top of page

Projeto Lullabyte investiga a influência da música no processo de adormecer




Pesquisadores interessados em características musicais associadas à música do sono e os efeitos da estrutura musical no sono estão trabalhando juntos usando neurociência, IA e medicina do sono para criar paisagens sonoras "super canções".

Fonte: TUD

Canções de ninar "Hush Little Baby" ou "Brahms' Lullaby" são conhecidas em todas as culturas e tempos como uma ajuda eficaz para dormir. Isso não se aplica apenas às crianças.

A música exerce efeitos poderosos no cérebro humano, como evidenciado tanto por respostas emocionais subjetivas quanto por mudanças óbvias na neurofisiologia. Até agora, pouca pesquisa foi feita sobre a influência tangível que a música tem na transição do cérebro da vigília para o sono, e se isso realmente ajuda as pessoas a dormir melhor.

A Rede de Doutorado msca "Lullabyte" tem como objetivo preencher essa lacuna. A partir de novembro de 2022, cientistas líderes das áreas de música, somnologia, neurociência e ciência da computação investigarão a conexão entre música e sono em um consórcio composto por dez universidades e empresas europeias diferentes. Miriam Akkermann, Professora Júnior de Musicologia Empírica na TU Dresden, está coordenando a rede.

"A musicologia geralmente se concentra em estruturas musicais, práticas culturais ou contextos históricos, enquanto a neurociência empírica não lida muito com estruturas musicais", explica JProf. Miriam Akkermann: "Queremos mudar isso com 'Lullabyte', e unir as disciplinas."

Em Dresden, a questão será investigada se existem características musicais que as canções de ninar tradicionais e a música moderna do sono/relaxamento têm em comum, e se inferências sobre o efeito das estruturas musicais no sono podem ser derivadas disso.

Para isso, a estrutura e o surgimento da chamada "música do sono" será examinada, e pesquisas experimentais serão realizadas sobre como peças musicais selecionadas desse tipo afetam a qualidade do sono individual.

No âmbito da "Lullabyte", um total de dez alunos de doutorado serão treinados nesta área de pesquisa interdisciplinar e adquirirão habilidades profundas relevantes para a pesquisa, indústria e setor cultural.

Os alunos de doutorado, cada um com sede em uma das universidades participantes, estão investigando os efeitos da música no sono em cenários muito diferentes e de diferentes pontos de vista. Um dos focos de pesquisa é a transição dos estados do despertar para o sono.

"Estamos particularmente interessados em como o processo de dormir e a estrutura do sono são alterados por diferentes tipos de música, e se podemos identificar características musicais que são mais úteis do que outras", descreve a Profª Miriam Akkermann.

"Para isso, é necessário que colegas da musicologia, neurociência, psicologia e ciência de dados trabalhem em conjunto."

Com a ajuda de laboratórios de neurociência de última geração, bem como wearables especiais, grandes conjuntos de dados de sono e música são criados e avaliados usando estratégias de aprendizado de máquina.

Com base nos achados da pesquisa, também projetos sonoros e novos tipos de música são desenvolvidos com o objetivo de criar sons com um efeito soporífico.

"Estamos procurando 'super canções de ninar', por assim dizer", disse Akkermann.

"Lullabyte" treinará uma nova geração de pesquisadores interdisciplinares e experientes internacionalmente, a fim de fornecer o mercado de música gerada personalizada e baseada em dados, com uma base científica sólida e o pessoal para fortalecer a posição da Europa nessas tecnologias.

Além da formação prática nos respectivos projetos de pesquisa, a rede realiza escolas e eventos conjuntos de verão em que parceiros industriais e artistas transmitem aos alunos de doutorado outras habilidades em áreas como transferência de tecnologia, empreendedorismo, regulação de dispositivos médicos e relações públicas.

Além disso, todos os doutorandos também completam uma fase de trabalho em outras duas instituições da rede.

A rede inclui o TU Dresden, o Radboud University Medical Center dos Países Baixos, a Universidade de Stuttgart, a Universidade de Aarhus da Dinamarca, o Instituto FEMTO-ST e o Instituto do Cérebro de Paris da França, a Universitat Pompeu Fabra da Espanha, o Royal Institute of Technology da Suécia, a Université de Fribourg da Suíça e a start-up endel, com sede em Berlim, bem como várias colaborações com parceiros da indústria em toda a Europa.

A Rede de Doutorado MSCA é financiada pela Horizon Europe (HORZION) há 4 anos. A MSCA representa as Ações DeMbulas Marie-Skłodowska Curie e inclui o programa de apoio à carreira da UE para estudantes de doutorado e pós-doutores no campo da excelência da HORIZON EUROPE.

Author: Anne-Stephanie Vetter Source: TUD Contact: Anne-Stephanie Vetter – TUD


141 visualizações0 comentário
bottom of page