Relógio corporal fora do cronograma? Prebióticos podem ajudar




Os prebióticos podem ajudar a estabilizar os padrões de sono/vigília após interrupções do ritmo circadiano.

Seja por voar através de fusos horários, puxar todas as noites na escola ou trabalhar no turno da noite, interromper cronicamente nosso ritmo circadiano — ou relógios biológicos internos — pode ter um peso mensurável em tudo, desde o sono, humor e metabolismo até o risco de certas doenças, mostra a pesquisa.

Mas um novo estudo da Universidade de Colorado Boulder financiado pela Marinha dos EUA sugere que compostos dietéticos simples conhecidos como prebióticos, que servem como alimento para bactérias intestinais benéficas, poderiam desempenhar um papel importante em nos ajudar a se recuperar mais rapidamente.

"Este trabalho sugere que, ao promover e estabilizar as boas bactérias no intestino e os metabólitos que eles liberam, podemos ser capazes de tornar nossos corpos mais resistentes à ruptura circadiana", disse a autora sênior Monika Fleshner, professora de fisiologia integrativa.

O estudo em animais, publicado na revista Brain, Behavior and Immunity, é o mais recente a sugerir que os prebióticos — não confundirem-se com os probióticos encontrados em alimentos fermentados como iogurte e chucrute — podem influenciar não apenas o intestino, mas também o cérebro e o comportamento.

Naturalmente abundantes em muitos alimentos fibrosos — incluindo alho-poró, alcachofras e cebolas — e no leite materno, esses carboidratos indigestos passam pelo intestino delgado e permanecem no intestino, servindo como alimento para os trilhões de bactérias que ali residem.

Os estudos anteriores dos autores mostraram que os ratos criados com comida pré-biótica dormiam melhor e eram mais resistentes a alguns dos efeitos físicos do estresse agudo.

Para o novo estudo, parte de um projeto multi-universitário financiado pelo Escritório de Pesquisa Naval, os pesquisadores procuraram aprender se os prebióticos também poderiam promover a resiliência a interrupções do relógio corporal de coisas como jet lag, horários irregulares de trabalho ou falta de luz diurna natural — uma realidade com a qual muitos militares vivem.

"Eles estão viajando por todo o mundo e frequentemente mudando fusos horários. Para os submarinos, que podem ficar debaixo d'água por meses, a interrupção circadiana pode ser um verdadeiro desafio", disse o autor principal Robert Thompson, pesquisador de pós-doutorado no laboratório Fleshner. "O objetivo deste projeto é encontrar maneiras de mitigar esses efeitos."

Como um intestino saudável pode prevenir o jet lag

Os pesquisadores criaram ratos em alimentos regulares ou com comida enriquecida com dois prebióticos: galactooligosacarídeos e polidextrose.

Eles então manipularam o ciclo claro-escuro dos ratos semanalmente por oito semanas — o equivalente a viajar para um fuso horário 12 horas à frente a cada semana por dois meses.


Ratos que comiam prebióticos mais rapidamente realinharam seus ciclos de sono-vigília e temperatura corporal do núcleo (que também podem ser jogados fora quando os relógios internos estão desligados) e resistiram às alterações na flora intestinal que muitas vezes vêm com o estresse.

"Este é um dos primeiros estudos a conectar prebióticos de consumo a mudanças bacterianas específicas que não afetam apenas o sono, mas também a resposta do corpo à interrupção do ritmo circadiano", disse Thompson.

O estudo também dá um passo fundamental para responder à pergunta: Como simplesmente ingerir um amido pode impactar como dormimos e nos sentimos?

Os pesquisadores descobriram que aqueles na dieta pré-biótica hospedavam uma abundância de vários micróbios promotores da saúde, incluindo Ruminiclostridium 5 (mostrado em outros estudos para reduzir o sono fragmentado) e parabacteroides distasonis.

Eles também tinham um "metabolome" substancialmente diferente, a coleção de subprodutos metabólicos resmuídos por bactérias no intestino.

Simplificando: os animais que ingeriram os prebióticos hospedaram mais bactérias boas, que por sua vez produziram metabólitos que os protegiam de algo semelhante ao jet lag.

Suplementos valem a pena?

Testes clínicos estão agora em andamento em Boulder para determinar se os prebióticos poderiam ter efeitos semelhantes em humanos.

A pesquisa poderia levar a misturas prebióticas personalizadas projetadas para indivíduos cujas carreiras ou estilos de vida os expõem a interrupções circadianas frequentes.

Enquanto isso, poderia simplesmente carregar em leguminosas e outros alimentos naturalmente ricos nos compostos ajudar a manter seu relógio corporal funcionando a tempo? Não é impossível, mas improvável, dizem eles — observando que os ratos foram alimentados com o que, em termos humanos, seriam quantidades excessivas de prebióticos.

Por que não ingerir as bactérias benéficas diretamente, através de alimentos ricos em probióticos como o iogurte?

Isso também pode ajudar, mas os prebióticos podem ter uma vantagem sobre os probióticos, pois eles suportam as bactérias amigáveis que já temos, em vez de introduzir uma nova espécie que pode ou não tomar posse.

E os suplementos alimentares pré-bióticos?

"Se você está feliz, saudável e em equilíbrio, você não precisa ingerir um monte de coisas com um prebiótico nele", disse Fleshner. "Mas se você sabe que vai entrar em um desafio, você pode dar uma olhada em alguns dos prebióticos que estão disponíveis. Apenas perceba que eles ainda não estão personalizados, então pode funcionar para você, mas não vai funcionar para o seu vizinho."

“Ruminiclostridium 5, Parabacteroides distasonis, and bile acid profile are modulated by prebiotic diet and associate with facilitated sleep/clock realignment after chronic disruption of rhythms” by Monika Fleshner et al. Brain, Behavior and Immunity


153 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo