top of page

Regras da Corte de Tênis de Washington

Atualizado: 4 de out. de 2022




Política, não Ciência, impediu Novak Djokovic de participar do US Open

Editorial convidado por David Marks no Site do Malone

David Marks é um veterano escritor e produtor de documentários. Ele foi o principal investigador da coprodução da BBC/PBS de Nazi Gold – revelando o papel da Suíça na Segunda Guerra Mundial – e um dos documentários mais vistos na televisão. O novo livro de David, "O Caminho", é uma interpretação do clássico chinês, o Tao Te Ching, disponível em LaoTzu-TheWay.org


Um dos maiores tenistas do mundo, Novak Djokovic, foi proibido de jogar no principal torneio dos EUA do ano. Embora em julho ele tenha ido para Londres e vencido o campeonato em Wimbledon, sua relutância em ser vacinado impediu sua viagem aos Estados Unidos.

À medida que o US Open chega a uma conclusão sem Djokovic, há uma compreensão crescente dos efeitos do COVID-19 e suas variantes, mas a política de imigração do governo dos EUA intencionalmente defasada à luz desse conhecimento. Por mais de dois anos, o Center For Disease Control, a Federal Drug Administration e funcionários dos EUA têm feito pronunciamentos altamente questionáveis sobre a capacidade das vacinas COVID-19 para prevenir transmissão e doenças. Isso tem impulsionado restrições que têm incomodado e punido os não vacinados, sem ter qualquer impacto na pandemia.

A promoção de vacinas tem sido um fator central em quase todas as decisões do governo dos EUA desde que a doença apareceu pela primeira vez. E mesmo que sua eficácia em parar a transmissão se tornasse duvidosa, essa posição permaneceu entrincheirada.

O fabricante de vacinas Pfizer originalmente alegou que seu produto era mais de 94% eficaz após uma segunda dose. Juntamente com as afirmações de outros desenvolvedores de vacinas, mesmo com reforços adicionais, esses achados foram constantemente comprovados como inconsistentes na melhor das hipóteses. Um número crescente de casos de avanço indicou que as vacinas não estavam parando a infecção viral — a medida central da eficácia — particularmente das novas variantes que surgiram rapidamente. Mesmo quando o CDC tomou conhecimento de que o vírus não estava contido por vacinas, o governo Biden elevou seu discurso contra aqueles que recusaram a vacinação com hostilidade sem precedentes e retórica inflamatória no contexto de uma crise de saúde pública.

A Pandemia dos Não Vacinados é um termo que transmite uma premissa infundada. Estigmatizou quase metade da população dos EUA e continua a ser usada como uma ferramenta para promover políticas governamentais indiscriminadas. Sua invocação só adicionou mais divisão e animosidade ao que deveria ser um debate sóbrio e considerado sobre possíveis benefícios e riscos de vacinação.

Definindo vacinas

Tanto a Casa Branca quanto o CDC sabiam que as vacinas não estavam cumprindo as expectativas prometidas, mas não mudaram a política. Era mais conveniente ajustar o significado do termo, e de fato o CDC fez exatamente isso, alterando a definição de vacinas em seu site. A página original sobre Vacinas e Imunizações, dizia que uma vacina é: "Um produto que estimula o sistema imunológico de uma pessoa a produzir imunidade a uma doença específica, protegendo a pessoa dessa doença. " A página revisada, a partir de setembro de 2021, diz: "Uma preparação que é usada para estimular a resposta imune do corpo contra doenças." Essa mudança não tão sutil se encaixava com os resultados vergonhosamente ruins, e diminuiu a aparente hipocrisia em explicações públicas e negações.

Pesquisas científicas em andamento revelaram que a resposta às vacinas não estava nem perto dos resultados benéficos proclamados por gigantes farmacêuticas e pela Casa Branca; e a maioria dos americanos ainda não sabe a verdade. Em outubro de 2021, um estudo comprovou que as cargas virais não eram diferentes em pessoas vacinadas ou não vacinadas com COVID-19. Este achado-chave, de acordo com outros dados que comprovaram as vacinas ineficientes, foi virtualmente ignorado.

