top of page

Pesquisadores não encontram evidências (de novo!) Da eficácia da máscara...




Pesquisadores não encontram evidências (de novo!) Da eficácia da máscara, mas especialistas autointitulados continuam a promoção

Os autores da Cochrane Review dizem que os governos "não têm a ciência para apoiar o que afirmam".


Paulo D. Thacker - Um dos maiores jornalistas investigativos da atualidade

21 h atrás


Nos primeiros dias da pandemia, Anthony Fauci enviou um e-mail a um especialista sênior em saúde com sua avaliação honesta sobre a eficácia das máscaras: "As máscaras são realmente para pessoas infectadas para evitar que elas espalhem a infecção para pessoas que não estão infectadas, em vez de proteger as pessoas não infectadas de adquirir infecção".




Em poucos meses, no entanto, Fauci estava de volta à mensagem: as máscaras bloqueiam a infecção, e apenas os direitistas acreditam no contrário.

A controvérsia das máscaras continua até hoje, já que elas se tornaram um totem de pensamento inteligente entre os liberais urbanos esquerdistas, procurando um distintivo de guerra da Equipe Azul nas batalhas culturais em curso na América. No entanto, a ciência não mudou desde a primeira avaliação de Fauci de que as máscaras fazem pouco para impedir a transmissão do vírus – inclusive na última Revisão Cochrane, que examinou intervenções não farmacêuticas para retardar e impedir a propagação do vírus.

Examinando as evidências, a Cochrane não encontrou evidências de que as máscaras impeçam a propagação da COVID, mas essas descobertas serão ignoradas pela maioria dos meios de comunicação que se apaixonaram por especialistas autodenominados em COVID, cuja experiência real está ampliando as políticas do governo. Mesmo os respiradores N95 muito ballyhooed foram encontrados para não ter nenhuma evidência de apoio ao seu uso




Por quase um quarto de século, as Revisões Cochrane representaram o epítome da revisão sistemática e independente para determinar a eficácia e a segurança dos tratamentos médicos. Então, por que os especialistas em saúde ignorariam a medicina baseada em evidências como essa? Para entender melhor sua motivação, conversei com Tom Jefferson, Tutor Associado Sênior da Universidade de Oxford e ex-pesquisador do Nordic Cochrane Centre.

Jefferson passou mais de três décadas estudando a gripe e me diz que, com os vírus respiratórios, o inesperado sempre acontece. "Mas você está testemunhando esses especialistas organizados agora que são agressivos e censórios", disse ele. "Eles se envolvem em ataques pessoais, têm toda essa certeza e pensam que podem ver o futuro. Eles não são cientistas porque a incerteza é o motor da ciência."




Falando comigo de seu escritório em Roma, Jefferson observou que mais pesquisas são necessárias nessa área, mas não se pode confiar nos governos para financiar esses estudos porque já escolheram lados na ciência.

Esta entrevista foi condensada e editada para maior clareza.


THACKER: O que exatamente é Cochrane e por que alguém deveria se importar com o que Cochrane encontra?

JEFFERSON: A Cochrane foi fundada em 1993 com a ideia de que devemos olhar para o que temos em termos de evidências. Por que fazer mais um estudo, mais um ensaio? Devemos entender os benefícios e riscos de cada intervenção de saúde.

No início, havia cerca de 15 ensaios com aspirina e ataques cardíacos, mas ninguém os havia reunido para ver os benefícios.

As Revisões Cochrane são revisões sistemáticas que são precedidas por um protocolo e são transparentes. Costumava haver uma regra que você deve atualizar a cada dois anos, especialmente em certas áreas, que se movem muito, muito rápido. Você não pode se desviar do protocolo, a menos que tenha uma razão muito boa que esteja registrada no histórico da revisão. Poucos ou nenhum dos estudos observacionais que vi sobre o mesmo tópico tinham protocolos.

