Pesquisa indica disparidade de gênero em posições de realização acadêmica e liderança



Para aqueles que ganharam um GPA de 4,0 no ensino médio, os pais administram mais de quatro vezes o número de supervisores como mães (19 para homens versus quatro para mulheres)


Estudo lança nova visão sobre disparidades de gênero em papéis de liderança. Os pesquisadores descobriram que os homens eram mais propensos a supervisionar mais indivíduos no local de trabalho, independentemente do GPA ou das conquistas educacionais das mulheres.

Novas pesquisas sobre desigualdade de gênero indicam que menos perspectivas de liderança no local de trabalho se aplicam até mesmo às mulheres que mostram a maior promessa no início de suas carreiras acadêmicas.

Jill Yavorsky, professora assistente de sociologia da UNC Charlotte, co-liderou o estudo, "The Under-Utilization of Women's Talent: Academic Achievement and Future Leadership Positions", com Yue Qian, professora assistente de sociologia na Universidade da Colúmbia Britânica.

Em seu artigo, publicado em uma importante revista de ciências sociais, Social Forces, os cientistas sociais descobriram que os homens supervisionam mais indivíduos no local de trabalho do que as mulheres, independentemente de suas médias de notas (GPAs) no ensino médio. Essa lacuna de liderança observada durante o início da carreira dos indivíduos foi particularmente acentuada para aqueles que se tornaram pais.