Até o final de 2021, o CDC sabia que a vacina também teria uma capacidade mínima para parar a infecção da nova variante Omicron. No entanto, o empurrão da Casa Branca para a inoculação não parou. No início de 2022, o presidente Biden antecipou sua implacável campanha de vacinação admitindo: "Se você for vacinado e impulsionado, você pode obter COVID" — mas sem qualquer base científica, continuou a culpar os não vacinados pelo sofrimento na pandemia.

O CDC Aparentemente Desperta para a Realidade

Com o aumento da pressão pública e uma enxurrada de processos pendentes, as recomendações mais recentes do CDC não diferenciam mais a abordagem de prevenção ou tratamento com base na situação vacinal de uma pessoa. A orientação afirma que as vacinas atuais fornecem proteção mínima contra infecção e transmissão.

Apesar da admissão do CDC, o governo Biden não parou de promover vacinas como o principal meio de diminuir ou acabar com a pandemia. A alegação de que eles ainda poderiam prevenir doenças graves e morte desvia-se do desafio mais importante de parar a infecção.

Embora existam dados conflitantes sobre a eficácia geral das vacinas COVID-19 em relação a complicações graves, um detalhe é indiscutível: aqueles com maior risco de internação ou morte por COVID-19, desde o início da pandemia até agora, foram pacientes com outras condições de risco de vida ou em populações de alto risco para todas as doenças — sejam eles vacinados ou não.

À medida que milhões de pessoas com múltiplas vacinas continuam infectadas, a incapacidade da vacina de afetar a transmissão tornou-se óbvia nas esferas pública e privada. Os cientistas mostraram que as sub variantes do Omicron se mostram altamente resistentes às vacinas. E mesmo com o reconhecimento de que os esforços anteriores de inoculação falharam completamente, a indústria farmacêutica e a Casa Branca estão se preparando para distribuir a próxima geração de vacinas COVID.

Política Disfarçada de Proteção

Neste clima bizarro onde os fatos não importam, o governo federal continua a exigir que viajantes internacionais sem passaporte ou residência permanente dos EUA tenham uma vacina COVID atual para entrar no país. Como a eficácia da vacina não foi tratada abertamente, e a dependência da inoculação ainda pode ser apresentada pelo governo como central para combater a pandemia, essa política continua.

É evidente que a entrada condicional nos Estados Unidos não tem nada a ver com o risco de doença para ninguém, particularmente atletas saudáveis como Djokovic. Embora não vacinado, Djokovic teve COVID-19, e estudos amplamente aceitos indicam que sua imunidade natural lhe daria maior e mais resistência do que qualquer vacina COVID, particularmente contra novas variantes. Não há base científica para afirmar que ele estaria criando um risco único para qualquer um, incluindo ele mesmo.

Não é difícil ver que o regulamento que proíbe Djokovic de competir no Us Open é político e não científico. Esta política ignora todas as pesquisas e dados disponíveis, incluindo a admissão do CDC sobre as limitações da vacina. Então, se não é baseado na ciência ou na saúde, quem essa proibição beneficia ou protege?

Uma conclusão razoável é que uma admissão aberta do governo dos EUA de que a vacinação não teve impacto no curso da pandemia - seria politicamente devastadora. Essa revelação começaria a despertar um público insuperável — e aumentaria os pedidos de uma investigação sobre a motivação contínua para que as agências governamentais respondam ao surto do COVID-19, focando por pouco as vacinas como uma panaceia.

Um exame do processo de tomada de decisão do CDC e da FDA exporia adicionalmente a história da influência financeira das empresas farmacêuticas em políticas que afetaram negativamente todos os americanos. Essa relação teve um impacto devastador na pandemia; os protocolos de resposta a uma crise de saúde deveriam ter sido continuamente revistos e revisados por um órgão aberto e independente.

Qualquer avaliação honesta da resposta à pandemia revela que políticos e burocratas continuam brincando com fatos objetivos. Os não vacinados têm permanecido bodes expiatórios convenientes, culpados e punidos por nenhuma outra razão a não ser cobrir os erros e delitos do governo dos EUA.

Infelizmente, Djokovic, cuja postura é nobre, honrosa e heroica, é um peão neste jogo.


113 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page