'Seja um homem': Por que alguns homens respondem agressivamente às ameaças à masculinidade




Homens com um senso mais frágil de masculinidade, ou cujos sentimentos de masculinidade dependem mais dos outros, são mais propensos a agir agressivamente a fim de provar sua masculinidade.

Quando sua masculinidade é ameaçada, alguns homens respondem agressivamente, mas não todos. Novas pesquisas da Universidade Duke sugerem quem pode ser mais desencadeado por tais ameaças – homens mais jovens cujo senso de masculinidade depende fortemente da opinião de outras pessoas.

"Nossos resultados sugerem que quanto mais pressão social um homem se sente ser masculino, mais agressivo ele pode ser", disse Adam Stanaland, doutorando em psicologia e políticas públicas na Duke e principal autor do estudo.

"Quando esses homens sentem que não estão cumprindo rigorosas normas de gênero, eles podem sentir a necessidade de agir agressivamente para provar sua masculinidade - para 'ser um homem'."

O par de estudos considerou 195 estudantes de graduação e um grupo aleatório de 391 homens de 18 a 56 anos.

Os participantes do estudo foram questionados sobre "conhecimento de gênero". Para os homens, estas incluíam perguntas sobre temas estereotipados como esportes, mecânica automobilística e reparos domésticos. Após a resposta, os participantes foram aleatoriamente informados de que sua pontuação era maior ou menor do que a de uma pessoa média de seu gênero.

Para simular ameaças reais à masculinidade, os homens que receberam uma pontuação baixa também foram informados de que eram "menos viris do que o homem comum".

Após receberem suas notas de teste, os participantes do estudo foram convidados a completar uma série de fragmentos de palavras adicionando cartas faltantes, a fim de revelar seu estado de espírito. Os resultados foram impressionantes, revelando pensamentos agressivos entre certos homens, mas não outros.

Homens cujo senso de masculinidade veio de dentro parecia inquieto ao receber uma pontuação baixa. Era uma história diferente para homens com um senso mais frágil de masculinidade, cujos sentimentos de masculinidade dependiam dos outros. Esse grupo incluía homens que diziam que se comportavam "como um homem" devido a pressões sociais, como o desejo de se encaixar, ser apreciado ou conseguir encontros.

Homens com um senso mais frágil de masculinidade responderam à palavra fragmentos criando palavras com associações violentas em vez de significados neutros. Por exemplo, quando fornecidos com as letras "ki" e solicitados para completar a palavra, eles escreveram "matar" em vez de, digamos, "beijar". Quando receberam as letras "blo", digitavam "sangue" em vez de uma palavra como "golpe" ou "florescer".

Essas respostas agressivas foram mais fortes entre os mais jovens participantes do estudo, homens entre 18 e 29 anos. A resposta foi mais branda entre homens de meia-idade entre 30 e 37 anos, e mais leve ainda entre o grupo mais antigo de participantes, homens com 38 anos ou mais.

"Está claro que os homens mais jovens são mais sensíveis a ameaças contra sua masculinidade", disse Stanaland.

"Nesses anos, à medida que os homens tentam encontrar ou provar seu lugar na sociedade, sua identidade masculina pode ser mais frágil. Em muitos lugares, isso significa que homens mais jovens são constantemente atingidos com ameaças à sua masculinidade. Eles têm que provar sua masculinidade todos os dias de suas vidas.

As alunas não apresentaram uma resposta agressiva semelhante quando seu gênero foi ameaçado.

As respostas agressivas dos homens não terminaram com o questionário do estudo, observaram os pesquisadores. Os designers do estudo receberam ameaças violentas de alguns homens que receberam notas baixas – mais uma evidência de que o estudo atingiu um nervo.

Stanaland disse que espera se aprofundar nas forças que moldam a agressão dos homens.

"Os homens relatam comportamento agressivo em todos os tipos de domínios", disse Stanaland. "Alguns deles estão tentando provar sua própria masculinidade sendo agressivos.

"A violência dos homens, o terrorismo, a violência contra as mulheres, a agressão política – a masculinidade frágil pode explicar muitos desses comportamentos. É do interesse de todos entender melhor esse fenômeno."

Financiamento: A pesquisa foi financiada pelo Programa de Pesquisa Psicológica da Fundação Charles Lafitte na Duke University.

““Be a Man”: The Role of Social Pressure in Eliciting Men’s Aggressive Cognition” by Adam Stanaland and Sarah Gaither. Personality and Social Psychology Bulletin


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo