top of page

O exercício é ainda mais eficaz do que o aconselhamento ou medicação para a depressão




Resumo: O exercício é uma maneira eficaz de ajudar no tratamento de uma série de transtornos de saúde mental, incluindo depressão e ansiedade. Na verdade, o exercício pode ser mais eficaz do que a medicação e o aconselhamento para a depressão.

O mundo está atualmente lidando com uma crise de saúde mental, com milhões de pessoas relatando depressão, ansiedade e outras condições de saúde mental. De acordo com estimativas recentes, quase metade de todos os australianos experimentará um distúrbio de saúde mental em algum momento de sua vida.

Os transtornos de saúde mental têm um grande custo tanto para o indivíduo quanto para a sociedade, com a depressão e a ansiedade entre as principais causas de carga de doença relacionada à saúde. A pandemia de C19 está exacerbando a situação, com um aumento significativo nas taxas de sofrimento psicológico afetando um terço das pessoas.

Embora os tratamentos tradicionais, como terapia e medicação, possam ser eficazes, nossa nova pesquisa destaca a importância do exercício no gerenciamento dessas condições.

Nosso estudo recente publicado no British Journal of Sports Medicine revisou mais de 1.000 ensaios de pesquisa examinando os efeitos da atividade física na depressão, ansiedade e sofrimento psicológico. Ele mostrou que o exercício é uma maneira eficaz de tratar problemas de saúde mental – e pode ser ainda mais eficaz do que medicação ou aconselhamento.

Mais duro, mais rápido, mais forte

Revisamos 97 artigos de revisão, que envolveram 1.039 estudos e 128.119 participantes. Descobrimos que fazer 150 minutos por semana de vários tipos de atividade física (como caminhada rápida, levantamento de pesos e ioga) reduz significativamente a depressão, a ansiedade e o sofrimento psicológico, em comparação com os cuidados habituais (como medicamentos).

As maiores melhorias (como auto-relatado pelos participantes) foram observadas em pessoas com depressão, HIV, doença renal, em mulheres grávidas e pós-parto e em indivíduos saudáveis, embora benefícios claros tenham sido observados para todas as populações.

Descobrimos que quanto maior a intensidade do exercício, mais benéfico ele é. Por exemplo, andar em um ritmo acelerado, em vez de andar no ritmo habitual. E exercitar-se por seis a 12 semanas tem os maiores benefícios, em vez de períodos mais curtos. O exercício a longo prazo é importante para manter as melhorias na saúde mental.

Quanto mais eficaz?

Ao comparar o tamanho dos benefícios do exercício com outros tratamentos comuns para condições de saúde mental de revisões sistemáticas anteriores, nossos achados sugerem que o exercício é cerca de 1,5 vezes mais eficaz do que a medicação ou a terapia cognitivo-comportamental.

Além disso, o exercício tem benefícios adicionais em comparação com os medicamentos, como custo reduzido, menos efeitos colaterais e oferecendo ganhos de bônus para a saúde física, como peso corporal mais saudável, melhora da saúde cardiovascular e óssea e benefícios cognitivos.

Por que funciona

Acredita-se que o exercício afete a saúde mental através de vários caminhos e com efeitos a curto e longo prazo. Imediatamente após o exercício, endorfinas e dopamina são liberadas no cérebro.

A curto prazo, isso ajuda a aumentar o humor e amortecer o estresse. A longo prazo, a liberação de neurotransmissores em resposta ao exercício promove mudanças no cérebro que ajudam no humor e na cognição, diminuem a inflamação e aumentam a função imunológica, que influenciam nossa função cerebral e saúde mental.

O exercício regular pode levar a um sono melhorado, que desempenha um papel crítico na depressão e na ansiedade. Também tem benefícios psicológicos, como aumento da autoestima e sensação de realização, todos benéficos para pessoas que lutam contra a depressão.


Não é um tratamento "alternativo"

Os resultados ressaltam o papel crucial do exercício para gerenciar a depressão, ansiedade e sofrimento psicológico.


Algumas diretrizes clínicas já reconhecem o papel do exercício – por exemplo, as Diretrizes Clínicas da Austrália e da Nova Zelândia, sugerem medicação, psicoterapia e mudanças no estilo de vida, como o exercício.


No entanto, outros órgãos líderes, como as Diretrizes de Prática Clínica da Associação Americana de Psicologia, enfatizam apenas a medicação e a psicoterapia e listam o exercício como um tratamento "alternativo" – na mesma categoria de tratamentos como a acupuntura. Embora o rótulo "alternativa" possa significar muitas coisas quando se trata de tratamento, ele tende a sugerir que fica fora da medicina convencional ou não tem uma base de evidências clara. Nenhuma dessas coisas é verdade no caso do exercício para a saúde mental.


Mesmo na Austrália, a medicação e a psicoterapia tendem a ser mais comumente prescritas do que o exercício. Isso pode ser porque o exercício é difícil de prescrever e monitorar em ambientes clínicos. E os pacientes podem ser resistentes porque se sentem com pouca energia ou motivação.


Mas não "vá sozinho"

É importante notar que, embora o exercício possa ser uma ferramenta eficaz para gerenciar condições de saúde mental, as pessoas com uma condição de saúde mental devem trabalhar com um profissional de saúde para desenvolver um plano de tratamento abrangente - em vez de ir sozinho com um novo regime de exercícios.


Um plano de tratamento pode incluir uma combinação de abordagens de estilo de vida, como exercitar-se regularmente, comer uma dieta equilibrada e socializar, juntamente com tratamentos como psicoterapia e medicação.


Mas o exercício não deve ser visto como uma opção "agradável de se ter". É uma ferramenta poderosa e acessível para gerenciar condições de saúde mental – e a melhor parte é que é gratuito e vem com muitos benefícios adicionais para a saúde.


Sobre este exercício e notícias de pesquisa de depressão

Autor: Ben Singh, Carol Maher e Jacinta Brinsley

Contato: Ben Singh, Carol Maher e Jacinta Brinsley – The Conversation

British Journal of Sports Medicine

Effectiveness of physical activity interventions for improving depression, anxiety and distress: an overview of systematic reviews

http://orcid.org/0000-0002-7227-2406Ben Singh1, Timothy Olds1, Rachel Curtis1, http://orcid.org/0000-0003-3057-0963Dorothea Dumuid1, Rosa Virgara1, Amanda Watson1, Kimberley Szeto1, Edward O'Connor1, Ty Ferguson1, Emily Eglitis1, Aaron Miatke1, Catherine EM Simpson1, Carol Maher2

Correspondence to Dr Ben Singh, University of South Australia, Adelaide, South Australia, Australia; ben.singh@unisa.edu.au

Abstract

Objective To synthesise the evidence on the effects of physical activity on symptoms of depression, anxiety and psychological distress in adult populations.


Design Umbrella review.


Data sources Twelve electronic databases were searched for eligible studies published from inception to 1 January 2022.


Eligibility criteria for selecting studies Systematic reviews with meta-analyses of randomised controlled trials designed to increase physical activity in an adult population and that assessed depression, anxiety or psychological distress were eligible. Study selection was undertaken in duplicate by two independent reviewers.


Results Ninety-seven reviews (1039 trials and 128 119 participants) were included. Populations included healthy adults, people with mental health disorders and people with various chronic diseases. Most reviews (n=77) had a critically low A MeaSurement Tool to Assess systematic Reviews score. Physical activity had medium effects on depression (median effect size=−0.43, IQR=−0.66 to –0.27), anxiety (median effect size=−0.42, IQR=−0.66 to –0.26) and psychological distress (effect size=−0.60, 95% CI −0.78 to –0.42), compared with usual care across all populations. The largest benefits were seen in people with depression, HIV and kidney disease, in pregnant and postpartum women, and in healthy individuals. Higher intensity physical activity was associated with greater improvements in symptoms. Effectiveness of physical activity interventions diminished with longer duration interventions.


Conclusion and relevance Physical activity is highly beneficial for improving symptoms of depression, anxiety and distress across a wide range of adult populations, including the general population, people with diagnosed mental health disorders and people with chronic disease. Physical activity should be a mainstay approach in the management of depression, anxiety and psychological distress.


PROSPERO registration number CRD42021292710.


http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

This is an open access article distributed in accordance with the Creative Commons Attribution Non Commercial (CC BY-NC 4.0) license, which permits others to distribute, remix, adapt, build upon this work non-commercially, and license their derivative works on different terms, provided the original work is properly cited, appropriate credit is given, any changes made indicated, and the use is non-commercial. See: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/.


http://dx.doi.org/10.1136/bjsports-2022-106195

281 visualizações0 comentário

留言


bottom of page