'Névoa cerebral' após recuperação do COVID-19 pode indicar TEPT




Pessoas que experimentam "névoa cerebral" e outros problemas neurológicos após a infecção pelo COVID-19 podem estar sofrendo de TEPT, relatam pesquisadores.

Um novo relatório sugere que a persistente "névoa cerebral" e outros sintomas neurológicos após a recuperação do COVID -19 podem ser devido ao transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), um efeito observado em surtos de coronavírus humanos passados, como SARS e MERS.

As pessoas que se recuperaram do COVID-19 às vezes experimentam dificuldades persistentes na concentração, bem como dores de cabeça, ansiedade, fadiga ou interrupções do sono. Os pacientes podem temer que a infecção tenha danificado permanentemente seus cérebros, mas os pesquisadores dizem que não é necessariamente o caso.

Um artigo de coautoria do professor clínico e neuropsicólogo Andrew Levine, MD, da Escola de Medicina David Geffen da UCLA, e da estudante de pós-graduação Erin Kaseda, da Universidade de Medicina e Ciência Rosalind Franklin, em Chicago, explora os dados históricos sobre sobreviventes de coronavírus anteriores, que causaram síndrome respiratória aguda grave (SARS) e síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS).

O artigo foi publicado no The Clinical Neuropsychologist.

"A ideia é conscientizar os neuropsicólogos de que o TEPT é algo que você pode querer considerar ao avaliar dificuldades cognitivas e emocionais persistentes entre os sobreviventes do COVID-19", disse o Dr. Levine.

"Quando vemos alguém para testes neuropsicológicos, esperamos que ele esteja no seu melhor, relativamente falando", disse o Dr. Levine. "Se identificarmos uma doença psiquiátrica durante nossa avaliação, e se acreditarmos que os sintomas dessa condição estão interferindo em sua capacidade de executar o seu melhor, queremos que seja tratado primeiro, e depois os testeremos novamente quando estiver sob controle."


Se os sintomas forem devidos, mesmo que parcialmente, a uma condição psiquiátrica como o TEPT, o tratamento ajudará a gerenciar esses sintomas, e fornecerá uma visão mais clara de quaisquer problemas cerebrais subjacentes.

"Uma vez que eles têm tratamento, e espero ter alguma remissão de seus sintomas psiquiátricos, se as queixas cognitivas e os déficits nos testes neuropsicológicos ainda estiverem lá, então isso é mais evidência de que algo mais está acontecendo", disse Kaseda.

"Será importante que os médicos de todo o conselho estejam acompanhando a literatura que está saindo, para garantir que eles tenham as informações mais atualizadas, pois esses sobreviventes estão começando a apresentar para testes neuropsicológicos."

Kaseda começou a prosseguir com essa questão com base em sua experiência trabalhando com pacientes com lesão cerebral traumática leve, como concussão.

"Quando esses sintomas persistem por meses ou anos após a lesão original, é muito mais provável que seja devido à presença de um transtorno psiquiátrico", disse ela.


Uma revisão dos dados dos surtos de SARS e MERS mostrou que esses sobreviventes tinham aumentado o risco de TEPT. No caso do COVID-19, os sintomas de TEPT podem surgir em resposta às medidas invasivas necessárias para o tratamento dos pacientes, incluindo intubação e ventilação, que podem ser traumáticas para pacientes com medo. Outras vezes, o delírio faz com que pacientes com COVID-19 sofram alucinações, e a memória dessas sensações aterrorizantes continua a atormentar o paciente recuperado.


Além dos pacientes que foram hospitalizados, os prestadores de cuidados de saúde de linha de frente podem ser afetados da mesma forma devido ao estresse constante e ao medo que enfrentam no trabalho. E para algumas pessoas, a ansiedade de viver através de uma pandemia, ser isolado dos amigos, e lutar contra o medo constante de uma ameaça invisível pode dar um golpe semelhante às habilidades de pensamento e memória.

Embora um diagnóstico de TEPT possa não soar como uma boa notícia, existem muitos tratamentos disponíveis para o transtorno, incluindo psicoterapia e medicamentos. Em comparação, os pesquisadores ainda estão trabalhando para entender os efeitos neurológicos diretos do COVID-19. "As opções de tratamento (para o COVID) ainda estão em boa forma de sair, porque ainda é uma situação em evolução", disse Kaseda.


"Ainda não sabemos nada dos sobreviventes do COVID-19", disse Kaseda. "Até termos esses dados, é muito difícil dizer qual porcentagem real de pacientes vai ter queixas cognitivas por causa dos efeitos diretos do vírus, por causa da intervenção médica, ou por causa de preocupações psiquiátricas."


A pesquisa aparecerá no Neuropsicólogo Clínico.

35 visualizações0 comentário