top of page

Novo estudo lança luz sobre C19 longo: imunidade e sintomas neurológicos explorados




Os pesquisadores descobriram descobertas cruciais sobre a C19 longa, descobrindo mudanças significativas no sistema imunológico e no sistema nervoso que poderiam explicar os sintomas neurológicos experimentados pelos pacientes.

O estudo usou fenotipagem profunda para examinar 12 pacientes com sintomas neurológicos persistentes, revelando alterações significativas no sistema imunológico, como níveis mais baixos de células T CD4+ e CD8+ e aumento do número de células B e outras células imunes. Além disso, anormalidades no sistema nervoso autônomo foram observadas, indicando seu envolvimento na C19 longa.

Essas descobertas revolucionárias podem fornecer informações sobre o diagnóstico e o tratamento da C19 longa no futuro.

Principais Fatos:

1. Pessoas com COVID longo experimentam mudanças significativas no sistema imunológico, incluindo níveis mais baixos de células T CD4+ e CD8+ e aumento do número de células B e outras células imunológicas.

2. Testes autonômicos em pacientes com COVID longa mostraram anormalidades no controle do tônus vascular, frequência cardíaca e pressão arterial, indicando o envolvimento do sistema nervoso na COVID longa.

3. Os resultados sugerem que as alterações imunológicas e do sistema nervoso autônomo generalizadas observadas em pacientes com COVID longa podem contribuir para os sintomas neurológicos persistentes experimentados por esses pacientes.

Fonte: NIH

Doze pessoas com sintomas neurológicos persistentes após a infecção por SARS-CoV-2 foram intensamente estudadas nos institutos nacionais de saúde (NIH) e foram encontradas para ter diferenças em seus perfis de células imunes e disfunção autonômica. Esses dados informam estudos futuros para ajudar a explicar os sintomas neurológicos persistentes na COVID longa.

Os resultados, publicados na Neurology: Neuroimmunology & Neuroinflammation(link is external), podem levar a melhores diagnósticos e novos tratamentos.

Pessoas com sequelas pós-agudas de COVID-19 (PASC), que inclui COVID longa, têm uma ampla gama de sintomas, incluindo fadiga, falta de ar, febre, dores de cabeça, distúrbios do sono e "névoa cerebral", ou comprometimento cognitivo. Tais sintomas podem durar meses ou mais após uma infecção inicial por SARS-CoV-2. Fadiga e "névoa cerebral" estão entre os sintomas mais comuns e debilitantes, e provavelmente decorrem de disfunção do sistema nervoso.

Os pesquisadores usaram uma aproximação chamada fenotipagem profunda para examinar de perto as características clínicas e biológicas do COVID longo em 12 pessoas que tiveram sintomas neurológicos duradouros e incapacitantes após COVID-19. A maioria dos participantes apresentou sintomas leves durante a infecção aguda.

No Centro Clínico do NIH, os participantes foram submetidos a testes abrangentes, que incluíram um exame clínico, questionários, imagens cerebrais avançadas, testes de sangue e líquido cefalorraquidiano e testes de função autonômica.

Os resultados mostraram que as pessoas com COVID longa tinham níveis mais baixos de células T CD4+ e CD8+ – células imunes envolvidas na coordenação da resposta do sistema imunológico aos vírus – em comparação com controles saudáveis. Os pesquisadores igualmente encontraram aumentos nos números de pilhas de B e outros tipos de pilhas imunes, sugerindo que a desregulação imune pode desempenhar um papel na mediação COVID longo.


De acordo com estudos recentes, pessoas com COVID longa também tiveram problemas com seu sistema nervoso autônomo, que controla funções inconscientes do corpo, como respiração, frequência cardíaca e pressão arterial.

O teste autonômico mostrou anormalidades no controle do tônus vascular, frequência cardíaca e pressão arterial com mudança de postura. É necessária mais investigação para determinar se estas alterações estão relacionadas com a fadiga, dificuldades cognitivas, e outros sintomas persistentes.

Tomadas juntas, as descobertas adicionam à evidência crescente que as mudanças generalizadas do sistema nervoso imunológico e autônomo podem contribuir para COVID longo. Os resultados podem ajudar os pesquisadores a caracterizar melhor a condição e explorar possíveis estratégias terapêuticas, como a imunoterapia.

Financiamento: O estudo foi apoiado pelo programa de pesquisa intramural no instituto nacional de distúrbios neurológicos e acidente vascular cerebral (NINDS) e é parte de um estudo observacional que ocorre no centro clínico do NIH projetado para caracterizar mudanças no cérebro e no sistema nervoso após COVID-19 (NCT04564287).


Author: Nina Lichtenberg

Source: NIH

Contact: Nina Lichtenberg – NIH


Original Research: Open access.

“Deep Phenotyping of Neurological Post-Acute Sequelae of SARS-CoV2 Infection” by Mina, Y., et al. Neurology-Neuroimmunology Neuroinflammation



891 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page