital dentro de 90 dias após a alta. Das readmissões, 41% estavam entre a faixa etária mais jovem.

O novo estudo, publicado no British Medical Journal em 1º de fevereiro, baseou-se em dados de registros nacionais da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia. Os dados abrangeram pessoas com 12 anos ou mais que tiveram miocardite listada como diagnóstico principal ou secundário para internação hospitalar desde o início da pandemia. Cada país tinha datas de término diferentes para sua parte do estudo; a última foi em 30 de abril de 2022.

Devido à natureza do estudo, os pesquisadores disseram que não podiam dizer se as seis mortes após a vacinação foram causadas pela vacinação "porque essas mortes poderiam ter sido de outras causas ou de miocardite convencional que ocorre por acaso dentro de 28 dias após a vacinação".

Comparação

Mais pessoas experimentaram miocardite após a vacinação contra a C-19 do que após a C-19 – 530 versus 109 – de acordo com o novo artigo.

Os pesquisadores pegaram esses números e números que representam casos de miocardite antes da pandemia. Eles então analisaram qual porcentagem levou à insuficiência cardíaca ou morte e calcularam o risco para cada categoria.

A miocardite após a vacinação foi menos propensa a levar a um diagnóstico de insuficiência cardíaca ou morte quando comparada aos casos históricos de miocardite, estimou o estudo. Por outro lado, a miocardite após a infecção por C-19 foi mais propensa a levar à insuficiência cardíaca ou à morte.

O risco de readmissão em um hospital, por sua vez, foi menor para pessoas com inflamação cardíaca após a vacinação ou C-19. Entre certos grupos, no entanto, como as mulheres vacinadas, o risco era aproximadamente o mesmo que a miocardite convencional.

"Tomados em conjunto, nossos resultados sugeriram que os resultados da miocardite após a vacinação foram menos graves do que outros tipos de miocardite durante os primeiros 90 dias após o início da miocardite", disseram Anders Husby, epidemiologista dinamarquês, e os outros pesquisadores.

Apesar dos casos de morte e insuficiência cardíaca entre os vacinados, os pesquisadores disseram que seus resultados foram "tranquilizadores" e "devem ser considerados ao pesar os benefícios e riscos potenciais das vacinas de mRNA contra o vírus SARS-CoV-2 nos níveis individual e populacional". SARS-CoV-2 causa C-19.

As limitações do artigo incluem não ter acesso a ressonância magnética cardíaca ou outros dados de avaliação que forneçam informações sobre a gravidade de cada caso de miocardite.

A Pfizer e a Moderna não responderam a pedidos de comentários.

Cardiologistas que revisaram o artigo e outros como ele disseram ter visto diferenças importantes entre miocardite após a C-19 e miocardite histórica. O Dr. Anish Koka, cardiologista da Filadélfia, disse no Twitter que a miocardite pós-infecção geralmente é de pacientes que têm níveis elevados de troponina, o que sinaliza danos às células cardíacas. A miocardite tradicional, por sua vez, é uma doença viral que resulta em dor no peito e insuficiência cardíaca.

A lesão cardíaca pós-infecção "reflete pacientes com corações ruins ficando muito doentes", disse Koka. Por outro lado, a miocardite pós-vacinação geralmente atinge homens jovens e saudáveis sem disposição para lesões cardíacas.

Tracy Høeg, epidemiologista da Califórnia, disse discordar das conclusões dos autores do estudo.

"Não estou recebendo o mesmo grau de tranquilidade de suas descobertas", disse ela, uma vez que havia mais pessoas que desenvolveram miocardite após a vacinação versus infecção, e porque o número de incidentes de insuficiência cardíaca também foi maior entre os vacinados.

Atualização do CDC

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) identificaram uma taxa de miocardite maior do que o esperado em muitas faixas etárias, particularmente entre os homens, em 2021.

A taxa mais alta foi de 105,9 por milhão de doses da vacina da Pfizer em homens de 16 ou 17 anos, conforme calculado a partir de relatórios para o Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS), informou o CDC em um estudo publicado pelo Journal for the American Medical Association em 25 de janeiro.

Os relatórios foram apresentados entre dezembro de 2020 e agosto de 2021.

Estudos sobre as taxas de notificação ao VAERS estimaram que a taxa de problemas pós-vacinação é subnotificada ao sistema e os pesquisadores concordaram em grande parte, apontando para como a maioria dos relatos de miocardite após a vacinação contra a COVID-19 foi verificada.

"Portanto, as taxas reais de miocardite por milhão de doses de vacina são provavelmente maiores do que o estimado", disseram eles.

Em outro artigo recente, o CDC, através de pesquisas com jovens americanos que sofreram miocardite pós-vacinação e os profissionais de saúde dos pacientes, descobriu que as varreduras de ressonância magnética (MRIs) feitas em visitas de acompanhamento retornaram resultados anormais para a maioria dos pacientes.

Uma parcela significativa, ou 46%, também sofria de depressão e outras sofriam de problemas para realizar atividades habituais e dor, de acordo com as pesquisas.

Em 3 de fevereiro, Ian Kracalik, pesquisador do CDC e principal autor desse artigo, apresentou uma atualização das pesquisas ao Comitê Consultivo Nacional de Vacinas.

Em uma nova rodada de pesquisas coletadas pelo menos um ano após a miocardite, 23% dos 60 pacientes que responderam disseram que estavam sentindo dor no peito e outros ainda lutam com sintomas como fadiga e palpitações cardíacas.

A porcentagem de pacientes que relataram pelo menos um sintoma, 33%, caiu em relação aos 68% da rodada anterior de pesquisas. "Estamos vendo uma redução no número de pacientes que estamos vendo relatando pelo menos um sintoma", disse Kracalik.

Ainda assim, 41% dos pacientes disseram ter depressão e outros 32% relataram sentir dor.

Os profissionais de saúde que completaram um conjunto separado de pesquisas cinco a 13 meses após a miocardite não relataram mortes de pacientes, mas que 14% dos pacientes, principalmente jovens do sexo masculino, não foram liberados para toda a atividade física e que quatro tinham o mesmo status ou pioraram desde as últimas pesquisas, incluindo um que foi readmitido em um hospital.

Achados anormais foram relatados para vários pacientes a partir de ressonâncias magnéticas cardíacas e outras medidas, como eletrocardiogramas.

As limitações do estudo em andamento incluem não haver um padrão de tratamento para miocardite após a vacinação com mRNA.

Os resultados apresentados foram descritos como preliminares e ainda não foram publicados em outros lugares.

Problema com novas vacinas

Por não serem tão eficazes contra variantes mais recentes, as vacinas originais da Moderna e da Pfizer foram atualizadas em 2022 para atingir algumas das novas cepas, além da variante de Wuhan. Os tiros atualizados foram introduzidos como reforços, disponíveis apenas para pessoas que receberam uma série primária.

A vigilância inicial indicou que a miocardite também poderia ser um problema com a vacina atualizada da Pfizer, revelou uma autoridade do governo dos EUA em janeiro.

Durante uma reunião em que os conselheiros recomendaram que o governo substituísse as vacinas originais inteiramente pelas doses atualizadas, Richard Forshee, da Food and Drug Administration, disse que o sinal de segurança para miocardite foi acionado entre pessoas de 18 a 35 anos após o recebimento do novo reforço da Pfizer.

As autoridades ainda precisam investigar mais para determinar uma ligação, mas descreveram as novas doses como sendo semelhantes às vacinas originais.


Research

Clinical outcomes of myocarditis after SARS-CoV-2 mRNA vaccination in four Nordic countries: population based cohort study

2. Hanne Løvdal Gulseth2,

3. Petteri Hovi3,4,

4. Jørgen Vinsløv Hansen1,

5. Nicklas Pihlström5,

6. Nina Gunnes2,

8. Jesper Dahl7,

9. Øystein Karlstad8,

10. Tiina Heliö9,

11. Lars Køber10,

1. Correspondence to Dr Anders Husby, Department of Epidemiology Research, Statens Serum Institut, Copenhagen, 2300, Denmark; andh@ssi.dk

Abstract

Objective To investigate the clinical outcomes of myocarditis associated with mRNA vaccines against the SARS-CoV-2 virus compared with other types of myocarditis.

Design Population based cohort study.

Setting Nationwide register data from four Nordic countries (Denmark, Finland, Norway, and Sweden), from 1 January 2018 to the latest date of follow-up in 2022.

Participants The Nordic myocarditis cohort; 7292 individuals aged ≥12 years who had an incident diagnosis of myocarditis as a main or secondary diagnosis, in a population of 23 million individuals in Denmark, Finland, Norway, and Sweden.

Main outcome measures Heart failure, or death from any cause within 90 days of admission to hospital for new onset myocarditis, and hospital readmission within 90 days of discharge to hospital for new onset myocarditis. Clinical outcomes of myocarditis associated with SARS-CoV-2 mRNA vaccination, covid-19 disease, and conventional myocarditis were compared.

Results In 2018-22, 7292 patients were admitted to hospital with new onset myocarditis, with 530 (7.3%) categorised as having myocarditis associated with SARS-CoV-2 mRNA vaccination, 109 (1.5%) with myocarditis associated with covid-19 disease, and 6653 (91.2%) with conventional myocarditis. At the 90 day follow-up, 62, nine, and 988 patients had been readmitted to hospital in each group (vaccination, covid-19, and conventional myocarditis groups, respectively), corresponding to a relative risk of readmission of 0.79 (95% confidence interval 0.62 to 1.00) and 0.55 (0.30 to 1.04) for the vaccination type and covid-19 type myocarditis groups, respectively, compared with the conventional myocarditis group. At the 90 day follow-up, 27, 18, and 616 patients had a diagnosis of heart failure or died in the vaccination type, covid-19 type, and conventional myocarditis groups, respectively. The relative risk of heart failure within 90 days was 0.56 (95% confidence interval 0.37 to 0.85) and 1.48 (0.86 to 2.54) for myocarditis associated with vaccination and covid-19 disease, respectively, compared with conventional myocarditis; the relative risk of death was 0.48 (0.21 to 1.09) and 2.35 (1.06 to 5.19), respectively. Among patients aged 12-39 years with no predisposing comorbidities, the relative risk of heart failure or death was markedly higher for myocarditis associated with covid-19 disease than for myocarditis associated with vaccination (relative risk 5.78, 1.84 to 18.20).

Conclusions Compared with myocarditis associated with covid-19 disease and conventional myocarditis, myocarditis after vaccination with SARS-CoV-2 mRNA vaccines was associated with better clinical outcomes within 90 days of admission to hospital.

Data availability statement

Data may be obtained from a third party and are not publicly available. Individual level data underlying the country specific analyses were only available within each Nordic country. The data do not belong to the authors and they are not permitted to share these data, except as presented in this manuscript.

This is an open access article distributed in accordance with the Creative Commons Attribution Non Commercial (CC BY-NC 4.0) license, which permits others to distribute, remix, adapt, build upon this work non-commercially, and license their derivative works on different terms, provided the original work is properly cited, appropriate credit is given, any changes made indicated, and the use is non-commercial. See: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/.


331 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page