THACKER: Quais são algumas das revisões Cochrane mais famosas ou impactantes – aquelas que mudaram o atendimento médico.

JEFFERSON: Eu posso te dizer os que eu fiz porque estou mais familiarizado com o meu próprio trabalho. Possivelmente, a revisão mais famosa é a dos inibidores da neuraminidase – essa é a classe de antivirais, que foram licenciados contra a gripe. Durante a atualização da Cochrane Review em 2009, descobrimos que todos os ensaios que incluímos em revisões anteriores haviam sido escritos de forma fantasma, a apresentação dos dados foi cuidadosamente selecionada e ninguém, além dos patrocinadores, viu os dados brutos, além dos ensaios serem muito mal projetados.

Ao longo de quatro anos – e graças à pressão da mídia – os fabricantes tiveram que nos fornecer o conjunto completo dos testes. Paralelamente à revisão, jornalistas investigativos descobriram que a maioria das diretrizes da Organização Mundial da Saúde havia sido escrita por pesquisadores e clínicos que tinham laços com esses fabricantes. Portanto, não é de admirar que eles estivessem recomendando o uso dessas drogas e estocando-as para uma pandemia de gripe.

Nossa revisão descobrindo que isso foi bastante coisa. Meus outros comentários altamente citados estão listados aqui.

THACKER: Esta revisão não é sobre produtos farmacêuticos ou vacinas, mas intervenções físicas para impedir a propagação da gripe, coronavírus e outros vírus respiratórios. Esta área tem sido muito interessante e muito controversa, especialmente quando se trata de máscaras e lockdowns.

JEFFERSON: Em nossa revisão, que atualiza nossas 4 revisões anteriores sobre esse mesmo assunto, a melhor evidência está na lavagem das mãos em crianças com uma possível redução de 10%.

Dez por cento não faz uma grande diferença, mas a evidência é de alta qualidade.

THACKER: Certo.

JEFFERSON: Os ensaios que foram incluídos na revisão minimizaram o viés. Mas o problema com intervenções como lavar as mãos em crianças é que o efeito desaparece assim que os professores perdem o interesse em supervisionar as crianças a lavar as mãos.

O que estamos abordando com intervenções não farmacêuticas é, na verdade, uma síndrome – uma constelação de sinais e sintomas como febre e tosse. E eles são causados por uma miríade de agentes. Podem ser vírus, podem ser bactérias.

Em um terço ou até 80% nem sabemos se os sintomas foram causados por uma infecção. Estresse, poluição do ar interior ou alergias podem causar uma doença semelhante à gripe.

THACKER: As duas principais intervenções que você analisou foram o uso de máscaras e a lavagem das mãos?

JEFFERSON: Nós olhamos para os outros, como usar óculos ou óculos, e distanciamento.

THACKER: Tudo bem.

JEFFERSON: Nós também olhamos para enviar pessoas para casa que estavam se sentindo mal. Esse é o único ensaio clínico randomizado e controlado sobre distanciamento que já foi feito durante a pandemia de gripe de 2009. As pessoas que estavam se sentindo mal, iam para casa do trabalho. Isso parece trazer a infecção para baixo no local de trabalho, mas, claro, as infecções aumentaram em casa.

É uma toupeira. Você o esmaga em uma extremidade, e ele sai na outra extremidade.

THACKER: Você encontra um baixo efeito para a lavagem das mãos – há uma pequena redução da infecção com a lavagem das mãos, mas com baixa confiança de que realmente funciona.

JEFFERSON: Você precisa manter a lavagem das mãos. E, claro, não sabemos se é efeito direto nas mãos ou se há algo comportamental também que estamos perdendo. É difícil desembaraçar. O problema subjacente é a complexidade da transmissão viral respiratória, que tem sido banalizada por falsas certezas.

Com as máscaras, não há realmente nenhuma evidência de que elas tenham qualquer efeito sobre essas doenças semelhantes à gripe ou qualquer patógeno específico, como o vírus COVID. Pegamos estudos que estão disponíveis e que se encaixam em nossos critérios, que são pré-especificados.

Outras pessoas chegam a conclusões diferentes sobre máscaras, mas criaram seus próprios critérios de inclusão, de acordo com o que querem imprimir. Isso não é ciência.

Isso é marketing ou viés, como você quiser chamá-lo.

THACKER: Você diz que há uma necessidade de um estudo grande, bem projetado, randomizado e controlado que analise esses tipos de intervenções. Quando a pandemia começou, escrevi exatamente isso para o BMJ – que não fizemos nenhum estudo real sobre máscaras, para que as pessoas parem de discutir.

Eu pensei que, com essa pandemia acontecendo, o NIH ou outra pessoa, financiaria um grande estudo sobre máscaras e colocaria isso para descansar.

JEFFERSON: Gastamos inúmeras quantias de dinheiro em máscaras. Mas temos apenas três ensaios clínicos randomizados desde o início da história do SARS-CoV-2, e todos eles são ligeiramente diferentes. A configuração é diferente, os métodos são diferentes e assim por diante.

Você espera que a OMS ou algum grande financiador financie testes para responder à pergunta. É muito estranho que isso não tenha acontecido. Você não pode dizer: "Ah, mas isso foi uma emergência, não temos tempo para um estudo de máscaras". Não há desculpa para isso.

THACKER: O CDC publicou um estudo sobre máscaras em sua própria revista, a MMWR. O repórter David Zweig desmontou o assunto no The Atlantic – o estudo do CDC foi uma bagunça.







Mas o CDC continuou promovendo máscaras, ignorando que seu próprio estudo havia sido despedaçado. Acabei de ver outro desses estudos divulgando a eficácia da máscara. Os repórteres nem prestam atenção à qualidade da pesquisa, eles apenas correm com a história.

Alguns especialistas desistiram de criticar esses estudos ruins, porque então outro ensaio "Máscaras são incríveis" simplesmente aparece.

JEFFERSON: Eu li este estudo observacional, eu realmente não queria lê-lo, mas eu tinha que fazê-lo, que veio com uma estimativa de 80% de eficácia das máscaras. Se fosse esse o caso, o SARS-CoV-2 provavelmente teria desaparecido anos atrás.

THACKER: Certo. Quero dizer, se as máscaras são 80% eficazes, como o vírus ainda está se espalhando?

JEFFERSON: Seria quase no ponto de erradicação – muito raro e esporádico. Porque grande parte do mundo tem máscaras.

Ou as máscaras não funcionam, ou que elas podem funcionar em ambientes específicos quando embaladas com outras intervenções não farmacêuticas. Mas isso não foi realmente analisado de forma detalhada.

Os estudos têm que ser feitos por pesquisadores independentes – independentemente da tomada de decisão do governo – porque o governo tem um enorme conflito de interesses em encontrar resultados que se alinhem com suas políticas.

THACKER: Eu acho que isso é o que estamos vendo com esses terríveis estudos MMWR publicados pelo CDC que então se alinham com as políticas do CDC sobre máscaras. As pessoas entendem os conflitos de interesse com o financiamento farmacêutico – entendemos automaticamente que, se a Pfizer está financiando um teste em seu medicamento, "Uau, é melhor eu dar uma olhada nesses dados".

Mas quando o CDC ou algum órgão do governo publica um estudo sobre máscaras, as pessoas não fazem as mesmas perguntas. Por que você acha que isso acontece?

JEFFERSON: Bem, o governo propôs essas intervenções, então eles não vão se policiar. Isso é como a indústria farmacêutica.

Algumas pessoas fizeram fortunas e até carreiras com isso. E alguns estão simplesmente tentando se esquivar de qualquer tipo de crítica pública que possa causar problemas. É vergonhoso.


THACKER: Esta é a quinta atualização da Cochrane sobre intervenções não farmacêuticas. E agora você confia apenas no tipo mais credível de pesquisa: ensaios clínicos randomizados. O que torna um ensaio clínico randomizado e controlado tão importante que você excluiria outros tipos de estudos?

JEFFERSON: Em 2020, decidimos que tínhamos um número tão bom de estudos de alta qualidade – ensaios clínicos randomizados – que não precisávamos ir para pesquisas de menor qualidade, como estudos observacionais.

Ensaios clínicos randomizados minimizam vieses e fatores de confusão que interferem na análise dos dados; os fatores de confusão impedem que você tire conclusões. A randomização faz isso, espalhando uniformemente os fatores de confusão em dois ou mais braços do estudo. Eles são prospectivos e seguem um protocolo. Eles são o design certo se você quiser uma resposta credível.

Deixe-me apenas descrevê-lo um estudo observacional típico que tivemos nas versões anteriores da revisão. Este estudo foi feito três ou quatro meses após a epidemia de SARS1. O estudo foi baseado em perguntas como: "ei, dois ou três meses atrás, quantas vezes por dia você lavou as mãos?"

THACKER: Certo.

JEFFERSON: "Há dois meses, quantas vezes você usava máscara?

THACKER: Certo, isso vai criar um viés de recall no qual as pessoas vão se lembrar de que estavam mais seguras do que realmente eram. Ninguém quer admitir que eles fizeram algo estúpido, não lavar as mãos.

JEFFERSON: Tanto faz. A memória humana é o que é.

Mas em ensaios clínicos randomizados, você controla o que está acontecendo desde o início. Você escolhe a população e os examina. Por exemplo, no COVID 19, sabemos que existem perfis completamente diferentes de doença e infecção, dependendo do seu estado imunológico.

Se o seu estado imunológico é médio, então você terá um certo perfil de infecção, duração e secreção e assim por diante do vírus. Mas se você está imunodeprimido ou imunossuprimido – os idosos, obesos, qualquer um que esteja usando esteroides, pessoas com doenças autoimunes ou aqueles que aguardam transplantes deprimidos lutam para limpar o vírus.

É por isso que você tem que escolher sua população e randomizá-los.

THACKER: Você aponta na revisão que as infecções virais epidêmicas e pandêmicas representam uma séria ameaça em todo o mundo. Epidemias dignas de nota são SARS em 2003, MERS em 2012, pandemia de SARS-CoV2, H1N1. Mesmo não epidêmicas, as infecções respiratórias agudas colocam um enorme fardo no sistema de saúde e são causas proeminentes de morbidade.

Então, se sabemos que há outra epidemia que virá, e essas intervenções não farmacêuticas podem, pelo menos, retardá-las, por que todo o dinheiro está sendo despejado em vacinas, vacinas, vacinas?

As vacinas visam apenas uma doença específica.

Por que não estudar para ver quanta distância precisamos entre as pessoas para retardar a propagação de um vírus? Por que não estudar se alterar o fluxo de ar para as salas de aula ou garantir que o ar fresco seja trazido para os edifícios pode diminuir as taxas de infecção?

Sabemos que leva muito tempo para obter uma vacina que funcione, mas essas coisas podem funcionar para qualquer tipo de infecção.

JEFFERSON: A vacina, se funcionar, é contra um agente específico, e é completamente irracional colocar todos os ovos na mesma cesta. É racional desenvolver uma estratégia baseada nessas intervenções não farmacêuticas, mas apenas nas que funcionam.

Eles podem fazer a diferença – não necessariamente quando um é usado junto, mas uma mistura deles.

THACKER: Se você tivesse dinheiro, que estudos você gostaria que não fossem vacinas ou produtos farmacêuticos que pudessem retardar a próxima epidemia? Fechamento de escolas ou talvez olhando para a triagem para a doença?

JEFFERSON: Primeiro, eu corrigiria o desequilíbrio de como essas questões são discutidas. Os defensores de algumas dessas coisas têm sido muito estridentes e agressivos, e eles se concentram principalmente nos benefícios. Muito raramente você encontra o estudo que estuda os danos. Agora sabemos que os lockdowns são social e economicamente devastadores.

Esta área deve ser reavaliada sistematicamente. Olhe para os lockdowns tanto em termos de benefícios quanto de riscos. Sabemos que os lockdowns estavam ligados a um aumento de problemas como consumo de álcool, falta de exercício.

THACKER: Abuso infantil.

JEFFERSON: Abuso infantil, doença mental, abuso de álcool. A sociedade estava indo aos pedaços ao mesmo tempo que a morte de alguns princípios democráticos. Tivemos coerção de mandato de vacina dos profissionais de saúde.

Havia todo esse medo – medo que a mídia e os governos colocam nas pessoas. Tudo isso deve ser reavaliado. Mas os governos estavam por trás disso, têm um enorme conflito de interesses em qualquer pesquisa sobre isso e provavelmente não vão querer chegar perto disso.

Então, provavelmente não voltaremos e olharemos para isso.

THACKER: A pandemia meio que jogou a medicina baseada em evidências e a Cochrane pela janela. Ninguém parecia se importar mais com os estudos, a menos que os resultados mostrassem o que eles queriam acreditar.

De repente, as pessoas que gostavam da maneira como a Cochrane fazia as coisas, não gostavam da Cochrane porque os resultados não favoreciam o que elas queriam – as máscaras são as mais óbvias aqui. E vemos as pessoas começarem a mudar as regras e a criar estudos que possam obter os resultados certos.

É como mudar o jogo de futebol, porque você não tem bons atacantes, então os passes também contam para os pontos, assim como o tempo de posse de bola. Por que essas pessoas querem mudar as regras agora? Acho que é porque eles não conseguem colocar a bola no gol, então vamos escolher regras diferentes para ganhar.

JEFFERSON: Exatamente. E também, vocês estão testemunhando a ascensão desses especialistas da noite para o dia. Comecei a me envolver com vírus respiratórios em 1984. Depois de ter trabalhado tanto tempo com vírus respiratórios, tenho duas certezas: vou morrer e vou pagar impostos até esse dia. Com os vírus respiratórios, o inesperado sempre acontece.

Concluímos isso há muito tempo. Então você tem que ter uma resposta flexível. Um novo tipo de vírus pode aparecer e causar uma epidemia

Mas você está testemunhando esses especialistas da noite para o dia agora que são agressivos e censórios. Eles se envolvem em ataques pessoais, têm toda essa certeza e pensam que podem ver o futuro. Eles não são cientistas porque a incerteza é o motor da ciência.

E eles não têm a ciência para apoiar o que afirmam.




THACKER: Depois que todo o estresse da pandemia diminuir, você acha que as pessoas voltarão a concordar com a importância da medicina baseada em evidências e das revisões Cochrane? Estudos rigorosos para avaliar se um medicamento funciona ou não. Ou você acha que as coisas mudaram, porque as pessoas percebem que podem simplesmente mudar os critérios para obter respostas que desejam e que isso atrairá a atenção da mídia?

JEFFERSON: Há 100 anos de trabalho sobre vírus, como narramos em nosso boletim informativo, Trust, the Evidence. Analisamos pioneiros no campo e gerações de pesquisadores. Mas esse trabalho se foi com o surgimento desses especialistas da noite para o dia.

A OMS disse recentemente que a PCR é o padrão-ouro para detectar se você é infeccioso. Qualquer um que trabalhe em PCR sabe que isso é um absurdo. Você pode detectar um vírus com PCR muito tempo depois que a infecção desapareceu.

Esta é realmente uma informação falsa, uma informação enganosa, mas a mídia está muitas vezes batendo nela. Não sei se algum dia voltaremos a algum compromisso sensato, a uma discussão sensata. Eu não sei.




292 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page