top of page

Quer bombar a pista de dança? Tocar sons de baixa frequência




Resumo: As pessoas dançam 11,8% a mais quando o baixo de baixa frequência está presente na música, relata um novo estudo.

Fonte: Cell Press

Para descobrir como diferentes aspectos da música influenciam o corpo, pesquisadores transformaram um concerto de música eletrônica ao vivo em um estudo de laboratório.

Ao introduzir níveis de baixo sobre alto-falantes que eram muito baixos para ouvir e monitorar os movimentos da multidão, os cientistas descobriram que as pessoas dançavam 11,8% mais quando o baixo de baixa frequência estava presente.

O estudo aparece em 7 de novembro na revista Current Biology.

"Sou treinado como baterista, e a maior parte da minha carreira de pesquisa tem sido focada nos aspectos rítmicos da música e em como eles nos fazem se mover", diz o primeiro autor Daniel Cameron, neurocientista da Universidade McMaster.

"A música é uma curiosidade biológica — ela não nos reproduz, não nos alimenta, e não nos abriga, então por que os humanos gostam dela e por que gostam de se mudar para ela?"

Cameron realiza pesquisas no McMaster LIVELab, que conecta ciência com performance ao vivo em um teatro de pesquisa único. Ele é equipado com captura de movimento 3D, um sistema de som Meyer que pode replicar vários ambientes de concerto, e alto-falantes aprimorados que podem produzir frequências extremamente baixas, tão baixas que eram indetectáveis ao ouvido humano.

Para o estudo de Biologia Atual, Cameron e seus colegas recrutaram participantes participando de um concerto do LIVELab para a dupla musical eletrônica Orphx. Os concertistas estavam equipados com faixas de movimento para monitorar seus movimentos de dança. Além disso, eles foram solicitados a preencher formulários de pesquisa antes e depois do evento. Essas formas foram usadas para garantir que o som fosse indetectável, medir o prazer do concerto e examinar como a música se sentia fisicamente.

Durante os 45 minutos de concerto, os pesquisadores manipularam os alto-falantes muito baixos, ligando e desligando-os a cada dois minutos. Eles descobriram que a quantidade de movimento era 12% maior quando os alto-falantes estavam ligados.

"Os músicos estavam entusiasmados em participar por causa de seu interesse nessa ideia de que o baixo pode mudar a forma como a música é experimentada de uma maneira que impacta o movimento", diz Cameron. "O estudo teve alta validade ecológica, pois esta foi uma verdadeira experiência musical e dançante para as pessoas em um verdadeiro show ao vivo."

A sensação de vibração através do toque e as interações entre o ouvido interno e o cérebro têm ligações próximas com o sistema motor. Os pesquisadores especulam que esses processos físicos estão trabalhando na conexão neurológica entre música e movimento. Essa anatomia pode aumentar em frequências baixas e pode afetar a percepção de "groove", movimento espontâneo e percepção do ritmo.

"Frequências muito baixas também podem afetar a sensibilidade vestibular, aumentando a experiência de movimento das pessoas. A pregação dos mecanismos cerebrais envolvidos exigirá olhar os efeitos das baixas frequências nos caminhos vestibular, tátil e auditivo", diz Cameron.


“Undetectable very-low frequency sound increases dancing at a live concert” by Daniel J. Cameron et al. Current Biology


67 visualizações0 comentário
bottom of page