Neurociência e a Sala de Aula: Fazendo Conexões II CÉREBROS DIFERENTES





CÉREBROS DIFERENTES

Todos temos cérebros diferentes, diferentes perfis de forças cognitivas e fraquezas que afetam a forma como percebemos e resolvemos problemas. Duas histórias dramáticas de sucesso de meninos faltando metade de seu cérebro fornecem uma visão de como todos nós aprendemos e sugerem novas maneiras de pensar sobre o ensino.




PRINCÍPIOS PRINCIPAIS

• Todos os cérebros são diferentes.

• Um estilo de ensino, uma abordagem e um design não terão sucesso com todos os alunos.

• A função cerebral depende de sistemas interconectados e não em módulos ou hemisférios separados.

• A forma como percebemos o mundo e resolvemos problemas é determinada pelo nosso perfil de forças cognitivas e fraquezas, nossas experiências, nossas necessidades emocionais e o contexto sociocultural.

• O que os professores acham que é fácil para os alunos pode não ser.

• Cérebros jovens são mais plásticos, mas menos eficientes


Os principais princípios explorados neste estudo sugerem que as escolas e salas de aula precisam ser o mais flexíveis possível no trabalho com a variedade de diferentes perspectivas e pontos fortes cognitivos que os alunos trazem com eles. Para que alunos com vários perfis sejam bem sucedidos, os professores devem encontrar formas flexíveis de apresentar aulas ou de estar aberto a formas flexíveis em que os alunos possam demonstrar sua compreensão. Proporcionar essa flexibilidade permite aos alunos diferentes pontos de entrada para a aula. Por exemplo, a abordagem de Nico para o problema de reconhecer e produzir significado tonal na conversa foi tratar o problema como pseudogramático, enquanto a abordagem de Brooke era fortemente emocional. É o mesmo problema, mas com diferentes estratégias de entrada — dependendo das forças cognitivas dos dois meninos.

Ao passar pelos exercícios sugeridos abaixo, tenha em mente os principais princípios da unidade.

Atribuição 1: Escreva sobre e discuta os vários aspectos de suas aulas e da sua escola que permitem flexibilidade. Relembre a história de Nico e Brooke — como seus professores precisavam se adaptar aos meninos em vez de esperar que os meninos se adaptassem a um currículo pré-definido. Embora esses professores tenham sido confrontados com uma demanda extrema por instrução diferenciada, sua experiência sugere que os professores podem lucrar assumindo que o cérebro de todos é um pouco diferente. Veja vários aspectos de suas aulas e da sua escola (por exemplo, classificação, lição de casa, requisitos de graduação, horário diário, avaliação, etc.). Quais permitem flexibilidade? Quais não? Como este último pode ser flexibilizado? Você pode pensar em qualquer aluno que possa aprender mais como resultado dessa flexibilidade?


Atribuição 2: Analise um estudo de caso. Relembre a história de Brooke e a expectativa de que, dado seu perfil neuropsicológico, ele acharia fácil reproduzir sons tonais usando sílabas sem sentido ("na na") .

Estudo de caso: Stan está na aula de inglês da Sra. J e escreve bons ensaios sobre questões como uso de drogas adolescentes e democracia. Ele tem um dom incomum para usar bons exemplos pessoais e organizar argumentos persuasivos. Muitos de seus colegas lutam com a organização, então a Srta. J teve a ideia de simplificar a tarefa, retirando-a para o que ela via como seu básico. Ela desmontou bons parágrafos (tirados de escritores profissionais), listou as frases fora de ordem e pediu aos alunos que remontassem os parágrafos. Ela assumiu que Stan seria o melhor da classe neste exercício e ficou surpreso ao descobrir que ele era o pior.

Anote as respostas para as seguintes perguntas:

1. O que pode explicar o fraco desempenho de Stan?

2. Ao pensar neste caso, o que é necessário de um aluno para ser capaz de fazer o exercício da Sra. J?

3. Como diferentes pessoas podem abordar essa tarefa?


Atribuição 3: Selecione um trabalho de dois alunos diferentes fazendo a mesma tarefa — uma tarefa de casa ou um teste ou um projeto. Uma peça deve ser de um aluno que se saiu mal (recebeu uma nota ruim, mas parecia tentar), e uma deve ser de um aluno que se saiu bem na mesma tarefa.


Atribuição 4: Entrevistar os alunos para obter insights adicionais. Como uma camada adicional ao exercício anterior, tente entrevistar ambos os alunos sobre seu trabalho para tentar obter mais informações sobre o processo de pensamento, conhecimento, percepção do problema e estratégias para resolvê-lo. Responda às seguintes perguntas: 1. Suas análises do trabalho foram reforçadas pela forma como os alunos falaram sobre o tema?

2. Você encontrou algo surpreendente nas respostas dos alunos que poderia ajudá-lo a ver de onde cada um estava vindo?


Leituras sugeridas:


Immordino-Yang, M.H., e A. Damasio. "Sentimos, portanto, aprendemos: a relevância da neurociência afetiva e social para a educação." Mente, Cérebro e Educação Vol. 1, Edição 1 (março de 2007): 3-10. Immordino-Yang, M.H., e F. Matthias. "Construindo Alunos Inteligentes: Uma Perspectiva de Neurociência sobre o Papel da Emoção e a Intuição Qualificada na Aprendizagem." Em D. A. Sousa (Ed.), O Futuro da Neurociência Educacional: Onde Estamos Agora e Para Onde Vamos a Seguir. Bloomington: Solution Tree Press. 2010.


14 visualizações0 comentário