NIH remove linguagem sobre 'ganho de função' do site em meio a críticas sobre financiamento




Por Zachary Stieber

25 de outubro de 2021


Os Institutos Nacionais de Saúde alteraram uma parte-chave de seu site na semana passada, na época em que divulgou ao Congresso que experimentos financiados na China atenderam à definição de ganho de função.

A agência federal, conhecida como NIH, tinha uma explicação detalhada da pesquisa de ganho de função em seu site, observando que o termo se refere a qualquer pesquisa que modifique um agente biológico de forma a conferir atividade nova ou aprimorada a esse agente.

Mas a explicação foi apagada entre 19 de outubro e 21 de outubro — possivelmente antes das divulgações mais recentes do NIH em 20 de outubro sobre pesquisas financiadas na China que aumentaram a potência de um vírus modificando-o.

A página atualizada agora diz, em seu único encaminhamento ao tipo de pesquisa, que pesquisas envolvendo patógenos potenciais potenciais (ePPPs) "são um tipo de pesquisa chamada 'ganho de função' (GOF)".

Afirma que "a grande maioria das pesquisas do GOF não envolve ePPP e está fora do escopo de supervisão necessária para pesquisas envolvendo ePPPs".

A supervisão envolvendo pesquisas sobre ePPPs é regida por um quadro (pdf) emitido pelo governo dos EUA no final de 2017, no mesmo dia em que o NIH levantou sua pausa de financiamento de anos na maioria das pesquisas de ganho de função.

Não há definição de ganho de função dentro da estrutura. A única menção a ela refere-se às pessoas a uma lista de exemplos de atividades que envolveriam ePPPs. Essa lista foi disponibilizada pela última vez em maio de 2017, de acordo com uma revisão do Epoch Times.

Um porta-voz do NIH confirmou que a página web, um "backgrounder" sobre a estrutura, foi alterada na semana passada, na mesma época em que as divulgações foram feitas.

As informações relativas ao ganho de função "estavam sendo mal utilizadas/usadas incorretamente (e ainda são) e criando confusão (e ainda é)", disse o porta-voz ao The Epoch Times por e-mail.

"O backgrounder foi atualizado para fornecer clareza sobre o escopo do "framework", acrescentou.

O Escritório de Comunicações e Ligação Pública do NIH tomou a decisão de alterar a página, de acordo com o porta-voz. Ela observou que uma página separadaainda dádetalhes sobre a pesquisa de ganho de função, mas não contém quase tantos detalhes sobre qual é exatamente o tipo de pesquisa que a outra página.

O Epoch Times apresentou um pedido de Lei de Liberdade de Informação para todas as comunicações e outros documentos internos do NIH relativos à alteração.

O diretor de saídadaagência, Dr. Francis Collins, e um de seus principais funcionários, Dr. Anthony Fauci, estão sob escrutínio intensificado por seu financiamento de pesquisa na China durante e após a pausa no financiamento da maioria das pesquisas de ganho de função.

As novas divulgações, disseram alguns especialistas, mostraram que o financiamento foi para a pesquisa da GOF, que vai contra o que Collins e Fauci disseram aos membros do Congresso em Washington durante audiências públicas no início deste ano.

Tanto Collins quanto Fauci estão apoiando suas declarações, embora Fauci tenha mudado sua defesa no domingo, dizendo que os experimentos não atenderam à definição de "pesquisa de ganho de função de preocupação" — depois de mais cedo alegar que não eram ganhos de função.

O deputado Thomas Massie (R-Ky.), um forte crítico do NIH, indicou no Twitter que a mudança na página da web era preocupante.

"A propaganda persistente é um problema para os propagandistas. Quanto tempo até [o governo] proibir o arquivamento da internet ou repostar de arquivos da internet?", escreveu.

O usuário do Twitter Jeremy Redfern identificou pela primeira vez a atualização do NIH.

A representante Marjorie Taylor Greene (R-Ga.) também tomou conhecimento do que aconteceu, escrevendo: "O que o NIH tem a esconder?"

O NIH e outras agências de saúde alteraram outras páginas durante a pandemia COVID-19.

Por exemplo, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças mudaram recentemente a definição de uma vacina de "um produto que estimula o sistema imunológico de uma pessoa a produzir imunidade a uma doença específica, protegendo a pessoa dessa doença" para "uma preparação que é usada para estimular o sistema imunológico do corpo contra doenças".

Um porta-voz da agência disse anteriormente ao The Epoch Times que a definição anterior "poderia ser interpretada como significa que as vacinas são 100% eficazes, o que nunca foi o caso de qualquer vacina, de modo que a definição atual é mais transparente".


499 visualizações0 comentário