Pesquisa indica disparidade de gênero em posições de realização acadêmica e liderança



Para aqueles que ganharam um GPA de 4,0 no ensino médio, os pais administram mais de quatro vezes o número de supervisores como mães (19 para homens versus quatro para mulheres)


Estudo lança nova visão sobre disparidades de gênero em papéis de liderança. Os pesquisadores descobriram que os homens eram mais propensos a supervisionar mais indivíduos no local de trabalho, independentemente do GPA ou das conquistas educacionais das mulheres.

Novas pesquisas sobre desigualdade de gênero indicam que menos perspectivas de liderança no local de trabalho se aplicam até mesmo às mulheres que mostram a maior promessa no início de suas carreiras acadêmicas.

Jill Yavorsky, professora assistente de sociologia da UNC Charlotte, co-liderou o estudo, "The Under-Utilization of Women's Talent: Academic Achievement and Future Leadership Positions", com Yue Qian, professora assistente de sociologia na Universidade da Colúmbia Britânica.

Em seu artigo, publicado em uma importante revista de ciências sociais, Social Forces, os cientistas sociais descobriram que os homens supervisionam mais indivíduos no local de trabalho do que as mulheres, independentemente de suas médias de notas (GPAs) no ensino médio. Essa lacuna de liderança observada durante o início da carreira dos indivíduos foi particularmente acentuada para aqueles que se tornaram pais.

Para aqueles que obtiveram um GPA de 4,0 no ensino médio, os pais administram mais de quatro vezes o número de supervisores como mães (19 para homens versus quatro para mulheres).

Além disso, ter um GPA mais alto está fortemente associado à gestão de mais pessoas mais tarde em suas carreiras, mas isso é em grande parte verdade apenas para os pais. À medida que o GPA do ensino médio aumenta de 0,0 para 4,0, o número médio de supervisores aumenta de 4 para 19 para os pais, mas mal muda para as mães (aumentando de 3 para 4).


Talvez ainda mais impressionante seja que pais com desempenho acadêmico muito baixo (1,0 GPAs), em média, têm perspectivas de liderança semelhantes às mulheres que concluíram o ensino médio com 4,0 GPAs.

"Nossa pesquisa ilustra claramente as barreiras que existem para as mulheres, especialmente as mães, no local de trabalho", disse Yavorsky. "Ao mesmo tempo, dado que mesmo homens com notas baixas passam a atingir papéis de liderança mais elevados do que as mulheres, este estudo destaca talvez a falta de barreiras que os homens enfrentam para garantir maiores oportunidades de liderança."

Os pesquisadores também examinaram por que essa grande disparidade surgiu entre mães e pais. Eles descobriram que parte da lacuna de liderança por GPA deve-se ao fato de que pais de alto desempenho se beneficiam significativamente de ter uma faculdade ou diploma avançado, enquanto mães comparáveis não. De fato, as oportunidades de liderança de mães que têm diploma universitário ou superior são semelhantes às de mães que não têm diploma universitário.

Os autores explicam em seu artigo que os homens podem se beneficiar mais de ter um diploma universitário do que as mulheres porque os homens se escolhem ou são direcionados para majors que podem oferecer mais oportunidades de liderança, como aqueles em finanças ou STEM.

Yavorsky também observa: "Com base em outras pesquisas, sabemos que mesmo quando homens e mulheres estão no mesmo campo, incluindo empregos dominados por mulheres, os homens ainda tendem a ter perspectivas de liderança maiores do que as mulheres. Isso sugere que a disparidade não se deve apenas a homens e mulheres selecionarem diferentes caminhos de carreira. Em vez disso, os homens se beneficiam em termos de suas oportunidades de liderança, independentemente do caminho que escolherem."

Além disso, o estudo constatou que, entre os melhores atingidos, os homens tinham maiores perspectivas de liderança do que as mulheres, pois tendiam a trabalhar mais horas em seus empregos e tinham acumulado mais experiência de trabalho do que as mulheres, particularmente depois que se tornaram pais.

Yavorsky explicou que as mães são mais propensas a ter uma parcela desproporcional dos deveres domésticos do que os homens, tirar licença parental e interromper suas carreiras para cuidar de crianças ou outros em sua família. Como resultado, os homens são frequentemente capazes de dedicar mais tempo aos seus empregadores e alcançar experiências críticas de trabalho que podem melhorar suas chances de promoções gerenciais.

É importante ressaltar que, mesmo após essas explicações, as disparidades de liderança permanecem entre mães e pais de alto desempenho, sugerindo que o preconceito e a discriminação também estão em jogo.

Este estudo concentrou-se em uma amostra de cerca de 5.000 pessoas nascidas entre 1957 e 1964. Os pesquisadores tiveram acesso aos dados de transcrição do ensino médio desses indivíduos e suas respostas à quantidade de pessoas que conseguiram ao longo de uma década, de 1988 a 1998. De acordo com Yavorsky, a pesquisa utilizada é a pesquisa mais atual que inclui dados de transcrição do GPA, rastreia adolescentes através de suas carreiras no início e no meio da carreira e captura o número de pessoas que gerenciam em seus trabalhos.

"É provável que esses padrões gerais se mantenham para coortes mais jovens, já que pesquisas recentes indicam que o progresso em muitas medidas fundamentais para a igualdade de gênero no local de trabalho estagnou ou desacelerou desde meados da década de 1990", explicou Yavorsky.

"Além disso, pesquisas contemporâneas no campo indicam que a pandemia COVID-19 está afetando mais negativamente o emprego e a produtividade das mulheres do que a dos homens, em grande parte porque as mães estão absorvendo mais das responsabilidades associadas ao fechamento escolar e assistencial. Esse padrão pode agravar ainda mais as disparidades de gênero na experiência de trabalho e, portanto, as oportunidades futuras de avanço no local de trabalho."

Yavorsky observou duas mudanças importantes na política governamental que poderiam resultar em maior utilização do talento das mulheres: 1.) assistência infantil subsidiada para torná-lo mais acessível e confiável para todas as famílias, e; 2.) licença remunerada de maternidade e paternidade que incentiva os pais a contribuir de forma mais equitativa às responsabilidades domésticas desde o início da paternidade. Ela também afirmou que as organizações precisam rever e padronizar melhor as práticas de promoção para eliminar o preconceito e a discriminação, e devem criar mais caminhos para a gestão de empregos dominados por mulheres.


Pesquisador nacionalmente reconhecido sobre desigualdade no local de trabalho e divisões domésticas de trabalho, Yavorsky é doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Ohio. Seu trabalho foi publicado em vários jornais acadêmicos de alto nível, resultando em sua entrevista por vários meios de comunicação, incluindo The New York Times, TIME, Forbes, The Washington Post, Newsweek, Slate e Chicago Tribune.


“The Under-Utilization of Women’s Talent: Academic Achievement and Future Leadership Positions” by Yue Qian, Jill E Yavorsky. Social Forces

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo