top of page

Novo óleo ômega-3 pode prevenir a principal causa de cegueira, diz estudo




Uma nova forma de óleo ômega-3 que atravessa a retina a partir de nossas correntes sanguíneas pode ajudar no declínio visual associado a doenças como diabetes, doença de Alzheimer e a principal causa de perda de visão, a degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

Um novo tipo de ômega-3

Cientistas do Departamento de Medicina da Universidade de Illinois desenvolveram um novo óleo ômega-3 que entra facilmente no olho depois de ser tomado por via oral.

"Os ácidos graxos ômega-3 são um ácido graxo insaturado de um tipo que ocorre principalmente em óleos de peixe", disse o Dr. Daniel Laroche, presidente da Advanced Eyecare de Nova York e professor clínico associado de oftalmologia na Escola de Medicina Icahn do Monte Sinai.

Ele enfatizou que, como os ácidos graxos ômega-3 são essenciais no crescimento e desenvolvimento ao longo da vida, eles devem ser incluídos na dieta de todos.

Embora o ômega-3 seja importante para a saúde ocular, as formulações atuais, geralmente em uma forma chamada triacilglicerol-DHA (TAG-DHA), não chegam ao olho após a ingestão, afirmaram os pesquisadores.

DHA, ou ácido docosahexaenóico, é um ácido graxo ômega-3 importante para manter os olhos saudáveis. Nossas retinas e cérebros contêm a maior concentração de DHA, e devemos obtê-lo através de dieta ou suplementação, porque o corpo não pode produzir a quantidade que precisamos para sobreviver.

Baixos níveis de DHA estão presentes nas retinas daqueles com degeneração macular relacionada à idade, retinopatia diabética e doença de Alzheimer.


Para este estudo (pdf), os cientistas criaram uma nova forma de lisofosfolipídios de DHA, ou LPC-DHA, que em estudos com animais, aumentou com sucesso o DHA na retina e reduziu os problemas oculares associados a processos semelhantes aos de Alzheimer.

"O LPC-DHA dietético é enormemente superior ao TAG-DHA no enriquecimento do DHA da retina e pode ser potencialmente benéfico para várias retinopatias em pacientes", disse Sugasini Dhavamani, professor assistente de pesquisa do Departamento de Medicina da Universidade de Illinois em Chicago, em um comunicado.

Dhavamani apresentou o estudo no Discover BMB, a reunião anual da Sociedade Americana de Bioquímica e Biologia Molecular, que ocorreu de 25 a 28 de março em Seattle.

"Esta abordagem fornece uma nova abordagem terapêutica para a prevenção ou mitigação da disfunção da retina associada à doença de Alzheimer e diabetes", disse Dhavamani.

Pode prevenir a perda de visão

Os pesquisadores testaram a hipótese de que o LPC-DHA é superior aos suplementos de DHA atualmente disponíveis, incluindo óleo de peixe e óleo de krill, para enriquecer o DHA na retina e prevenir a retinopatia em modelos animais de formas de início precoce da doença de Alzheimer.

"Mostramos aqui pela primeira vez que é possível aumentar o DHA da retina em quase 100% em camundongos adultos normais com uma dose baixa de LPC-DHA", disse Dhavamani.

Os pesquisadores usaram dosagens que foram equivalentes a 250 a 500 miligramas por dia em seres humanos.

Os pesquisadores também mostraram que o DHA da retina não pode ser eficientemente aumentado pelo TAG-DHA dietético ou DHA livre de suplementos disponíveis, em seu modelo animal da doença de Alzheimer.

Esta descoberta também pode levar a maneiras de prevenir outras condições da retina, como retinopatia diabética, bem como DMRI, que causa uma perda ou embaçamento da visão central.

A DMRI é uma das principais causas de perda de visão grave em adultos, afetando 10% dos americanos com mais de 50 anos. Pode ocorrer de duas formas: atrófica ("seca") ou exsudativa ("úmida"), de acordo com a American Optometric Association. Cerca de 20 milhões de pessoas com 40 anos ou mais viviam com DMRI em 2019, de acordo com estimativas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

A retinopatia diabética ocorre no diabetes tipo 1 e tipo 2 e é causada por níveis elevados de açúcar no sangue que afetam o fluxo sanguíneo para a retina. Não tratada, a condição leva à cegueira.

Dhavamani e sua equipe enfatizaram como essa descoberta poderia ajudar a prevenir problemas oculares relacionados à demência.

Cerca de 2%, ou 100.000, casos de demência nos EUA foram associados à deficiência visual. Projeta-se que, até 2050, esse número suba para cerca de 250.000 casos, estimou o Instituto Nacional do Envelhecimento.

"Acreditamos que esses estudos terão efeitos significativos na prevenção do declínio visual na doença de Alzheimer", escreveram os autores do estudo em seu resumo. Anormalidades da retina na doença de Alzheimer incluem degeneração do nervo óptico e perda neuronal.

"Na doença de Alzheimer, muitas vezes você terá problemas visuoespaciais nesses pacientes", disse Laroche, enfatizando que é um "grande se" se essas descobertas se aplicam aos seres humanos.

"Isso realmente ajudará ou prevenirá doenças em humanos?" Laroche perguntou. "Muitos anos de estudos permanecem."

DHA crucial para a saúde ocular

Existem algumas razões pelas quais o DHA é crucial para a saúde ocular.

De acordo com um artigo no Journal of Nutrition and Metabolism, o DHA é um componente estrutural da retina. É também um componente estrutural importante dos segmentos externos das células fotorreceptoras na retina, que são responsáveis por detectar a luz e transmitir sinais visuais para o cérebro.

O DHA também ajuda a manter a fluidez e a integridade das membranas da retina. Isso é importante para o bom funcionamento das células fotorreceptoras e a transmissão eficiente de informações visuais.

O DHA também é anti-inflamatório; a inflamação no olho pode danificar estruturas delicadas na retina e contribuir para o desenvolvimento da DMRI. Essas propriedades anti-inflamatórias também podem proteger a retina de outras maneiras.

Muito pouco DHA em nossos olhos está associado a várias condições que ameaçam a visão.

O DHA da retina é significativamente reduzido em condições como diabetes, retinite pigmentosa e DMRI, o que pode levar a defeitos funcionais, desenvolvimento visual prejudicado e sensibilidade reduzida.

Formas disponíveis de ômega-3 também beneficiam a saúde ocular

Perguntado sobre quais condições oculares os suplementos de ômega-3 atualmente disponíveis podem ajudar, Laroche observou que esses óleos mais comumente melhoram as glândulas meibomianas do olho, que estão localizadas na margem da pálpebra e produzem a parte oleosa das lágrimas.

A função melhorada dessas glândulas pode aliviar os sintomas do olho seco.

"O ômega-3 também demonstrou ser útil em pacientes com miopia e degeneração macular", observou ele.

No entanto, há poucas evidências de que o ômega-3 ajude quando aplicado diretamente no olho.

"O ômega-3 tópico é um tratamento promissor para o olho seco, mas há uma falta de evidências na literatura científica sobre a aplicação tópica", disse Laroche. "Mais estudos em humanos são necessários para avaliar a eficácia."


338 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page