O custo da solidão





Resumo: Pesquisadores discutem o impacto psicológico, físico e econômico prejudicial da solidão.

O termo "solidão" em si tem apenas algumas centenas de anos.

Eles dizem que você não pode colocar um preço na amizade, mas a solidão custa aos australianos US $ 2,7 bilhões por ano de acordo com um relatório do Bankwest Curtin Economics Centre. É uma epidemia que continuou a crescer durante a pandemia COVID-19.

Desde o início da pandemia, os sentimentos de solidão aumentaram em toda a Austrália. Felizmente, os residentes australianos ocidentais estavam se sentindo relativamente bem. Tivemos a segunda maior pontuação quando se tratava de "conectividade social", logo atrás do Território da Capital Australiana. Em contraste, os estados de Queensland e Austrália do Sul obtiveram a menor pontuação em conectividade social.

O termo "solidão" em si tem apenas algumas centenas de anos. As conotações negativas ligadas a ser solitário não aparecem na literatura até o final do século XVIII.

Embora a palavra seja relativamente nova, é difícil dizer quando a experiência emocional da solidão se tornou comum. Em "All's Well That Ends Well", de Shakespeare, a solidão confunde-se com o amor. Em Hamlet, Ofélia pode ter se afogado devido à solidão.

A solidão é mencionada na antiga história de sonho de D'harawal Bah'naga e Mun'dah (A Goanna e a Cobra Negra) – recontada pela botânica de Sydney Frances Bodkin.

"POR CAUSA DE SEU MAU TEMPERAMENTO, ELE [BAH'NAGA] ERA UM HOMEM MUITO SOLITÁRIO, E UMA MULHER NUNCA ANTES DISSE PALAVRAS SUAVES PARA ELE."

Então, colocamos emoções modernas em contos antigos ou as culturas comunitárias sofreram de solidão também?

A DIFERENÇA DE GÊNERO NA SOLIDÃO

Na Austrália, o custo econômico da solidão é maior para as mulheres do que para os homens.

O Professor Associado de Economia da Universidade de Curtin, Astghik Mavisakalyan, relata os impactos econômicos da solidão. Ela diz que é difícil identificar por que as mulheres se sentem mais solitárias que os homens.

"É provável que existam múltiplas e complexas razões por trás das lacunas de gênero na solidão", diz Astghik.

"Os dados sobre a solidão são autorrenotados. É possível que as mulheres simplesmente enfrentem menos estigma e estejam mais confortáveis em relatar que estão sozinhas."

"MAS TAMBÉM É POSSÍVEL QUE AS MULHERES SEJAM CRIADAS COM EXPECTATIVAS MAIORES PARA AS RELAÇÕES SOCIAIS. ELES PODEM SER MAIS PROPENSOS A SE SENTIR SOZINHO SE ESTES NÃO SÃO CUMPRIDOS.

Astghik diz que um fator pode ser que os homens tenham mais oportunidades de socializar através do trabalho. Isso ocorre frequentemente durante os anos em que muitas mulheres ficam em casa para cuidar de seus filhos.

De acordo com o estudo, as mulheres australianas são mais propensas a se sentirem solitárias aos 17 anos. E enquanto os relatos de solidão diminuem durante a idade adulta, eles subitamente aumentam para mulheres acima dos 65 anos.

Quanto aos homens australianos, os relatos de solidão atingem o pico por volta dos 50 anos.

COMO É A SOLIDÃO?

Quando experimentamos um alto nível de solidão momentânea, ele aciona o corpo para liberar mais cortisol. E sentimentos prolongados de solidão se correlacionam com níveis mais altos de cortisol médio.

Cortisol, conhecido como hormônio do estresse, prepara seu corpo para uma resposta de luta ou fuga. Ele aciona seu corpo para produzir mais glicose para energia extra. Esse aumento do estresse, e os sentimentos desagradáveis associados à solidão, podem fazer duas coisas.


Para uma espécie social como nós, ser solitário significa ser vulnerável a ataques. A resposta de luta ou fuga pode estar nos preparando para este ataque. Em segundo lugar, a dor emocional associada à solidão nos proporciona uma fome biológica de nos conectar com os outros.

Isso leva a um fenômeno que o Dr. Tim Dean descreve como "incompatibilidade evolutiva". Essa incompatibilidade ocorre quando comportamentos que a evolução enraizada em nós para a sobrevivência se tornam insalubres na sociedade moderna. Por exemplo, nossa fome por carboidratos se transformou em uma epidemia de obesidade.

AS IMPLICAÇÕES FÍSICAS

O Australian Lonelyness Report de 2018 constatou que 25% dos australianos se sentem solitários, enquanto 30% sentem que não têm um grupo de amigos.

Então, como essa experiência emocional impacta nossa saúde física? A solidão se correlaciona com uma série de problemas de saúde. Está ligado ao declínio cognitivo (cerca de 2% de diminuição do QI ao longo do tempo) e ao aumento do risco de demência.

De fato, a maior parte do preço estimado em US$ 2,7 bilhões é resultado de custos médicos associados à diminuição da saúde.

Mas a doença crônica causa solidão ou a solidão simplesmente aumenta o risco de doenças?

O professor Tegan Cruwys pesquisa psicologia comunitária e saúde mental na Universidade Nacional Australiana. Ela diz que são fenômenos separados, que muitas vezes são causados por fatores sociais semelhantes.

"A sobreposição em quem experimenta a depressão e a solidão fala do fato de que os males sociais que levam à experiência da solidão – exclusão, discriminação e desvantagem – também são determinantes críticos da depressão clínica."

A pesquisa de Astghik sugere que a solidão provavelmente levará a maus resultados e comportamentos de saúde.

"Mais da metade das mulheres e homens de 65 anos que se sentem solitários na maioria das vezes relatam saúde ruim", diz Astghik.

"[Isso é] em torno do dobro da taxa daqueles que não se sentem solitários."

A solidão crônica desencadeia mudanças comportamentais e inicia a resposta inflamatória do sistema imunológico. A inflamação crônica contribui para uma série de doenças, incluindo Alzheimer, diabetes, câncer, artrite e doenças cardíacas.

Tegan e Astghik dizem que a melhor maneira de combater a solidão é participar de uma comunidade. Se o individualismo ajudou a criar a epidemia de solidão, redescobrir nossas comunidades pode pará-la.


Author: Thomas Crow

Source: Particle

Contact: Thomas Crow – Particle


100 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo