top of page

O medo do coronavírus é mais perigoso do que o próprio vírus





Há três anos, nos primórdios da crise do corona, publiquei um artigo de opinião intitulado "O medo do coronavírus é mais perigoso do que o próprio vírus". Ele apontou o perigo de que, na crise do corona, o remédio possa ser muito pior do que a doença. O artigo alertava que a sociedade não estava tanto nas garras dos fatos, mas de uma narrativa construída sobre os fatos. A grande questão é: que fatos eram? Nas últimas semanas, mais e mais fatos vieram à tona. Pense nos arquivos de lockdown na Grã-Bretanha e no estudo Cochrane sobre a eficácia das medidas de corona. Você pode ler meu artigo de opinião publicado anteriormente abaixo. Eu republico aqui porque vou escrever um seguimento para este artigo em breve.


Escusado será dizer que a nossa sociedade está a atravessar uma crise sem precedentes - uma crise da qual ainda não podemos estimar as consequências políticas, econômicas, sociais e psicológicas. É tomado por uma história sobre um vírus - uma história que é, sem dúvida, baseada em fatos. Mas que fatos? Primeiro tivemos um vislumbre dos "fatos" através de uma história sobre um vírus na China que forçou as autoridades locais a tomar as medidas mais drásticas. Cidades inteiras foram colocadas em quarentena, novos hospitais foram construídos às pressas, indivíduos de terno branco desinfetaram espaços públicos, etc. Aqui e ali, ouviu-se que o governo totalitário chinês estava reagindo exageradamente e que o novo vírus não era pior do que a gripe. Além disso, o inverso também foi sugerido: que deve ser muito pior do que foi afirmado, porque nenhum governo tomaria medidas tão abrangentes. Naquele momento, tudo ainda estava longe de nossas costas e assumimos que a história não nos permitia conhecer os fatos exatos, muito menos entender seu significado.

Até o momento em que o vírus chegou à Europa. Agora começamos a registrar o número de infecções e mortes para nós mesmos. Vimos imagens de salas de emergência superlotadas na Itália, comboios de veículos do exército transportando cadáveres, necrotérios cheios de caixões. A partir de então, história e fatos pareciam se fundir e a incerteza deu lugar à certeza. Com razão? Isso está aberto à discussão. Por exemplo, como determinamos quem morre "de" COVID-19? Se alguém que está velho e com problemas de saúde "pega o coronavírus" e morre, essa pessoa morreu "de" o vírus? Como sabemos e o que determina nossa análise neste momento?

O mesmo vale para determinar a taxa de mortalidade do vírus. Isso também acaba por estar longe de ser inequívoco. Como os especialistas concordam: O número real de infecções é provavelmente pelo menos dez vezes maior do que o número de infecções diagnosticadas. Isso significa, entre outras coisas, que a estimativa do grau de mortalidade, ou o perigo do vírus, varia enormemente. Cem indivíduos infectados com quatro mortes têm uma taxa de mortalidade de 4%; 1.000 indivíduos infectados com quatro mortes têm uma taxa de mortalidade de 0,4%; 2.000 indivíduos infectados com quatro mortes têm uma taxa de mortalidade de 0,2%. Se partirmos desse número mais realista de infecções, o coronavírus de repente parece muito menos perigoso. E o mesmo vale para a "apreciação" do número de mortes. Atualmente, aproximadamente 16.000 mortes em todo o mundo são presumidas. É muito? À primeira vista, sim. Até você perceber que entre 290.000 e 640.000 pessoas morrem de gripe a cada ano, de acordo com a The Lancet. Dezesseis mil de repente soa menos impressionante.

É o que quero dizer: nesta crise, não há certeza a ser encontrada nos números, pois não são dados objetivos. Eles são construídos com base em suposições e acordos subjetivos. E, como tal, é importante considerar algo que parecemos ignorar em nosso pânico: o que determina nossa resposta ao "vírus" não são os fatos em si, mas a história construída em torno dos fatos.

Essa história está sendo construída por profissionais de saúde que genuinamente fazem o seu melhor para ajudar, por pessoas que não querem ver seus companheiros sofrerem, por políticos que querem tomar as decisões certas, por acadêmicos que querem fornecer informações da forma mais objetiva possível. Mas a história também é construída por políticos que estão sob a pressão da opinião pública e se sentem compelidos a agir decisivamente, por líderes que perderam o controle da sociedade e veem sua oportunidade de retomar as rédeas, por especialistas que têm que esconder sua ignorância, por acadêmicos que veem uma chance de se afirmar, pela propensão inerente do homem à histeria e ao drama, pelas empresas farmacêuticas que cheiram notas de dólar, pela mídia que prospera em histórias sensacionalistas, por exemplo, através de testemunhos de casos únicos para os quais o curso da doença foi excepcionalmente difícil,...

E, acima de tudo, a história é construída principalmente pelo medo e pelo sofrimento psicológico que vinham crescendo em todas as camadas da sociedade há algum tempo. Nos anos e meses que antecederam a eclosão da crise do corona, os sinais de que a sociedade estava caminhando para uma crise psicológica dificilmente poderiam ser negados. O afastamento por sofrimento psíquico e o uso de psicotrópicos seguiram uma curva exponencial; o diagnóstico de burnout atingiu proporções epidêmicas e ameaçou o funcionamento de organizações inteiras, empresas e instituições governamentais; a visão de futuro estava cada vez mais manchada de pessimismo e falta de perspectiva. Se a civilização não fosse levada pelo aumento do nível do mar, então certamente seria varrida pelos refugiados, etc. A Grande Narrativa da sociedade - a história do Iluminismo - não leva mais ao otimismo e positivismo do passado, para dizer o mínimo. De uma perspectiva psicanalítica contemporânea, esse é precisamente o ponto em que o medo está situado: o ponto em que não se encontra mais certeza em uma história sobre a própria identidade.

Aqui está a minha tese: Esta crise é principalmente uma crise psicológica - um avanço maciço de um medo já latente na sociedade. A ansiedade é inicialmente apenas muito ligeiramente causada por problemas reais ... mas justifica-se criando problemas reais. Já estamos a sentir estes problemas: a nível político, a ascensão do Estado ditatorial, a nível económico, a recessão e a falência de inúmeras empresas e trabalhadores independentes, a nível social, um comprometimento duradouro do vínculo (físico) entre as pessoas, a nível psicológico ainda mais ansiedade e depressão, e sim... fisicamente, no rescaldo do estresse psicológico e social, colapso da imunidade e saúde física.

Leia a literatura sobre morte psicogênica, placebos e sedação hipnótica para determinar o quão incrivelmente poderoso o impacto dos fatores psicológicos na doença física e na saúde pode ser. Sem ser capaz de quebrar a espiral de medo e desconforto psicológico em que nós, como sociedade, temos caído por décadas, os vírus que ainda são relativamente inofensivos hoje certamente podem causar estragos no futuro.

Temos que considerar o medo atual como um problema em si mesmo, um problema que não pode ser reduzido aos "fatos" de "um vírus", mas tem uma causa em um nível completamente diferente, no nível psicológico, no nível de (fracasso da) Grande Narrativa de nossa sociedade. A Grande Narrativa de nossa sociedade é a história da ciência mecanicista; uma história em que o homem é reduzido a um "organismo" biológico. Uma história que também ignora completamente a dimensão psicológica e simbólica do ser humano. Essa visão do homem é o cerne do problema. Qualquer tratamento de qualquer epidemia que parta dessa visão do homem só piorará as coisas. Ou, como Einstein colocou: você não pode resolver um problema com o mesmo tipo de pensamento que o criou.

Esta é a verdadeira tarefa que enfrentamos como indivíduos e como sociedade: construir uma nova história, um novo terreno para a nossa identidade, um novo terreno para a nossa sociedade, um novo terreno para viver em conjunto com os outros. Hannah Arendt já percebeu que, em 1954, a velha história estava chegando ao fim e que, portanto, estávamos confrontados com "os problemas elementares da vida humana juntos". Não é primariamente uma barreira material contra um vírus que deve ser erguido, mas sim uma barreira simbólica contra o medo. Ter isso em mente pode ajudar a agir no nível certo nesta crise.


265 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page