top of page

O Guia Essencial para a Doença de Parkinson:





Sintomas, Causas, Tratamentos e Remédios Naturais


A doença de Parkinson afeta cerca de 1 milhão de pessoas na América do Norte e mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo. Somente nos Estados Unidos, a doença de Parkinson ocorre em cerca de 13 por 100.000 pessoas, com cerca de 90.000 novos casos detectados a cada ano, acima dos 60.000 nos últimos anos, de acordo com um estudo apoiado pela Fundação Parkinson de 2022.


Quais são os tipos comuns de doença de Parkinson?

A doença de Parkinson é um distúrbio progressivo do sistema nervoso que afeta regiões do cérebro que controlam o equilíbrio e o movimento. Três tipos principais a caracterizam:


Doença de Parkinson idiopática

A doença de Parkinson idiopática é o tipo mais comum de Parkinson e sua causa é geralmente desconhecida. Uma pessoa afligida com doença de Parkinson idiopática apresenta bradicinesia, juntamente com rigidez, tremor ou ambos. Esses pacientes também apresentam sintomas mais proeminentes em um lado do corpo do que no outro. Este tipo afeta pessoas mais velhas.


Doença de Parkinson de início precoce

A doença de Parkinsxon de início precoce, também conhecida como doença de Parkinson de início jovem, é um tipo que afeta indivíduos com menos de 60 anos e, geralmente, entre as idades de 21 e 50. Este tipo de Parkinson é altamente desafiador e é frequentemente associado a efeitos psicológicos e sociais. O Parkinson de início precoce está ligado à distonia, um distúrbio do movimento que causa contrações involuntárias dos músculos, como tremores, tremores e carrapatos.


Doença de Parkinson hereditária

A doença de Parkinson hereditária está ligada à herança genética, o que significa que os genes que causam Parkinson são passados de geração em geração. Esta população é responsável por aproximadamente 10 a 15 por cento do censo de pacientes de Parkinson. Os cientistas encontraram dezenas de genes como LRRK2, PARK7 e SNCA ligados à doença.


Quais são os sintomas e sinais precoces da doença de Parkinson?

Os sintomas começam lentamente e podem ser quase imperceptíveis no início. Por exemplo, uma pessoa pode experimentar tremores em apenas uma mão. Embora os tremores sejam típicos da doença de Parkinson, o distúrbio pode causar rigidez e desaceleração do movimento.

As pessoas afetadas pelos estágios iniciais da doença de Parkinson podem mostrar pouca ou nenhuma expressão em seus rostos. Seus braços podem não balançar quando andam, ou sua fala pode ficar arrastada ou macia. Esses sintomas piorarão à medida que a doença progride ao longo do tempo.

Sinais e sintomas de Parkinson podem ser diferentes para todos. Embora os primeiros sinais possam ser leves ou passar despercebidos, os sintomas geralmente começam em um lado do corpo e geralmente permanecem piores nesse lado, mesmo quando os sintomas começam a afetar os membros de ambos os lados.


Os sinais e sintomas de Parkinson podem incluir:

· Tremor: Um tremor é um tremor rítmico que geralmente começa em um membro, mais comumente na mão ou nos dedos. Os pacientes de Parkinson podem esfregar o polegar e o indicador para frente e para trás. Isso é chamado de tremor de rolagem de pílulas. Eles podem notar que sua mão treme ao descansar, mas o tremor pode diminuir ao executar tarefas.

· Movimento lento (bradicinesia): A doença de Parkinson pode restringir progressivamente o movimento de um paciente, tornando as tarefas mais simples difíceis e demoradas. Pode-se arrastar ou embaralhar os pés, ou notar que seus passos se tornaram mais curtos ao caminhar. Eles também podem ter dificuldade em sair de uma cadeira.

· Músculos rígidos: A rigidez pode ocorrer nos músculos em qualquer parte do corpo. A rigidez ou rigidez muscular pode ser dolorosa e limitar a amplitude de movimento.

· Postura e equilíbrio prejudicados: A postura em pacientes com doença de Parkinson pode ficar inclinada. Os pacientes também podem sofrer quedas ou ter problemas com o equilíbrio.

· Perda de movimentos automáticos: Os pacientes de Parkinson podem ser incapazes de realizar movimentos inconscientes, incluindo piscar, sorrir ou balançar os braços quando caminham.

· Alterações na fala e na deglutição: Os pacientes de Parkinson podem falar suavemente, rapidamente, insultar ou hesitar antes de falar. A fala pode ser monótona em vez de ter os padrões de fala usuais. Além disso, os pacientes podem notar dificuldade em engolir que normalmente começa com tosse enquanto come ou leva mais tempo para comer.

· Micrografia: Aqueles que sofrem de doença de Parkinson podem notar que é difícil escrever, e sua caligrafia pode parecer pequena.

· Marcha parkinsoniana: A marcha parkinsoniana é caracterizada por uma marcha particular ou padrão de caminhada geralmente testemunhado em estágios posteriores. Esse padrão é caracterizado por pequenos passos embaralhados que causam um comprimento reduzido da passada. Os pacientes andam em uma posição inclinada nesta fase com a cabeça para a frente, ombros para baixo e quadris e joelhos dobrados. Além disso, o balanço reduzido dos braços durante a caminhada, especialmente no membro mais proeminente, é visível durante este período.

O que causa a doença de Parkinson?

A doença de Parkinson é uma doença progressiva causada pela degeneração, degradação ou morte dos neurônios do cérebro (células nervosas) que controlam o movimento.

Seus sintomas mais proeminentes são devidos a uma perda de neurônios que produzem dopamina, um mensageiro químico em seu cérebro. Uma diminuição nos níveis de dopamina causa atividade cerebral atípica, o que leva a movimentos prejudicados e outros sintomas associados à progressão da doença. Estudos concluem que os sintomas da doença de Parkinson são evidentes em pacientes com uma perda de 80% ou mais de células produtoras de dopamina.

A dopamina geralmente opera em equilíbrio com outros neurotransmissores para ajudar a coordenar milhões de células nervosas e musculares envolvidas no movimento. Quando a dopamina está faltando, o equilíbrio é interrompido, resultando em tremores, rigidez, movimento lento e equilíbrio e coordenação prejudicados.

Em pacientes com doença de Parkinson, a produção de dopamina é reduzida em 80%. (O Epoch Times)

A causa da doença de Parkinson é essencialmente desconhecida, mas vários fatores parecem desempenhar um papel.

Genes

Uma pesquisa realizada em 2005 descobriu uma única mutação em um gene da doença de Parkinson que se acredita ser responsável por 5% dos casos hereditários. Os cientistas identificaram alterações genéticas específicas que podem causar a doença de Parkinson. No entanto, esses genes são incomuns, exceto em casos raros em que muitos membros da família são afetados pelo Parkinson. Certas variações genéticas parecem aumentar o risco de doença de Parkinson com um risco relativamente pequeno para cada um desses marcadores genéticos.

Os cientistas estudaram e compararam o DNA das pessoas afetadas pelo Parkinson, descobrindo dezenas de mutações genéticas associadas à doença.

Embora múltiplas mutações genéticas tenham sido associadas a um maior risco de desenvolver Parkinson, a maioria das pessoas não tem essas variações genéticas.

Gatilhos Ambientais

A exposição a toxinas ou fatores ambientais pode aumentar o risco de doença de Parkinson. A associação entre genes e o ambiente pode ser bastante complicada. Esses fatores de risco incluem traumatismo craniano, área de residência e exposição a pesticidas.

Embora pesticidas e traumatismos cranianos estejam associados à doença de Parkinson, a maioria das pessoas não tem nenhuma exposição óbvia a esses fatores ambientais.

Os pesquisadores acreditam que muitas mudanças ocorrem nos cérebros das pessoas afetadas pela doença de Parkinson, embora não esteja claro por que essas mudanças ocorrem. Exemplos incluem:

· Presença de corpos de Lewy: Os corpos de Lewy são aglomerados de substâncias específicas dentro das células cerebrais que são marcadores microscópicos da doença de Parkinson. Os pesquisadores acreditam que esses corpos de Lewy têm uma pista significativa para a causa da doença.

· Alfa-sinucleína encontrada nos corpos de Lewy: Embora muitas substâncias tenham sido identificadas dentro dos corpos de Lewy, os cientistas acreditam que uma proteína crucial é uma proteína natural e generalizada chamada alfa-sinucleína. Esta proteína é encontrada em todos os corpos de Lewy em uma forma sólida que as células não podem quebrar. Este é atualmente um foco importante entre os pesquisadores.

Fatores por trás da causa do Parkinson incluem mutações genéticas, traumatismo craniano e pesticidas. A presença de corpos de Lewy no cérebro também pode estar relacionada.


Quais são os estágios da doença de Parkinson?

A doença de Parkinson é caracterizada por cinco estágios.

Estágio 1

Este estágio apresenta sintomas leves e a doença não interfere nas atividades diárias. Mudanças leves nas expressões faciais, postura corporal e caminhada podem estar presentes. Os sintomas geralmente estão contidos em um lado do corpo. Os sintomas do primeiro estágio são tão leves que os outros podem nem perceber, a menos que sejam apontados.


Estágio 2

Os sintomas do estágio 2 são moderados e visíveis para os outros. Os sintomas são sentidos em ambos os lados do corpo. Atividades diárias normais ainda podem ser realizadas, mas devido à progressão da rigidez muscular, elas podem ser mais difíceis de realizar ou levar mais tempo. Embora o equilíbrio não seja prejudicado nesta fase, a mudança de postura continua a progredir.


Estágio 3

Conhecido como estágio intermediário, o estágio 3 inclui comprometimento do equilíbrio que pode fazer com que a pessoa afetada comece a sofrer quedas. O movimento nesta fase torna-se mais lento. As atividades diárias ainda podem ser realizadas, mas ocorrem muito lentamente. Atividades para a vida diária, como tomar banho, vestir-se e comer podem ficar prejudicadas.


Estágio 4

Nesta fase, os sintomas começam a se tornar graves. A pessoa afligida não pode mais viver de forma independente porque não pode realizar atividades diárias de forma independente. A pessoa afetada pode ficar de pé sem apoio, mas não pode andar sem um dispositivo de assistência devido à frequência de suas quedas.


Estágio 5


O estágio 5 é o estágio mais avançado da doença de Parkinson. A rigidez profunda causa quedas frequentes e dificulta a permanência da pessoa. Durante esse estágio, o comprometimento cognitivo está presente e pode estar associado a outros sintomas, como alucinações, demência e distúrbios do sono. Uma pessoa do estágio 5 também está acamada e requer uma cadeira de rodas para o movimento. A qualidade de vida diminui.

Quem é mais propenso a contrair a doença de Parkinson?

Embora a doença de Parkinson seja considerada tipicamente afetando a população mais velha, estima-se que 1 em cada 10 pessoas com Parkinson seja diagnosticada antes dos 50 anos. A idade média de início é de 60 anos ou mais.

Acredita-se que existam predisposições, fatores de risco e condições que levam a uma maior probabilidade de Parkinson.

· Parkinson afeta homens e mulheres, mas é 50 por cento mais prevalente em homens do que mulheres.

· Uma pessoa com um pai ou irmão afiliado à doença de Parkinson tem aproximadamente duas vezes a chance de desenvolver a doença.

· A exposição a produtos químicos, como herbicidas e pesticidas, ou uma exposição da era do Vietnã ao Agente Laranja pode aumentar o risco.

· Uma pessoa com um traumatismo craniano ou lesão repetida na cabeça tem um risco maior de desenvolver Parkinson.

·

Quais são os testes para a doença de Parkinson?

A doença de Parkinson não pode ser diagnosticada por um teste específico. Em vez disso, um neurologista, um médico especializado especificamente treinado para tratar distúrbios do sistema nervoso, diagnosticará o Parkinson com base no histórico médico de cada paciente e uma revisão de seus sinais e sintomas específicos, realizando um exame neurológico e físico. Embora os estudos de imagem não sejam particularmente úteis no diagnóstico da doença de Parkinson, seu médico pode solicitar o seguinte:

· Tomografia computadorizada por emissão de fóton único (SPECT): Uma varredura SPECT é um teste de imagem nuclear que permite ao médico estudar os órgãos, tecidos e ossos do seu corpo. Ele usa uma substância radioativa e uma câmera especializada que cria imagens 3D.

· Varredura do transportador de dopamina (DaTscan): Este teste de imagem permite a visualização do sistema de dopamina no cérebro. Esta varredura é semelhante à ressonância magnética, mas estuda a função do cérebro e não a estrutura. Embora este estudo possa apoiar o diagnóstico de Parkinson, a maioria dos pacientes não requer a varredura.

· Ressonância magnética do cérebro: Este estudo de imagem indolor produz imagens claras da estrutura dentro de sua cabeça. Os médicos os usam para avaliar, diagnosticar e monitorar as condições que afetam seu cérebro ou outras estruturas internas da cabeça.

· Ultrassonografia transcraniana (TCS): A TCS é uma modalidade de ultrassom comparativamente nova que exibe a ecogenicidade do tecido cerebral humano através do crânio. Este estudo ajuda a diferenciar entre a doença de Parkinson idiopática e outros distúrbios parkinsonianos.

· PET scan: Isso é usado para avaliar a função do cérebro e a atividade em áreas do cérebro que envolvem movimento.

Muitas vezes leva tempo para diagnosticar a doença de Parkinson adequadamente. Portanto, os médicos podem recomendar consultas de acompanhamento de rotina com um neurologista que avaliará e acompanhará seus sintomas ao longo do tempo para diagnosticar a doença de Parkinson.

Quais são as complicações da doença de Parkinson?

A doença de Parkinson é frequentemente associada a condições ou complicações adicionais. No entanto, alguns desses distúrbios podem ser tratáveis.

· Dificuldades de pensamento: Os pacientes de Parkinson podem experimentar demência, comprometimento cognitivo ou dificuldades de pensamento. Essas condições geralmente ocorrem nos estágios posteriores da doença. Uma combinação de medicação e mudanças comportamentais pode ajudar com o comprometimento cognitivo.

· Dificuldade em dormir e distúrbios do sono: Pessoas com Parkinson frequentemente têm dificuldade em dormir e muitas vezes acordam durante a noite. Eles acordam cedo e adormecem durante o dia. A apneia do sono geralmente ocorre em 40% dos pacientes. Os medicamentos podem melhorar os padrões de sono.

· Mudanças emocionais e depressão: Muitos pacientes com Parkinson experimentam depressão. Receber tratamento para a depressão pode tornar mais fácil lidar com os outros desafios da doença. Os pacientes também podem experimentar mudanças emocionais, como perda de motivação, medo e ansiedade. Estes sintomas podem ser tratados com medicação.

· Problemas de mastigação e alimentação: A doença de Parkinson nos estágios finais afeta os músculos da boca, dificultando a mastigação. Dificuldade em mastigar pode levar a asfixia.

· Problemas de deglutição: Dificuldade em engolir pode ocorrer à medida que a doença progride e pode resultar em má nutrição. A saliva pode se acumular na boca devido à deglutição lenta, levando à baba.

· Fadiga: Os pacientes de Parkinson perdem energia e se cansam facilmente, especialmente no final do dia.

· Problemas de bexiga: Parkinson pode causar problemas com a bexiga, como dificuldade em urinar ou ser capaz de controlar a urina. Estudos sugerem que 30 a 40 por cento dos pacientes sofrem de problemas urinários.


Quais são os tratamentos para a doença de Parkinson?

A doença de Parkinson não é curável, mas é tratável. Medicamentos estão disponíveis que podem ajudar a controlar os sintomas e, muitas vezes, melhorar a qualidade de vida. Em alguns casos avançados, a cirurgia pode ser recomendada.

Além do tratamento medicinal, seu médico pode recomendar mudanças no estilo de vida, especialmente exercícios físicos. A fisioterapia que se concentra no alongamento e no equilíbrio é essencial em alguns pacientes. Quando os problemas de fala estão presentes, um fonoaudiólogo pode ser usado para ajudar a melhorar os problemas de fala.


Medicação

Medicamentos que aumentam ou atuam como um substituto para a dopamina podem ser usados para ajudá-lo a gerenciar problemas com movimento, tremores e caminhada.

Medicamentos que seu médico pode considerar incluem:

· Carbidopa-levodopa: Este tratamento substitui a dopamina quando passa para o cérebro. A levodopa é combinada com a carbidopa, que protege a levodopa da conversão precoce em dopamina fora do cérebro.

· Carbidopa-levodopa inalada: Esta forma inalatória de carbidopa-levodopa pode ajudar a controlar os sintomas que surgem quando os medicamentos orais param de funcionar durante o dia.

· Infusão de carbidopa-levodopa: Esta é uma forma de infusão de carbidopa-levodopa administrada através de um tubo de alimentação, entregando a medicação em forma de gel diretamente ao intestino delgado. Este medicamento é para pacientes com doença de Parkinson mais avançada.

· Agonistas da dopamina: Os agonistas da dopamina imitam os efeitos da dopamina no cérebro. Embora os agonistas dopaminérgicos não sejam tão eficazes quanto a levodopa no tratamento dos sintomas, eles duram mais tempo e podem ser usados com levodopa para suavizar o efeito ocasional da levodopa.

· Inibidores da MAO-B: Estes medicamentos ajudam a prevenir a degradação da dopamina cerebral, impedindo a enzima cerebral monoamina oxidase B. Esta enzima metaboliza a dopamina no cérebro.

· Inibidores da catecol-O-metiltransferase (COMT): Este medicamento prolonga o efeito da terapia com levodopa, bloqueando uma enzima que quebra a dopamina.

· Anticolinérgicos: Estes medicamentos bloqueiam o neurotransmissor acetilcolina e ajudam a controlar o tremor e outros sintomas associados à doença de Parkinson.

· Amantadina: Este promotor de dopamina alivia temporariamente os sintomas da doença de Parkinson leve e em estágio inicial. Também pode ser administrado com terapia com carbidopa-levodopa durante os estágios posteriores da doença de Parkinson para controlar a discinesia induzida pela carbidopa-levodopa.

· Antagonistas do receptor de adenosina (antagonistas do receptor A2A): Estas são drogas que visam áreas que controlam a resposta do cérebro à dopamina e permitem que mais dopamina seja liberada.

· Pimavanserin: Uma droga usada para tratar alucinações e delírios que as pessoas afetadas pela doença de Parkison podem experimentar.

·

Cirurgia ou Procedimentos

A estimulação cerebral profunda (DBS) é geralmente oferecida a pessoas com doença de Parkinson avançada que têm respostas instáveis à medicação (levodopa). Este tratamento pode reduzir tremores, estabilizar as flutuações da medicação, reduzir ou interromper os movimentos involuntários, reduzir a rigidez e melhorar os movimentos.

No DBS, os eletrodos são implantados em uma parte específica do cérebro. Os eletrodos são conectados a um gerador implantado no peito perto da clavícula que envia pulsos elétricos para o cérebro, possivelmente reduzindo os sintomas da doença de Parkinson.



Tratamentos Avançados

Um ultrassom focalizado guiado por ressonância magnética (MRgFUS) é um tratamento minimamente invasivo que ajuda alguns pacientes com Parkinson a gerenciar tremores. Uma ressonância magnética guia o ultrassom para a área do cérebro onde os tremores se iniciam. As ondas de ultrassom de alta temperatura queimam áreas que estão contribuindo para os tremores.


Como a mentalidade afeta a doença de Parkinson?

As pessoas que vivem com a doença de Parkinson são afetadas por condições, deficiências e dor que tornam a vida cotidiana desafiadora. Essas dificuldades geralmente afetam o bem-estar físico, emocional e mental. No entanto, uma pesquisa de 2022 mostra que a atitude é um fator crítico na qualidade de vida.

A pesquisa anual da doença de Parkinson na América foi realizada com mais de 1.400 pacientes diagnosticados com a doença de Parkinson. Setenta e cinco por cento dos entrevistados disseram que sua atitude era um fator crítico em sua qualidade de vida, enquanto 70 por cento relataram que precisavam de algum tipo de apoio, com o apoio emocional sendo o mais bem classificado.

Os entrevistados pareciam responder bem ao riso. Cinquenta e um por cento relataram que usam o humor e o riso como mecanismos de enfrentamento. Quase 50% dos entrevistados sentiram que sua fé ou espiritualidade era uma grande parte de como eles permaneceram positivos. Muitos compartilharam que ficar ocupado com atividades os ajuda a permanecer de bom humor. Eles gostam de estar envolvidos em atividades como:

· Voluntariado

· Crafting

· Leitura

· Diário

· Meditando

· Compras

· Pintura

· Passar tempo com amigos e familiares


Quais são os remédios naturais para a doença de Parkinson?

Embora o Parkinson seja um distúrbio progressivo, os sintomas geralmente são gerenciados com medicação para retardar a progressão e melhorar o movimento e a funcionalidade.

Com o tempo, os medicamentos e drogas tradicionais usadas para tratar os sintomas de Parkinson podem perder a eficácia. Por esta razão, é necessário tomar medidas adicionais para retardar a progressão dos sintomas, de preferência nos estágios iniciais da doença. Numerosos remédios naturais foram identificados que podem ajudar a melhorar esta condição crítica.

Suplementos

Uma dieta equilibrada fornece às pessoas com doença de Parkinson uma abundância de nutrientes, vitaminas e minerais. No entanto, os pesquisadores acreditam que aumentar uma refeição nutritiva com suplementos específicos pode ajudar a aliviar alguns dos sintomas associados a esta doença.

· Coenzima (CoQ10): CoQ10 é uma substância que nossos corpos produzem que ajuda as células a obter energia do oxigênio. Embora nem todos os estudos concordem, algumas pesquisas sugerem que tomar altas doses de CoQ10 pode retardar a progressão da doença de Parkinson nos estágios iniciais.

· Vitaminas C e E: Em um estudo, altas doses dessas vitaminas antioxidantes tomadas em conjunto reduziram o risco de Parkinson em até 32% em indivíduos.

· Citidinedifosfocolina, ou CDP-colina: Esta é uma substância feita no corpo que parece aumentar os níveis de dopamina. O Monte Sinai indica que um estudo mostrou que as pessoas que tomaram 400 miligramas três vezes ao dia poderiam reduzir sua dose de levodopa.

· Fosfatidilserina (PS): PS é uma substância feita no corpo que é essencial para a função cerebral. Pacientes com doença de Parkinson muitas vezes têm baixos níveis de PS. De acordo com o Mount Sinai, os cientistas descobriram que tomar 100 mg de PS três vezes por dia melhorou o humor e a função cerebral em pessoas com doença de Parkinson e demência do tipo Alzheimer.

· NADH: A forma ativa da vitamina B3, nicotinamida adenina dinucleotídeo + hidrogênio (NADH) ajuda a aumentar a biossíntese de dopamina. Estudos sobre a doença de Parkinson mostraram resultados variados; alguns usaram injeções em vez de doses orais.


Massagem

A massagem pode ajudar a aumentar a circulação e diminuir os espasmos musculares. A terapia crânio-sacral, uma massagem terapêutica que se concentra no cérebro e na coluna vertebral, pode reduzir os tremores e melhorar a função.


Terapias mente-corpo

Tai chi, yoga e qigong podem melhorar o equilíbrio, a flexibilidade e a amplitude de movimento em pessoas com doença de Parkinson. Essas terapias também podem aumentar o humor e melhorar o sono.


Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura

A medicina tradicional chinesa (MTC) considera a doença como sendo causada por desequilíbrios internos. Historicamente, a doença de Parkinson foi tratada com acupuntura e remédios à base de plantas. Aqueles afetados pela doença de Parkinson podem achar que a acupuntura ajuda a melhorar o sono.


Como posso prevenir a doença de Parkinson?

Embora não haja uma maneira identificada de prevenir a doença de Parkinson, consumir uma dieta "saudável para o cérebro" e incluir atividade física em sua rotina diária pode ajudar a reduzir o risco ou atrasar a chegada dos sintomas.

A pesquisa também sugere que certas dietas ou padrões alimentares podem nutrir seu cérebro e podem atrasar ou impedir que o Parkinson apareça.


