Olhos das Pessoas revelam que clichês são subestimados




Resumo: O rastreamento de olhos revela que o cérebro presta mais atenção às metáforas convencionais do que a alternativas semelhantes.

Fonte: Princeton

Como pessoas ocupadas, fazemos malabarismos com muitas tarefas, mantemos muitas bolas no ar e tentamos evitar deixar nada cair. Em sala de aula, os instrutores lançam ideias; às vezes eles passam por cima de nossas cabeças, mas outras vezes nós agarrá-los rapidamente.

As frases acima contêm metáforas familiares, às vezes chamadas de clichês: palavras comuns ou frases emprestadas de ações físicas para transmitir conceitos abstratos. Poetas e escritores podem criar metáforas novas e convincentes, mas todos nós usamos centenas dessas metáforas cotidianas em conversas regulares.

Uma equipe de cientistas de Princeton encontrou uma maneira de medir o impacto dessa linguagem metafórica. Ao rastrear a dilatação da pupila em fração de segundo como resposta a uma experiência impactante, eles descobriram que nossos cérebros consistentemente prestam mais atenção às metáforas convencionais do que alternativas similares. Por exemplo, "agarrar uma nova ideia" desencadeia uma resposta maior do que o equivalente literal "aprendendo uma nova ideia" ou a frase concreta "agarrar uma maçaneta".

"A pesquisa linguística está na intersecção entre ciência e humanidades", disse Adele Goldberg, professora de psicologia em Princeton, que também é membro associada do corpo docente no Programa de Linguística.

"Os termos concretos usados nas metáforas nos oferecem uma maneira de fundamentar nossos pensamentos abstratos no mundo físico. O trabalho atual nos encoraja a nos inclinarmos em metáforas para nos envolvermos mais de perto." Ela é autora sênior de um artigo que aparece na edição de dezembro do Journal of Memory and Language.

Sua pesquisa oferece uma possível explicação sobre por que expressões metafóricas são tão comuns em todas as línguas conhecidas: expressões metafóricas são mais envolventes e transmitem significado mais rico do que frases literais que expressam o mesmo conteúdo básico, ou descrições concretas que usam palavras similarmente inflamáveis.

Goldberg e seus colegas planejam investigar se metáforas cotidianas evocam o mesmo efeito em crianças e pessoas neurodivergent (pessoas cujos cérebros processam de forma diferente do que é considerado típico, incluindo aqueles no espectro do autismo), com o objetivo de entender melhor o papel da linguagem metafórica na comunicação em geral. Os pesquisadores também consideraram as implicações para professores e pais e como a linguagem metafórica pode ajudá-los a se comunicar de forma mais eficaz com alunos e crianças.

"Estamos interessados em por que as pessoas no espectro do autismo muitas vezes lutam com a linguagem", disse Goldberg. "É a única população que muitas vezes aprende a língua tarde e às vezes não. Quando as pessoas com autismo aprendem a língua, elas podem ter dificuldade em entender sarcasmo e linguagem metafórica. Gostaríamos de testar um grupo de pessoas altamente verbais com autismo para ver se elas mostram o mesmo efeito que as pessoas neurotípicas no presente estudo."

O processo de pesquisa centrado no fato de que o aluno - o ponto preto no centro do olho - se dilata em resposta a experiências emocionalmente carregadas ou intelectualmente envolventes.

"Muitas pessoas não percebem que a expansão do aluno é uma indicação - uma indicação mensurável - de que você está mais engajado", disse Goldberg. Seu trabalho anterior usou exames cerebrais para mostrar que a amígdala, considerada o centro emocional em nossos cérebros, responde mais a metáforas do que à linguagem literal. Desta vez, os pesquisadores queriam controles de tempo mais rígidos. Leva alguns segundos para o sangue fluir para uma nova seção do cérebro e acender uma ressonância magnética, mas as pupilas respondem em uma fração de segundo.

O projeto foi iniciado por Serena Mon, membro da Classe de 2020, durante seu primeiro ano. Sua pesquisa continuou em sua tese sênior. "Achei fascinante que pudéssemos ver as respostas em tempo real, palavra por palavra, em como o tamanho do aluno estava mudando", disse Mon. "Vimos várias vezes que quando nossos súditos chegaram à parte metafórica da frase, essa fração de segundo foi quando as pupilas dilataram." Além disso, as pupilas permaneceram dilatadas por alguns segundos, sugerindo um nível significativo de aumento do engajamento.

Mon queria separar a possibilidade de que os humanos preferem visuais concretos como bolas e mãos agarradas a palavras concepcionais. "No trabalho anterior de Adele, eles tinham olhado para metáfora versus literal", disse Mon, cujo trabalho lhe rendeu o Prêmio George A. Miller em Ciência Cognitiva, dado anualmente à melhor tese interdisciplinar sênior em ciência cognitiva. "Estávamos pensando que com uma terceira categoria - o concreto - isso realmente nos ajudaria a identificar: O que torna as metáforas mais envolventes do que esses outros dois tipos de frases de controle?"

Assim, em vez de simplesmente comparar uma metáfora comum como "agarrar uma ideia" a uma paráfrase literal como "entender uma ideia", como havia sido feito no estudo da ressonância magnética, Mon adicionou uma terceira categoria: uma descrição concreta que usava as mesmas palavras-chave, mas de uma forma puramente literal, como "agarrar um trilho".

A equipe criou um banco de dados de 180 frases — 60 metáforas, 60 traduções literais das metáforas e 60 frases concretas — todas elas foram submetidas a um exaustivo processo de "normatização" para garantir que os ouvintes os julgassem iguais em termos de familiaridade, complexidade, intensidade, plausibilidade e positividade. Desde então, a Mon disponibilizou o banco de dados publicamente para outros pesquisadores.

Além de medir os alunos dos participantes enquanto ouviam as frases, os pesquisadores também fizeram perguntas a diferentes grupos de participantes sobre eles, como parte do processo de normas. Eles descobriram que quando as frases metafóricas e literais eram comparadas diretamente, os participantes julgavam as sentenças metafóricas como significativamente mais emocionais e transmitiam significados mais ricos, mas não eram considerados mais informativos. Quando combinaram isso com os dados da pupila, os pesquisadores concluíram que metáforas convencionais são mensuravelmente mais envolventes do que parafrases literais ou frases concretas de uma forma que não é uma função de dificuldade ou quantidade de informação.

"Algumas pessoas sentem que esses tipos de expressões metafóricas muito convencionais são clichês a serem evitados, mas na medida em que são mais envolventes, não há razão para fugir deles", disse Goldberg, que também é presidente associado do Departamento de Psicologia de Princeton. "Talvez isso seja uma moral para os professores ou para os pais. Se quisermos envolver nossos alunos ou nossos filhos, isso pode ajudar, então não os evite."

Este trabalho confirma e estende descobertas anteriores do grupo de Goldberg em colaboração com a então pesquisadora de pós-doutorado Francesca Citron, agora professora da Universidade de Lancaster, que havia encontrado maior atividade de amígdala em resposta a metáforas em comparação com parafrases literais em uma série de estudos de ressonância magnética. Os pesquisadores esperavam originalmente que o estudo da pupillometria provocasse o engajamento emocional e cognitivo, mas isso se mostrou difícil.

"Pensamos na amígdala - parte do cérebro de lagarto - como a sede de emoções como o medo, mas há pesquisas mostrando que a amígdala é mais ativa quando estamos cognitivamente engajados também", disse Goldberg. "Os alunos também dilatam em resposta ao engajamento emocional ou ao engajamento cognitivo. Na verdade, estamos muito pressionados a chegar a uma medida dependente que não reaja a ambos."

Ela acrescentou: "Pode não surpreender quem fez uma grande escolha de vida, fez um exame ou se apaixonou, que o engajamento cognitivo e emocional estão intimamente relacionados. Quando você está emocionalmente engajado, você também está focado, e quando você está cognitivamente engajado, há uma resposta emocional também. Estou começando a pensar que eles estão tão bem conectados que pode não haver uma maneira inequívoca de provocá-los."

Os outros pesquisadores da equipe são a estudante de pós-graduação Mira Nencheva; ex-pesquisadora de pós-doutorado Francesca Citron, agora professora de psicologia na Universidade de Lancaster, na Inglaterra; e Casey Lew-Williams, professor de psicologia.


Conventional metaphors elicit greater real-time engagement than literal paraphrases or concrete sentences” by Serena Mon, Mira Nencheva, Francesca Citron, Casey Lew-Williams and Adele Goldberg. Journal of Memory and Language



245 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo