Nó recém-descoberto no cérebro pode expandir a compreensão do comportamento social disfuncional



Estimulando diretamente os nódulos certos desses neurônios, os cientistas poderiam desencadear toda a gama de ruídos que entram em uma canção de rato.


Pesquisadores identificaram um nó específico no cérebro de camundongos que regula vocalizações em resposta a situações sociais. Se um local semelhante pudesse ser encontrado no cérebro humano, os pesquisadores dizem que isso poderia potencialmente levar a uma nova visão das disfunções sociais associadas ao autismo e à depressão.

Qual é a diferença entre uma risada e uma risada de barriga? Ou um grito e um grito total? Em muitas espécies, incluindo os humanos, o volume e a duração de um som verbal transmite tanta informação quanto o próprio ruído.

Um grupo de cientistas, liderados pela Scripps Research, descobriu um nó no cérebro de camundongos machos que modula os sons que eles fazem em situações sociais. Essa descoberta, publicada na Nature,poderia ajudar a identificar locais semelhantes no cérebro humano, e potencialmente levar a uma melhor compreensão de distúrbios sociais, como autismo ou depressão.

"Identificar esse nódulo nos dá assinaturas do que procurar quando o comportamento humano dá errado", diz Lisa Stowers, PhD, neurocientista e professora da Scripps Research, que liderou o estudo. "Está nos dando pistas de como a informação é organizada no cérebro e como diferentes características da informação podem ser separadas em diferentes regiões cerebrais."

Como parte de seu comportamento de namoro, ratos machos produzem "canções". Estes apitos complicados, que são muito altos para o ouvido humano detectar, são mais altos e mais longos quando o rato fêmea está por perto ou quando seu cheiro é mais forte. Os pesquisadores identificaram um tipo específico de neurônio em uma parte do hipotálamo chamada área pré-óptica lateral que controla a regulação emocional desses sons.

"O hipotálamo e o resto do sistema límbico controlam funções corporais como fome, sede e regulação da temperatura, bem como as características básicas do comportamento emocional como sexo e medo", diz Stowers. "É justo que o aspecto emocional desses ruídos sociais seja gerado nesta região do cérebro."

Estimulando diretamente os nódulos certos desses neurônios, os cientistas poderiam desencadear toda a gama de ruídos que entram em uma canção de rato. Variar o nível de estimulação permitiu-lhes controlar o quão entusiasmados eram esses sons.

Quando os pesquisadores bloquearam esses nódulos, ratos machos que encontravam uma fêmea tentariam cortelá-la em silêncio. (Camundongos fêmeas responderam chutando os machos e fugindo.) Se os pesquisadores ignoraram esses nódulos e ativaram o próximo nó rio abaixo, os ratos machos só fizeram barulhos longos e altos.

"Eles estão basicamente apenas gritando", diz Stowers. "Ao encontrar esses neurônios, está nos dizendo que essa parte do cérebro está fazendo esse escalonamento emocional e persistência. Se você tirar isso, então você perde todo esse afeto, todo esse alcance emocional e a capacidade de ter uma comunicação social eficaz."

A maioria das pesquisas sobre a produção de ruído no cérebro se concentrou no desenvolvimento da linguagem, diz Stowers. Mas os sons que até mesmo uma criança pode fazer - uma risada, um grito, um grito - não tem que ser aprendido e são tão vitais para a comunicação. Identificar como o cérebro decide sobre essas respostas é o primeiro passo para entender onde as coisas podem dar errado em transtornos comportamentais sociais, como autismo e depressão.

"Estamos começando a ter uma visão detalhada de onde no cérebro diferentes tipos de cálculos estão sendo feitos", diz Stowers. "Agora que sabemos que esse comportamento simples é regulado no hipotálamo, podemos estudar se outros comportamentos também estão usando circuitos semelhantes e, se sim, talvez encontrar um mecanismo comum e alvo de drogas para quando as emoções não são geradas adequadamente."

O estudo, "Escala flexível e persistência da comunicação vocal social", foi de autoria de Jingyi Chen, Jeffrey Markowitz, Varoth Lilascharoen, Sandra Taylor, Pete Sheurpukdi, Jason Keller, Jennifer Jensen, Byung Kook Lim, Sandeep Robert Datta e Lisa Stowers.

“Flexible scaling and persistence of social vocal communication” by Jingyi Chen, Jeffrey Markowitz, Varoth Lilascharoen, Sandra Taylor, Pete Sheurpukdi, Jason Keller, Jennifer Jensen, Byung Kook Lim, Sandeep Robert Datta and Lisa Stowers. Nature


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo