Reinfecções com subvariante de omicron são raras, pesquisadores dinamarqueses afirmam




Por Zachary Stieber

24 de fevereiro de 2022 Atualizado: 24 de fevereiro de 2022

maior

Pessoas que contraem casos de COVID-19 causados pela variante do vírus Omicron dificilmente ão ser reinfectado por um subvariante da variante, descobriram pesquisadores na Dinamarca.

Dados emergentes indicam que o BA.2, uma subvariante de Omicron, é mais transmissível — possivelmente 30% a mais, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Mas uma análise de dados de sistemas nacionais de vigilância na Dinamarca, um dos cerca de 10 países onde a BA.2 se tornou predominante, sugere que as reinfecções são raras.

Os pesquisadores usaram sequenciamento genômico e outros métodos e identificaram 47 casos de onde acreditam que uma pessoa sofria de COVID-19 causado por Omicron antes de ser reinfectada com o subvariante. A maioria das pessoas, ou 89%, não foram vacinadas, mas nenhuma precisou de cuidados hospitalares e nenhuma morreu. Dos que apresentaram sintomas após serem reinfectados, sofreram principalmente uma doença leve. A imunidade natural, ou proteção contra a recuperação do COVID-19, pode ter desempenhado um papel, disseram os pesquisadores no estudo de pré-impressão, que foi submetido à publicação em uma revista.

Os 47 casos foram extraídos de cerca de 14.000 genomas produzidos de cerca de 1,8 milhão de pessoas infectadas durante o período de estudo, que se estendeu de 22 de novembro de 2021 até 11 de fevereiro de 2022.

Os achados apontam que a BA.2 é capaz de causar reinfecções, particularmente entre os não vacinados, mas "são raros", disseram os pesquisadores, com o Instituto de Soros do Estado e outras instituições.

O BA.2 foi responsável por cerca de 1% dos casos de COVID-19 nos Estados Unidos na semana que terminou em 5 de fevereiro, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Monica Gandhi, diretora médica da Clínica do HIV do Hospital Geral de São Francisco, que não participou do estudo, disse que o "estudo tranquilizador da Dinamarca que nos mostra que a infecção com o subvariante BA2 é geralmente rara após a infecção por BA1".

As infecções que ocorreram "foram leves e ocorreram principalmente entre jovens não vacinados", disse ela. "Este estudo, entre muitos outros, mostra que a infecção com uma variante ou subvariante parece produzir imunidade celular (especificamente células T) que nos protege contra doenças graves se confrontados com outra variante. Além disso, há reação cruzada no sistema imunológico para diferentes variantes e subvariantes de COVID-19. Isso tudo é uma notícia reconfortante de que as vacinas e a imunidade de recuperação nos protegem de doenças graves com variantes emergentes do COVID-19."


434 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo