top of page

Novo teste de biomarcador pode detectar neurodegeneração de Alzheimer no sangue




Um exame de sangue recém-desenvolvido pode detectar tau derivada do cérebro (BD-tau), um biomarcador da neurodegeneração da doença de Alzheimer.

Um grupo de neurocientistas liderados por um pesquisador da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh desenvolveu um teste para detectar um novo marcador de neurodegeneração da doença de Alzheimer em uma amostra de sangue.

Um estudo sobre seus resultados foi publicado hoje na revista Brain.

O biomarcador, chamado de "tau derivada do cérebro", ou BD-tau, supera os testes de diagnóstico sanguíneo atuais usados para detectar clinicamente a neurodegeneração relacionada à doença de Alzheimer. É específico para a doença de Alzheimer e correlaciona-se bem com os biomarcadores de neurodegeneração de Alzheimer no líquido cefalorraquidiano (LCR).

"Atualmente, o diagnóstico da doença de Alzheimer requer neuroimagem", disse o autor sênior Thomas Karikari, Ph.D., professor assistente de psiquiatria em Pitt. "Esses testes são caros e levam muito tempo para serem agendados, e muitos pacientes, mesmo nos EUA, não têm acesso a scanners de ressonância magnética e PET. A acessibilidade é um grande problema."

Atualmente, para diagnosticar a doença de Alzheimer, os médicos usam diretrizes estabelecidas em 2011 pelo Instituto Nacional de Envelhecimento e pela Associação de Alzheimer. As diretrizes, chamadas de AT (N) Framework, exigem a detecção de três componentes distintos da patologia de Alzheimer – a presença de placas amiloides, emaranhados de tau e neurodegeneração no cérebro – seja por imagem ou pela análise de amostras de LCR.

Infelizmente, ambas as abordagens sofrem de limitações econômicas e práticas, ditando a necessidade de desenvolvimento de biomarcadores AT(N) convenientes e confiáveis em amostras de sangue, cuja coleta é minimamente invasiva e requer menos recursos.

O desenvolvimento de ferramentas simples que detectam sinais de Alzheimer no sangue sem comprometer a qualidade é um passo importante para melhorar a acessibilidade, disse Karikari.

"A utilidade mais importante dos biomarcadores sanguíneos é melhorar a vida das pessoas e melhorar a confiança clínica e a previsão de risco no diagnóstico da doença de Alzheimer", disse Karikari.

Os métodos atuais de diagnóstico sanguíneo podem detectar com precisão anormalidades na beta-amilóide plasmática e na forma fosforilada da tau, atingindo duas das três marcas de verificação necessárias para diagnosticar com confiança a doença de Alzheimer.

Mas o maior obstáculo na aplicação do AT (N) Framework a amostras de sangue reside na dificuldade de detectar marcadores de neurodegeneração que são específicos do cérebro e não são influenciados por contaminantes potencialmente enganosos produzidos em outras partes do corpo.

Por exemplo, os níveis sanguíneos de luz do neurofilamento, um marcador proteico de danos nas células nervosas, tornam-se elevados na doença de Alzheimer, Parkinson e outras demências, tornando-o menos útil ao tentar diferenciar a doença de Alzheimer de outras condições neurodegenerativas. Por outro lado, a detecção de tau total no sangue mostrou-se menos informativa do que o monitoramento de seus níveis no LCR.

Ao aplicar seus conhecimentos de biologia molecular e bioquímica de proteínas tau em diferentes tecidos, como o cérebro, Karikari e sua equipe, incluindo cientistas da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, desenvolveram uma técnica para detectar seletivamente BD-tau, evitando proteínas "big tau" flutuantes produzidas por células fora do cérebro.

Para fazer isso, eles projetaram um anticorpo especial que se liga seletivamente ao BD-tau, tornando-o facilmente detectável no sangue. Eles validaram seu ensaio em mais de 600 amostras de pacientes de cinco coortes independentes, incluindo aquelas de pacientes cujo diagnóstico de doença de Alzheimer foi confirmado após suas mortes, bem como de pacientes com deficiências de memória indicativas de Alzheimer em estágio inicial.

