Pílula antiviral COVID-19 da Roche, Atea falha em ajudar pacientes com sintomas leves ou moderados




Por Zachary Stieber

19 de outubro de 2021

Uma pílula desenvolvida por dois fabricantes de medicamentos não ajudou pacientes COVID-19 com sintomas leves ou moderados, anunciou uma das empresas na terça-feira.

Atea Pharmaceuticals e Roche testaram seu tratamento experimental em um ensaio fase 2 em ambientes ambulatoriais, ou pacientes não hospitalizados.

O estudo não conseguiu atender ao ponto final primário, que foi uma redução na quantidade de vírus SARS-CoV-2 em pacientes com COVID-19 leve ou moderado quando comparado ao placebo.

SARS-CoV-2 é outro nome para o vírus CCP (Partido Comunista Chinês),que causa COVID-19.

A pílula, conhecida como AT-527, reduziu a carga viral em pacientes de alto risco com condições de saúde subjacentes, disse Atea. AT-527 é um antiviral de ação direta oral que foi projetado para impedir que o vírus CCP se reprodute interferindo com a polimerase rna viral.

As empresas estão agora procurando modificar um teste de fase 3 para a pílula, incluindo a mudança de seu ponto final primário e população de pacientes. Como resultado, os dados desse estudo não são esperados até o segundo semestre de 2022.

"Continuamos comprometidos com nosso objetivo de desenvolver e entregar o AT-527 como um antiviral oral que atenderá às necessidades de tratamento à medida que o COVID-19 continua a evoluir", disse Jean-Pierre Sommadossi, CEO e fundador da Atea, em comunicado.

A nova linha do tempo coloca as empresas bem atrás da Merck e da Pfizer, que criaram pílulas para uso contra o COVID-19.

A Merck anunciou no início deste mês que sua pílula mostrou resultados positivos contra pacientes não hospitalizados e em 11 de outubro pediu autorização de uso emergencial da Food and Drug Administration (FDA).

O painel consultivo de drogas da agência está marcado para se reunir para discutir a aplicação em 30 de novembro.

"Acreditamos que, neste caso, uma discussão pública desses dados com o comitê consultivo da agência ajudará a garantir uma compreensão clara dos dados científicos e informações que a FDA está avaliando para tomar uma decisão sobre a autorização ou não para uso emergencial", dra Patrizia Cavazzoni, diretora do Centro de Avaliação e Pesquisa de Drogas da FDA, disse em um comunicado.

Isso significa que a autorização virá em dezembro, o mais cedo possível para a droga,que alguns especialistas dizem que pode levar ao desenvolvimento do câncer porque a pílula funciona causando mutações genéticas no próprio vírus.

A Pfizer, por sua vez, no início deste ano lançou vários ensaios da Fase 2/3 analisando a eficácia iniciada de seu antiviral em 1º de setembro, incluindo um que explora se ajuda em adultos que apresentam sintomas do COVID-19, mas não estão em risco aumentado de progredir para doenças graves.

A pílula da Pfizer é um inibidor de protease. Destina-se a bloquear a atividade da enzima protease principal que o vírus CCP precisa replicar. A pílula está sendo administrada juntamente com uma baixa dose de ritonavir, um inibidor antirretroviral protease.



271 visualizações0 comentário