Pré-escolares com maior aptidão cardiorrespiratória fazem melhor em testes cognitivos



Análises estatísticas revelaram uma relação entre a aptidão física das crianças e suas habilidades cognitivas e função cerebral, disseram os pesquisadores.


Crianças de 4 a 6 anos que tiveram melhor aptidão cardiorrespiratória do que seus pares tiveram melhor desempenho em testes cognitivos e em outros testes de função cerebral.

Pesquisadores relatam que crianças de 4 a 6 anos que caminham mais longe que seus pares durante um teste cronometrado – método usado para estimar a saúde cardiorrespiratória – também se dão melhor em testes cognitivos e outras medidas da função cerebral.

Publicado no Journal of Clinical Medicine, o estudo sugere que a ligação entre aptidão cardiorrespiratória e saúde cognitiva é evidente ainda mais cedo na vida do que previamente apreciado.

A maioria dos estudos da ligação entre fitness e saúde cerebral se concentra em adultos ou crianças pré-adolescentes ou adolescentes, disse o doutorando Shelby Keye, que liderou a nova pesquisa com Naiman Khan, professor de cinesiologia e saúde comunitária na Universidade de Illinois Urbana-Champaign.


Essas pesquisas têm encontrado consistentemente correlações positivas entre a capacidade de exercício aeróbico das pessoas e sua realização acadêmica e habilidades cognitivas, disse ela. Estudos descobriram que maior aptidão cardiorrespiratória em crianças e adultos mais velhos corresponde ao tamanho relativo e conectividade das estruturas cerebrais que são importantes para o controle cognitivo.

"Mas ainda não se sabe em que ponto da trajetória de desenvolvimento da infância essa relação emerge", disse Keye.

Relatórios anteriores sugerem que, assim como crianças e adultos mais velhos, os pré-escolares não estão cumprindo as diretrizes diárias recomendadas para a atividade física.

"Isso é preocupante, já que o desenvolvimento cerebral dos processos de controle cognitivo principal começa na primeira infância e continua bem até o início da vida adulta", disse Khan. No entanto, os estudos dessa faixa etária são limitados, disse ele.

Para entender melhor a relação entre aptidão cardiorrespiratória e saúde cerebral em 59 crianças em idade pré-escolar, os pesquisadores os submeteram a vários testes. As crianças caminharam o mais longe que puderam em seis minutos, um teste que permitiu aos pesquisadores estimar sua aptidão cardiorrespiratória.

Um teste inicial de desenvolvimento cognitivo e acadêmico deu à equipe uma medida das habilidades intelectuais de cada criança, e uma tarefa computadorizada de "flanker" mediu o quão bem eles foram capazes de se concentrar na parte importante de uma imagem, ignorando informações distrativas. Os participantes também participaram de uma tarefa informatizada que exigia que eles alterassem suas respostas dependendo se flores ou corações apareceram na tela – uma medida de flexibilidade mental.

Um subconjunto de 33 crianças também se envolveu em uma tarefa auditiva que exigia que elas respondessem a certos sons e não a outras enquanto usavam um boné EEG. O EEG mediu a atividade elétrica durante a tarefa de controle cognitivo.

"O EEG oferece uma maneira não invasiva de medir a capacidade das crianças de prestar atenção, apesar das distrações e das informações de processo em tempo real, à medida que completam as tarefas", disse Keye.

Análises estatísticas revelaram uma relação entre a aptidão física das crianças e suas habilidades cognitivas e função cerebral, disseram os pesquisadores.


"Crianças pré-escolares com maior aptidão cardiorrespiratória estimada tiveram pontuações mais altas em tarefas de capacidade acadêmica relacionadas a habilidades intelectuais gerais, bem como seu uso de linguagem expressiva", disse Keye. "Eles tiveram melhor desempenho em tarefas informatizadas que requerem atenção e habilidades multitarefas, e mostraram o potencial para velocidades de processamento mais rápidas e maior alocação de recursos no cérebro ao completar essas tarefas informatizadas."

O estudo não prova que o condicionamento cardiorrespiratório aumenta as habilidades cognitivas em crianças pequenas, mas se soma a um conjunto crescente de evidências de que os dois estão intimamente ligados – mesmo em crianças de até quatro anos de idade, disseram os pesquisadores.

Financiamento: Esta pesquisa foi financiada pelo Conselho Nacional de Laticínios, com financiamento parcial fornecido pelo departamento de cinesiologia e saúde comunitária e pela Bolsa de Pós-Graduação da Faculdade nos EUA de I.

“Six-Minute Walking Test Performance Relates to Neurocognitive Abilities in Preschoolers” by Shelby Keye, et al. Journal of Clinical Medicine


6 visualizações0 comentário