Profissionais de saúde falam sobre por que preferem perder seus empregos do que tomar uma vacina COV


Por Enrico Trigoso


25 de outubro de 2021

Apesar das vacinas COVID-19 terem sido promovidas como seguras e eficazes pela mídia herdada, muitos profissionais de saúde estão se recusando a tomá-las, e aqueles que falam abertamente sobre suas preocupações são censurados pelas empresas big tech ou expulsos de suas plataformas.

Algumas enfermeiras e médicos estão recusando os mandatos de vacina, mesmo que sua recusa lhes custe seus empregos.

O Época Times procurou alguns desses profissionais de saúde para ver o porquê.

'Impossível dar consentimento totalmente informado'

Emily Nixon é uma enfermeira registrada que trabalha na indústria da saúde há 18 anos. Quando seu empregador, MaineHealth, anunciou que tornaria a vacina obrigatória, ela rapidamente organizou um grupo chamado The Coalition for Healthcare Workers Against Medical Mandates e entrou com uma ação judicial.

"Milhares de profissionais de saúde têm e perderão seus empregos. A já fraca infraestrutura de saúde do Ma