O risco de TDAH pode ser menor se as crianças crescerem em ambientes verdes



O TDAH é um dos diagnósticos psiquiátricos mais comuns entre as crianças e afeta aqueles com o transtorno de diferentes formas.


As crianças que cresceram em áreas residenciais cercadas por espaço verde tiveram menos chances de serem diagnosticadas com TDAH do que aquelas que foram criadas em áreas sem acesso à natureza.

A quantidade de espaço verde ao redor das casas das crianças pode ser importante para o risco de desenvolver TDAH. Isso é mostrado por novos resultados de pesquisa do iPSYCH.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Aarhus estudou como o espaço verde ao redor da residência afeta o risco de crianças e adolescentes serem diagnosticados com TDAH. E os pesquisadores encontram uma associação.

"Nossos achados mostram que as crianças que foram expostas a ambientes menos verdes em sua área residencial na primeira infância, que definimos como duradouras até os cinco anos de idade, têm um risco aumentado de receber um diagnóstico de TDAH quando comparadas às crianças que foram cercadas pelo mais alto nível de espaço verde", diz Malene Thygesen, uma das pesquisadoras por trás do estudo.

O TDAH é um dos diagnósticos psiquiátricos mais comuns entre as crianças e afeta aqueles com o transtorno de diferentes formas. A razão pela qual algumas crianças desenvolvem TDAH ainda não é totalmente conhecida. O TDAH pode ser hereditário, mas outros fatores também podem desempenhar um papel. Por essa razão, há fortes argumentos para pesquisas sobre as causas das crianças que desenvolvem o diagnóstico. Uma condição que tem sido de interesse para a pesquisa é o acesso das crianças ao espaço verde, já que estudos anteriores encontraram associação com o bem-estar mental das crianças e o desenvolvimento cognitivo.

Um estudo completo

Um único estudo não fornece base suficiente para concluir que existe uma associação entre o acesso a ambientes verdes e o risco das crianças desenvolverem TDAH, pois isso requer estudos posteriores. Mas os resultados de Malene Thygesen e da pesquisa da equipe são os mesmos de projetos de pesquisa semelhantes anteriores, e os métodos de pesquisa do estudo levaram em conta muitos dos outros fatores que também podem entrar em jogo no desenvolvimento do TDAH.

"No estudo, ajustamos o sexo, a idade, o ano de nascimento da criança e o diagnóstico psiquiátrico e a situação socioeconômica dos pais e o nível socioeconômico do bairro. Nosso estudo é forte porque inclui muitos indivíduos e porque a informação é muito detalhada. Por exemplo, usamos dados baseados em diagnósticos clínicos de TDAH feitos por especialistas", diz Malene Thygesen.

Perspectivas para novas pesquisas

O artigo de pesquisa escrito com base neste estudo pode ser encontrado na revista Environmental Health Perspectives e pode inspirar os pesquisadores a continuar estudando a associação entre o acesso a espaços verdes e o risco de crianças serem diagnosticadas com TDAH ou outros diagnósticos.

"É interessante pensar que viver em ambientes verdes pode ser um fator protetor para as crianças em relação ao risco de desenvolver TDAH." Metodologia

O estudo faz uso de dados sobre os endereços de mais de 800.000 pessoas nascidas entre 1992 e até 2007, bem como informações sobre diagnósticos clínicos de TDAH desde os cinco anos até 2016. Além disso, os pesquisadores utilizam uma medição específica de quão verde é o ambiente ao redor de um domicílio, o chamado índice de vegetação diferencial normalizado. Esta medição coloca o endereço no meio de uma área quadrática com 210 metros de cada lado, e com base nisso calcula o quão verde é a área circundante.

“The Association between Residential Green Space in Childhood and Development of Attention Deficit Hyperactivity Disorder: A Population-Based Cohort Study” by Malene Thygesen et al. Environmental Health Perspectives

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo