Por que somos tão ruins em sonhar acordados, e como corrigi-lo



Westgate quer ajudar as pessoas a recapturar esse estado de sonho, o que pode aumentar o bem-estar e até mesmo a tolerância à dor


Quando as pessoas eram apresentadas com uma lista de cenários significativos ou agradáveis, elas gostavam de pensar 50% mais do que quando eram instruídas a pensar sobre o que quisessem.

Você sonhou acordado quando criança, talvez até se metesse em encrenca por isso? Se você acha mais difícil ser agradavelmente perdido em seus pensamentos hoje em dia, você não está sozinho.

"Isso faz parte do nosso kit de ferramentas cognitivas que é subdesenvolvido, e é meio triste", disse Erin Westgate, Ph.D., professora de psicologia da Universidade da Flórida.

A capacidade de pensar por prazer é importante, e você pode melhorar nisso, diz Westgate. O primeiro passo é reconhecer que, embora possa parecer fácil, sonhar acordado é surpreendentemente exigente.

"Você tem que ser o ator, diretor, roteirista e público de uma performance mental", disse ela. "Mesmo que pareça que você não está fazendo nada, é cognitivamente tributante."


Outro obstáculo revelado pela pesquisa de Westgate: Não entendemos intuitivamente como pensar pensamentos agradáveis.

"Somos bastante sem noção", disse ela. "Parece que não sabemos o que pensar para ter uma experiência positiva."

Westgate quer ajudar as pessoas a recapturar esse estado de sonho, o que pode aumentar o bem-estar e até mesmo a tolerância à dor. Em um estudo publicado hoje na revista Emotion, Westgate e seus colegas Timothy Wilson, Nicholas Buttrick e Rémy Furrer da Universidade da Virgínia e Daniel Gilbert da Universidade de Harvard instruiu os participantes a pensar em pensamentos significativos. Westgate antecipou que isso guiaria os pensadores para uma experiência gratificante, mas eles realmente acharam menos agradável do que seus pensamentos não guiados.

"Eu estava tão confusa", disse ela. Em seguida, ela deu uma olhada nos tópicos que os participantes relataram ter pensado.

"Era coisa pesada. Não parecia ocorrer a eles que eles poderiam usar o tempo para desfrutar de seus próprios pensamentos.

Quando somos estimulados a pensar por diversão em vez de significado, tendemos a dar padrão a prazeres superficiais como comer sorvete, que não arranham a mesma coceira que pensamentos que são agradáveis, mas também significativos. Mas quando Westgate forneceu aos participantes uma lista de exemplos que eram agradáveis e significativos, eles gostaram de pensar 50% mais do que quando foram instruídos a pensar sobre o que quisessem.

Esse é o conhecimento que você pode aproveitar em sua vida cotidiana, instigando-se com tópicos que você acharia gratificantes para sonhar acordado, como uma memória agradável, realização futura ou um evento que você está ansioso, diz ela.

Sonhar acordado pode ser um antídoto para o tédio, que o trabalho de Westgate mostrou pode induzir as pessoas a intimidar, trollar e mostrar comportamento sádico. Em um experimento, os participantes optaram por matar insetos com um moedor de café para aliviar seu ennui. (Os insetos não foram realmente feridos, mas os participantes não sabiam disso.) Em outro estudo, 67% dos homens e 25% das mulheres preferiram dar-se um choque elétrico do que ficar sozinhos com seus pensamentos. Claro, nossos dispositivos fornecem um fluxo interminável de distração, mas em certas situações, o entretenimento eletrônico é indisponível ou inseguro. ("Se você está em um semáforo, eu prefiro que você reflita sobre um bom piquenique que você já teve do que pegar seu telefone", disse Westgate.)

Além de suas habilidades de luta contra o tédio, pensar pelo prazer pode ser sua própria recompensa. "É algo que nos diferencia. Define nossa humanidade. Isso nos permite imaginar novas realidades", disse Westgate. "Mas esse tipo de pensamento requer prática."

Veja como dominá-lo:

· Confie que é possível ter uma boa experiência se você prime seu cérebro com tópicos que você vai achar agradável. "Isso é algo que todos nós podemos fazer quando você tem o conceito. Nós damos essas instruções a essas pessoas de 4 e 5 anos, e isso faz sentido para eles."

· Isso dizia: "Isso é difícil para todos. Não há boas evidências de que alguns tipos de pessoas são simplesmente melhores pensadores. Eu sou a pior pessoa do mundo nisso: eu definitivamente preferiria ter o choque elétrico", disse Westgate. Mas saber por que pode ser difícil e o que torna mais fácil realmente faz diferença. A parte encorajadora é que todos nós podemos melhorar."

· Não confunda planejamento de coisas com pensamento por prazer. "As pessoas dizem que gostam de planejar, mas quando testamos, elas não gostam."

· Escolha a hora certa para tentar. Pesquisas mostram que é mais provável que devaneiemos quando nossas mentes estão minimamente ocupadas com outra coisa, como tomar banho ou escovar os dentes. "Da próxima vez que você estiver andando, em vez de puxar o telefone, tente", diz Westgate.

· À medida que você constrói sua capacidade de sonhar acordado, você terá uma fonte de pensamentos agradáveis à sua disposição durante momentos estressantes, diz Westgate.

· "O que sentimos é uma função do que pensamos. Pensar por prazer pode ser uma ferramenta poderosa para moldar nossas emoções."


“What makes thinking for pleasure pleasurable?” by Erin C. Westgate, Timothy D. Wilson, Nicholas R. Buttrick, Rémy A. Furrer, Daniel T. Gilbert. Emotion

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo