O Mecanismo Neural de uma Resposta Circulatória ao Estresse



Pesquisadores da Universidade de Tsukuba descobriram um novo mecanismo pelo qual o cérebro regula o sistema cardiovascular em resposta ao estresse. Ao estimular eletricamente a habenula lateral, os pesquisadores descobriram que ela regula a frequência cardíaca e a pressão arterial através do sistema nervoso autônomo. Eles então mostraram que esse efeito depende de subtipos receptores específicos do neurotransmissor serotonina. Este estudo demonstra o mecanismo pelo qual o cérebro provoca efeitos fisiológicos em resposta ao estresse.


Estudo identifica um novo mecanismo no qual a habenula lateral regula o sistema cardiovascular em resposta ao estresse.

Embora o coração bata de forma autônoma, sua função pode ser regulada pelo cérebro em resposta, por exemplo, a eventos estressantes.

Em um novo estudo, pesquisadores da Universidade de Tsukuba descobriram um novo mecanismo pelo qual uma parte específica do cérebro, a habenula lateral (LHb), regula o sistema cardiovascular.

O sistema cardiovascular, especificamente o coração e os vasos sanguíneos, têm uma certa autonomia que lhes permite funcionar independentemente do cérebro. Para que o indivíduo se adapte a situações novas e potencialmente ameaçadoras, o cérebro tem algum poder regulatório sobre o sistema cardiovascular.

Isso é conseguido controlando o sistema nervoso autônomo, que consiste no sistema simpático e parassimpático. Enquanto o primeiro tem um efeito estimulante no sistema cardiovascular, incluindo o aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, este último causa o oposto.

"Do ponto de vista evolutivo, o cérebro teve uma função incrivelmente importante na proteção do indivíduo contra predadores", diz a principal autora do estudo, professora Tadachika Koganezawa. "Mas mesmo na ausência de predadores, nossos corpos reagem a situações estressantes. Neste estudo, queríamos determinar como o cérebro regulava o sistema cardiovascular através do sistema nervoso autônomo."

Para alcançar seu objetivo, os pesquisadores se concentraram no LHb. Localizado no fundo do cérebro, o LHb é conhecido por controlar respostas comportamentais a eventos estressantes e, como tal, obter fortes respostas cardiovasculares. No entanto, a maneira como o faz permaneceu incerta.

Para abordar essa questão, os pesquisadores estimularam eletricamente o LHb em ratos, inserindo um eletrodo através do crânio. A estimulação do LHb resultou em bradicardia (baixa frequência cardíaca) e aumento da pressão arterial média (MAP), que é um parâmetro clinicamente útil para avaliar a pressão arterial global.

Para determinar como o LHb se intercala com o sistema nervoso autônomo para regular o sistema cardiovascular, os pesquisadores então desligaram o sistema parassimpático por meio da redução do nervo parassimpático principal, do nervo vagal ou do uso de uma droga para antagonizá-lo.


Embora isso tenha suprimido o efeito do LHb na frequência cardíaca, ele não alterou o MAP. Antagonizar o sistema simpático fez o oposto — diminuiu o MAP, mas não alterou a frequência cardíaca.


Para entender o mecanismo pelo qual o LHb provoca essas respostas cardiovasculares, os pesquisadores se concentraram no neurotransmissor serotonina, que desempenha um papel importante no cérebro na modulação do humor, cognição e memória, entre outras funções. Embora o bloqueio de todos os receptores de serotonina tenha reduzido significativamente o efeito do LHb tanto no MAP quanto na frequência cardíaca, os pesquisadores descobriram que subtipos específicos de receptores de serotonina estavam particularmente envolvidos no processo.

"São resultados marcantes que mostram como a habenula lateral controla o sistema cardiovascular. Nossos resultados demonstram o mecanismo de um circuito neural que desempenha um papel importante nas respostas comportamentais induzidas pelo estresse", diz o autor do estudo, professor Masayuki Matsumoto.

“Lateral Habenula Regulates Cardiovascular Autonomic Responses via the Serotonergic System in Rats” by Tadachika Koganezawa et al. Frontiers in Neuroscience

3 visualizações0 comentário