top of page

O que leva as crianças a escolher a compaixão?




As crianças constantemente ajudam os outros toda vez que precisam de ajuda, se não houver custo pessoal para ajudar, relata um novo estudo.

Fonte: Universidade de Queensland

Pesquisadores da Universidade de Queensland descobriram que as crianças ajudarão as pessoas em perigo, a menos que haja um custo pessoal.

O Dr. James Kirby, da Escola de Psicologia da UQ, e sua equipe trabalharam com 285 crianças de 4 e 5 anos para investigar o que as leva a serem compassivas.

"Testamos se a resposta de compaixão deles mudava dependendo de com quem eles estavam interagindo", disse Kirby.

"Os adultos são uma figura de autoridade e as crianças às vezes fazem o que é necessário apenas porque um adulto está pedindo, e é por isso que também usamos fantoches que estão mais no nível de uma criança.

"Nossa pesquisa descobriu que as crianças ajudarão todas as vezes se não houver custo pessoal para ajudar e isso não mudou se fosse um adulto ou fantoche."

Para entender se a resposta de compaixão mudava se houvesse um custo envolvido, adesivos eram dados às crianças quando elas completavam as tarefas.

"Vimos então que, se eles tivessem que desistir de seus adesivos de recompensa, era terrivelmente difícil para as crianças ajudarem, mesmo que o adulto ou fantoche mostrasse angústia", disse Kirby.

"Isso não significa que as crianças eram deliberadamente egoístas porque os adultos também realmente lutam para desistir de recompensas e recursos. Só porque eles valorizavam a recompensa, isso não significava que eles não eram compassivos, já que muitos deles ofereciam compaixão passiva, como condolências como "tudo bem" ou "talvez da próxima vez".

"Mais importante ainda, este estudo destacou que, se não houvesse custos pessoais ou as crianças não tivessem que desistir de recompensas, elas eram profundamente compassivas e prestativas.

"Entender o que leva as crianças a serem compassivas é importante para a criação de ambientes familiares e de aprendizagem positivos."

O estudo foi publicado na Royal Society Open Science.

Ele se baseia em pesquisas anteriores lideradas pelo candidato a Ph.D. Mitchell Green e pelo professor Mark Nielsen, da Escola de Psicologia da UQ, sobre quais fatores influenciam a probabilidade de que as crianças sejam compassivas.

Author: Press Office

Source: University of Queensland

Contact: Press Office – University of Queensland

Original Research: Open access.

“Testing the bounds of compassion in young children” by James N. Kirby et al. Royal Society Open Science

57 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page