Os testes mostraram que os níveis de BD-tau detectados em amostras de sangue de pacientes com doença de Alzheimer usando o novo ensaio coincidiram com os níveis de tau no LCR e distinguiram de forma confiável a doença de Alzheimer de outras doenças neurodegenerativas. Os níveis de BD-tau também se correlacionaram com a gravidade das placas amiloides e emaranhados de tau no tecido cerebral confirmados por meio de análises de autópsia cerebral.

Os cientistas esperam que o monitoramento dos níveis sanguíneos de BD-tau possa melhorar o design de ensaios clínicos e facilitar a triagem e a inscrição de pacientes de populações que historicamente não foram incluídas em coortes de pesquisa.

"Há uma enorme necessidade de diversidade na pesquisa clínica, não apenas pela cor da pele, mas também pelo contexto socioeconômico", disse Karikari.

"Para desenvolver melhores medicamentos, os ensaios precisam inscrever pessoas de origens variadas e não apenas aquelas que vivem perto de centros médicos acadêmicos. Um exame de sangue é mais barato, mais seguro e mais fácil de administrar, e pode melhorar a confiança clínica no diagnóstico da doença de Alzheimer e na seleção de participantes para ensaios clínicos e monitoramento da doença".

Karikari e sua equipe estão planejando realizar validação clínica em larga escala do BD-tau de sangue em uma ampla gama de grupos de pesquisa, incluindo aqueles que recrutam participantes de diversas origens raciais e étnicas, de clínicas de memória e da comunidade. Além disso, esses estudos incluirão adultos mais velhos sem evidência biológica da doença de Alzheimer, bem como aqueles em diferentes estágios da doença.

Esses projetos são cruciais para garantir que os resultados do biomarcador sejam generalizáveis para pessoas de todas as origens e abrirão o caminho para tornar o BD-tau comercialmente disponível para uso clínico e prognóstico generalizado.

Autores adicionais deste estudo são Fernando Gonzalez-Ortiz, B.S., Przemysław Kac, B.S., Nicholas Ashton, Ph.D., e Henrik Zetterberg, M.D., Ph.D., da Universidade de Gotemburgo, Suécia; Michael Turton, Ph.D., e Peter Harrison, Ph.D., da Bioventix Plc, Farnham, Reino Unido; Denis Smirnov, B.S., e Douglas Galasko, M.D., da Universidade da Califórnia, San Diego; Enrico Premi, M.D., Valentina Cantoni, Ph.D., Jasmine Rivolta, Ph.D., e Barbara Borroni, M.D., da Universidade de Brescia, Itália; e Roberta Ghidoni, Ph.D., Luisa Benussi, Ph.D., e Claudia Saraceno, Ph.D., do RCCS Istituto Centro San Giovanni di Dio Fatebenefratelli, Brescia, Itália.

Financiamento: Esta pesquisa foi apoiada pelo Conselho Sueco de Pesquisa (Vetenskåpradet; #2021-03244), a Associação de Alzheimer (#AARF-21-850325), a Fundação BrightFocus (#A2020812F), a Bolsa de Desenvolvimento de Carreira da Sociedade Internacional de Neuroquímica, a Fundação Sueca de Alzheimer (Alzheimerfonden; #AF-930627), a Fundação Sueca do Cérebro (Hjärnfonden; #FO2020-0240), a Fundação Sueca de Demência (Demensförbundet), a Fundação Sueca de Parkinson (Parkinsonfonden), Gamla Fundação Tjänarinnor, Fundação Aina (Ann) Wallströms e Mary-Ann Sjöbloms, Fundação Agneta Prytz-Folkes & Gösta Folkes (#2020-00124), Fundação Gun e Bertil Stohnes e Fundação Anna Lisa e Irmão Björnsson, entre outras fontes.


Author: Anastasia Gorelova Source: University of Pittsburgh Contact: Anastasia Gorelova – University of Pittsburg

Original Research: Open access. “Brain-derived tau: a novel blood-based biomarker for Alzheimer’s disease-type neurodegeneration” by Thomas Karikari et al. Brain


131 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page