Problemas de aluguel ou sendo forçado a se mudar ligados a níveis mais baixos de sono




O estudo descobriu que as pessoas que não podiam pagar aluguel ou hipoteca dormiam em média 22 minutos a menos por noite do que seus pares que eram capazes de fazer seus pagamentos de aluguel ou hipoteca


As pessoas que estão tendo problemas para pagar por moradia e correm o risco de perder suas casas dormem, em média, vinte e dois minutos a menos por noite do que aquelas que estão em casa seguras. O estudo mostra uma ligação entre insegurança doméstica e interrupções do sono.

As pessoas que são incapazes de fazer seus pagamentos de aluguel ou hipoteca dormem menos do que seus pares que não têm tais problemas, e aqueles que são forçados a se mudar por causa de problemas financeiros dormem ainda menos, de acordo com um novo estudo da RAND Corporation.

O estudo, que acompanhou 1.046 pessoas que recebem assistência social na Califórnia ao longo de vários anos, é o primeiro a analisar a relação entre insegurança habitacional e desfechos do sono após o controle da duração do sono e da qualidade do sono medido antes de experiências com insegurança habitacional.

O estudo descobriu que as pessoas que não conseguiam pagar aluguel ou hipoteca dormiam em média 22 minutos a menos por noite do que seus pares que eram capazes de fazer seus pagamentos de aluguel ou hipoteca.

As pessoas que foram forçadas a se mudar porque não podiam pagar aluguel ou hipoteca dormiam em média 32 minutos a menos por noite do que seus pares que não foram forçados a se mudar. As descobertas são publicadas online pela revista Sleep.

"Este é o primeiro estudo que demonstra que a insegurança habitacional representa um impedimento distinto para a duração e qualidade do sono saudável", disse Robert Bozick, principal autor do estudo e pesquisador adjunto da RAND, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos. "A estabilidade e a condição do ambiente doméstico são extremamente importantes para a saúde e o bem-estar."

O estudo analisou informações da Pesquisa Socioeconômica da Califórnia, um estudo longitudinal realizado pela RAND de participantes do programa de bem-estar do estado, que se chama CalWORKs.

A pesquisa segue uma amostra aleatória de 1.657 adultos provenientes de uma população de 15.600 famílias economicamente desfavorecidas que se inscreveram pela primeira vez em CalWORKs entre 2011 e 2014 em um dos seis municípios diversos: Alameda, Fresno, Los Angeles, Riverside, Sacramento e Stanislaus.

O novo estudo da RAND utilizou informações de uma amostra de 1.046 participantes que participaram de pesquisas durante os anos 2015-16 e 2017-18, e que responderam perguntas sobre duração do sono, qualidade do sono e insegurança habitacional.

As reduções na qualidade do sono detalhadas pelo estudo foram pequenas a moderadas pelos padrões convencionais, mas os pesquisadores dizem que o sono é cumulativo, de tal forma que pequenas reduções se acumulam ao longo do tempo. Esse acúmulo, por sua vez, pode criar déficits de sono mais acentuados.

"Considerando as implicações para a saúde a jusante da insegurança habitacional é particularmente oportuno, dada a queda econômica da pandemia do coronavírus", disse Bozick, que é membro sênior do Kinder Institute for Urban Research da Rice University. "Pesquisas nacionais mostram que muitos americanos estão tendo problemas para fazer seus pagamentos de moradia, o que pode levar a uma maior dependência de programas de rede de segurança social, como o bem-estar em um futuro próximo."

“Housing insecurity and sleep among welfare recipients in California” by Robert Bozick, Wendy M Troxel, Lynn A Karoly. Sleep


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo