Os 'likes' das mídias sociais mudam a forma como nos sentimos sobre nossas memórias



Compartilhar nossas experiências pessoais nas mídias sociais pode impactar negativamente como nos sentimos sobre nossas memórias, especialmente se o post não receber muitas curtidas, relata um novo estudo.

Memórias são muitas vezes consideradas muito pessoais e privadas. No entanto, nos últimos anos, as pessoas se acostumaram com notificações de redes sociais ou galerias telefônicas dizendo que têm uma "memória".

Essas versões reembaladas do passado afetam não apenas o que lembramos, mas também os anexos que temos com essas memórias. Em um novo estudo,descobrimos que as mídias sociais têm o potencial de mudar o que as pessoas sentem sobre suas memórias.

Métricas de mídia social como os "likes" do Facebook podem impactar negativamente como as pessoas se sentem sobre certas memórias, especialmente se essas memórias são compartilhadas sem receber muitas curtidas. Além disso, a antecipação de julgamentos nas redes sociais sobre o passado também pode impactar nas memórias que as pessoas compartilham e como.

Com o objetivo de entender a presença cotidiana dessas memórias automatizadas, baseamos em entrevistas detalhadas e grupos focais com cerca de 60 usuários de redes sociais. Em particular, vimos como as pessoas usam recursos como Timehop, memórias do Facebook e memórias da Apple.


Perguntamos aos participantes sobre suas experiências de serem lembrados de memórias por essas diferentes características. Enquanto alguns achavam que os recursos eram assustadores e invasivos, outros os acharam um lembrete útil de experiências anteriores que haviam esquecido.

Também perguntamos se o número de curtidas recebidas por uma memória compartilhada teve algum impacto sobre eles. Em alguns casos, os participantes sentiam diferente sobre suas memórias, dependendo do número de curtidas.

validação

Para alguns, as memórias passaram a ser validadas, em parte, através de curtidas nas redes sociais, que são consideradas um julgamento sobre o valor de uma memória. Por exemplo, um participante observou que, embora uma memória seja especial para o indivíduo, "você está constantemente dependendo dos outros e do que eles pensam de suas memórias".

Por outro lado, não receber curtidas suficientes às vezes poderia corroer o valor pessoal ligado às memórias. Outro participante disse que se ele compartilhasse uma memória e tivesse apenas três curtidas, esse baixo número de curtidas se tornaria parte da memória.

Os participantes estavam cientes do que está acontecendo, mas disseram que era difícil romper com o que foi descrito como a "economia semelhante". Embora os participantes reconheçam que suas memórias eram pessoais e não deveriam ser afetadas pelas redes sociais, alguns ainda descobriram que estavam pensando diferente sobre um evento por causa de sua reação nas redes sociais. Como um participante observou: "Você se encontra, quase apesar de si mesmo, se preocupando com o número de curtidas."


Claro, nem todas as memórias foram impactadas por métricas de mídia social. Alguns eram considerados pequenos demais para serem de interesse mais amplo. Como um participante disse: Se é apenas uma foto sua e do seu amigo fazendo alguma coisa e não recebe likes, você é como 'tanto faz'. No entanto, para outros tipos de memórias compartilhadas, o número de curtidas ainda parecia ser um julgamento inevitável.

Protegendo memórias

A antecipação do julgamento através de curtidas nas redes sociais começou a moldar como as pessoas compartilham suas memórias com os outros. Em nosso estudo, as pessoas explicaram como passaram a proteger ativamente certas memórias do escrutínio das mídias sociais.

Por exemplo, uma participante disse que ela evitaria compartilhar "memórias queridas" particulares, caso o número de curtidas recebidas alterasse sua relação com essa memória. Descobrimos que as pessoas seriam seletivas sobre o tipo de memória que iriam compartilhar – optando por compartilhar algumas privadas em vez de abertamente em suas redes.

Mesmo algo tão privado como uma memória tornou-se uma parte rotineira do uso de mídias sociais, e as plataformas estão começando a alterar a maneira como experimentamos nosso passado. No futuro, essa parte rotineira de nossas vidas poderia continuar a moldar como nos lembramos individual e coletivamente.

David Beer and Benjamin Jacobsen – The Conversation


19 visualizações0 comentário