Obesidade pode exacerbar os efeitos da doença de Alzheimer



O cérebro com todos os tratos de matéria branca visíveis. Os tratos de matéria branca são suscetíveis a danos em pessoas com riscos cardiovasculares descontrolados, como a obesidade.


Estudo de neuroimagem revela que a obesidade pode contribuir para a vulnerabilidade do tecido neural na doença de Alzheimer. Pesquisadores dizem que manter um peso saudável pode ajudar a preservar a estrutura cerebral para aqueles nos estágios iniciais do Alzheimer.

Uma nova pesquisa da Universidade de Sheffield descobriu que o excesso de peso é uma carga adicional para a saúde cerebral e pode exacerbar a doença de Alzheimer.

O pioneiro estudo de neuroimagem multimodal revelou que a obesidade pode contribuir para a vulnerabilidade do tecido neural, ao mesmo tempo em que manter um peso saudável na demência leve da doença de Alzheimer pode ajudar a preservar a estrutura cerebral.

Os achados, publicados no The Journal of Alzheimer's Disease Reports, também destacam o impacto que o excesso de peso na meia-idade pode ter na saúde cerebral na idade mais avançada.

A principal autora do estudo, a professora Annalena Venneri, do Instituto de Neurociências da Universidade de Sheffield e do NiHR Sheffield Biomedical Research Centre, disse: "Acredita-se que mais de 50 milhões de pessoas vivem com a doença de Alzheimer e, apesar de décadas de estudos inovadores e um enorme esforço de pesquisa global, ainda não temos uma cura para esta doença cruel.

"A prevenção tem um papel tão importante no combate à doença. É importante ressaltar que este estudo não mostra que a obesidade causa Alzheimer, mas o que ele mostra é que o excesso de peso é uma carga adicional na saúde cerebral e pode agravar a doença."

Ela acrescentou: "As doenças que causam demência, como Alzheimer e demência vascular, pairam em segundo plano por muitos anos, então esperar até os 60 anos perder peso é tarde demais. Precisamos começar a pensar na saúde cerebral e na prevenção dessas doenças muito antes. Educar crianças e adolescentes sobre a carga de sobrepeso tem sobre multimorbidades, incluindo doenças neurodegenerativas, é vital."

Pesquisadores da Universidade de Sheffield e da Universidade da Finlândia Oriental examinaram exames cerebrais de ressonância magnética de 47 pacientes clinicamente diagnosticados com demência leve da doença de Alzheimer, 68 pacientes com prejuízo cognitivo leve e 57 indivíduos cognitivamente saudáveis.

O novo estudo utilizou três técnicas complementares e computacionais para analisar a anatomia do cérebro, o fluxo sanguíneo e também as fibras do cérebro.

A equipe internacional comparou múltiplas imagens cerebrais e mediu diferenças nas concentrações locais de tecidos cerebrais para avaliar o volume de matéria cinzenta – que degenera durante o início do Alzheimer – integridade da matéria branca, fluxo sanguíneo cerebral e obesidade.

Em pacientes com demência leve, foi encontrada associação positiva entre obesidade e volume de matéria cinzenta ao redor da junção temporoparietal certa. Isso sugere que a obesidade pode contribuir para a vulnerabilidade neural em indivíduos cognitivamente saudáveis e aqueles com prejuízo cognitivo leve.

O estudo também descobriu que manter um peso saudável na demência leve da doença de Alzheimer poderia ajudar a preservar a estrutura cerebral na presença de idade e perda de peso relacionada à doença.

O autor conjunto do estudo, Dr. Matteo De Marco, do Instituto de Neurociências da Universidade de Sheffield, disse: "A perda de peso é comumente um dos primeiros sintomas nos estágios iniciais da doença de Alzheimer, à medida que as pessoas esquecem de comer ou começam a comer alimentos fáceis de pegar, como biscoitos ou batatas fritas, no lugar de refeições mais nutricionais.

"Descobrimos que manter um peso saudável pode ajudar a preservar a estrutura cerebral em pessoas que já estão experimentando demência leve da doença de Alzheimer. Ao contrário de outras doenças, como doenças cardiovasculares ou diabetes, as pessoas não costumam pensar na importância da nutrição em relação às condições neurológicas, mas esses achados mostram que pode ajudar a preservar a estrutura cerebral."

O estudo foi realizado em colaboração com a Universidade da Finlândia Oriental. A professora Hilkka Soininen, autora conjunta do artigo, disse: "Os resultados enfatizam diferentes perspectivas sobre estilo de vida e nutrição na prevenção e tratamento da doença de Alzheimer. É importante evitar a obesidade para a saúde cerebral, mas para pacientes com Alzheimer, é essencial cuidar da nutrição adequada e manter um peso saudável."

“Obesity and Brain Vulnerability in Normal and Abnormal Aging: A Multimodal MRI Study” by Annalena Venneri et al. Journal of Alzheimer’s Disease Reports



3 visualizações0 comentário