A Dieta Mediterrânea

A dieta mediterrânea é rica em azeite, peixe, frutas, vegetais e grãos integrais. Está ligado a uma diminuição do risco de Parkinson e início tardio dos sintomas.

Vários antioxidantes e componentes anti-inflamatórios da dieta alteram o cérebro para que a morte das células nervosas produtoras de dopamina diminua ou pare.

A dieta mediterrânea limita o consumo de produtos lácteos, que estão ligados a um risco aumentado de doença de Parkinson.

Os componentes essenciais da dieta mediterrânea estão consumindo principalmente alimentos à base de plantas, como frutas e legumes, nozes, lentilhas, grãos integrais, legumes, ervilhas, feijões e grão-de-bico. Limite a carne vermelha a algumas vezes por semana e consuma uma pequena quantidade de proteína com baixo teor de gordura, como frango, salmão, atum albacora ou cavala várias vezes por semana.


Cafeína

Vários estudos correlacionaram o consumo de cafeína a uma diminuição do risco de desenvolver a doença de Parkinson.

A cafeína é considerada neuroprotetora, o que significa que protege o cérebro de danos causados por inflamação ou uma reação química tóxica chamada estresse oxidativo. Como tanto a inflamação quanto o estresse oxidativo estão ligados ao desencadeamento do Parkinson, acalmar esses fatores pode reduzir a perda do nervo dopaminérgico.

Exercício

A pesquisa mostrou que o exercício físico moderado a vigoroso está associado a um menor risco de desenvolver Parkinson.

Os cientistas acreditam que o exercício reduz o estresse oxidativo, a inflamação e o acúmulo anormal de proteína alfa-sinucleína no cérebro. Na doença de Parkinson, a alfa-sinucleína forma aglomerados tóxicos chamados corpos de Lewy dentro das células nervosas produtoras de dopamina, que contribuem para a morte celular.

A atividade física melhora os sintomas em pacientes com doença de Parkinson. Sabe-se que melhora a qualidade de vida geral, retardando o processo da doença, diminuindo a dor associada ao Parkinson, prolongando a mobilidade independente, como equilíbrio, marcha e força, e melhorando a memória, o sono e o humor.

Incorpore exercícios diários para fortalecer os músculos. Ajuda a manter a flexibilidade, limitar a depressão e melhorar o equilíbrio. Alguns pacientes desenvolvem um plano de exercícios com seu fisioterapeuta, enquanto outros se envolvem em natação, exercícios aeróbicos, exercícios ativos resistidos, yoga, tai chi, etc.

Ao se exercitar, considere atividades aeróbicas moderadas a intensas, incluindo caminhada rápida, jogar tênis de dupla, andar de bicicleta mais lento que 10 milhas por hora ou hidroginástica.

As tarefas domésticas, como aspirar, jardinar, cortar a grama ou limpar o chão são formas moderadamente intensas de atividade física.

Atividades vigorosas incluem corrida, natação, subida, jogar tênis individual ou andar de bicicleta mais rápido do que 10 milhas por hora.

Alongar os músculos rígidos ajuda a melhorar o equilíbrio e a postura e aliviar as dificuldades de movimento, como caminhar.

· Coma proteína: Consumir proteína ajuda a prevenir a perda de peso e a perda de massa muscular. Facilita a cicatrização de feridas e aumenta a resistência a doenças também. Comer uma dieta equilibrada é essencial para evitar a obtenção de muita proteína.

· Aumentar a fibra: As pessoas afetadas pela doença de Parkinson têm um risco aumentado de constipação. Aumentar a ingestão de alimentos ricos em fibras e vegetais ajuda a combater o risco de constipação.

· Realizar treinamento de marcha: O treinamento de marcha ajuda a melhorar o equilíbrio, reduzindo o risco de queda e corrigindo o padrão de marcha de Parkinsoniana.


Aquera e PRL


As terapia de Biorressonância e Biofotônica tem sido recentemente adicionado ao arsenal de cuidados com os pacientes com doença degenerativa do Sistema Nervoso Central



Fale com seu médico e agende consulta para DBS pelo whatsapp 21985535329 .


249 visualizações0 comentário