Seu cérebro aprende a afastar sua atenção de sons perturbadores




Pesquisadores lançam luz sobre como o cérebro responde a sons inesperados.

A maioria das pessoas que foram estudantes pode reconhecer isso: você conseguiu colocar seu telefone com todos os seus alertas visuais e de áudio que tentam dizer que você está perdendo algo emocionante. Agora você finalmente encontrará paz de espírito na sala de estudos, concentre-se no currículo, no que é importante.

E então há um som:

Crack. Uma cenoura.

E então:

Farejar. Um nariz escorrendo.

Sua concentração está quebrada e a única coisa que você ouve são os sons.

Por que isso está acontecendo? O que acontece quando sua atenção é atraída por sons perturbadores?

"Os sons ao nosso redor têm tempos diferentes, que geralmente usamos para separá-los e se concentrar. Mas quando ocorre uma irregularidade nesse ritmo, o cérebro reage engajando-se um pouco mais. Trata-se de perceber possíveis ameaças", diz Maja Dyhre Foldal.

Em sua tese de doutorado, Foldal investigou como o cérebro reage a sons inesperados. O que importa é quando os sons ocorrem e o que o cérebro já está familiarizado, ela acredita.

Tempos diferentes ajudam você a se concentrar

Nós distinguemos entre sons o tempo todo. Imagine um café. A música está tocando ao fundo. Dez conversas diferentes estão acontecendo nas mesas. Lá fora, um bonde passa. O barista fica atrás do balcão e pergunta que tipo de café você quer. O fato de você ouvir a pergunta e pode pedir seu café com facilidade, é principalmente graças a dois mecanismos no cérebro:


· Predição: Usando todos os sons que você já ouviu antes, seu cérebro constrói um modelo para o que diferentes fontes de som geralmente soam.

· Atenção: Você usa esse conhecimento e esse modelo para direcionar seu foco para o que é importante.

Quando você se concentra na barista, sua voz tem um ritmo diferente da música tocando ao fundo e as conversas ao redor das mesas.

"Com base em conversas que você teve no passado e conhecimento de como a linguagem funciona, o cérebro pode controlar sua atenção usando o tempo. É assim que processa as informações na conversa com o barista de forma mais eficiente — e ignora os outros sons", diz Foldal.

O cérebro constrói tijolo por tijolo

Uma das explicações por que geralmente conseguimos nos concentrar em uma fonte sonora é que o cérebro aprendeu a distinguir o que não é importante quando sente as coisas.

"Já temos muita experiência, então não precisamos voltar a sentir tudo o tempo todo. Geralmente, uma coisa acontece, e depois outra coisa acontece, então, em vez de capturar todas as informações o tempo todo, só precisamos capturar o que há de novo", explica Foldal.

O cérebro processa as novas informações e as usa para melhorar o que o Foldal considera como um modelo em desenvolvimento contínuo. Mas, embora você possa ter experimentado isso antes, você não está preparado para uma conversa séria sendo interrompida por uma notificação do seu telefone, uma sirene fora de sua janela ou um alarme de incêndio.

"Temos uma boa compreensão do que está acontecendo ao nosso redor quando sentamos e conversamos. Se um alarme de incêndio dispara, ele difere do que esperamos, e torna-se muito importante investigar o que o som significa."

Uma quebra no ritmo resulta em maior atividade cerebral

Para medir o que acontece no cérebro quando somos expostos a sons inesperados, Foldal realizou experimentos usando o método Eletroencefalografia (EEG), que mede a atividade elétrica no cérebro e permite que o pesquisador meça exatamente quando as informações são processadas.

Em um dos experimentos, Foldal deu aos participantes fones de ouvido que tocavam um ritmo. Os tons tocados na orelha direita e esquerda tinham um ritmo diferente, mas relativamente regular. Os participantes foram orientados a focar nos sons em um ouvido. Se um tom veio antes do que se poderia esperar, eles deveriam apertar um botão.

"Há sons irregulares no outro ouvido também, mas eles são orientados a ignorá-lo", explica Foldal.

Em termos simples, o cérebro funciona assim: os sons que ouvimos no ouvido direito são processados no hemisfério esquerdo do cérebro, e vice-versa.

"Quando você se concentra em um ouvido, portanto, você amplifica o processamento que ocorre no hemisfério oposto do cérebro. Dessa forma, eu posso medir se eles são capazes de direcionar sua atenção e focar em apenas um ouvido."

Todos os sons causam uma reação — o cérebro determina qual

Foldal está particularmente interessado em como percebemos o tempo das diferentes fontes sonoras.

"Além do fato de haver mais atividade cerebral, também posso ver que ela flutua, pois há um processamento mais preciso de quando é importante aumentar a atividade. Esta é uma maneira de se conectar e depois desconectar, para que todo o resto não interfira."


Nos experimentos, Foldal viu que o cérebro sempre responde a um som inesperado. Na psicologia, muitas vezes é chamado de processamento de baixo para cima, é absolutamente básico. Mas o que importa é o que fazemos com ele.

"Isso é o que chamamos de processamento de cima para baixo, que descreve como funções como gerenciamento de atenção ou previsão afetam o aparelho sensorial."

Assim, mais ou menos conscientemente, você sempre registrará sons inesperados. Se os sons chamam sua atenção ou não é determinado se o modelo do cérebro os reconhece ou não.

Cérebros musicais são melhores em controlar a atenção

Ritmo e tempo são importantes para o som da música. Usamos os mesmos mecanismos para nos concentrarmos ao pedir um café em um café barulhento e quando ouvimos música. Ouvir música com sons novos ou inesperados também pode ser mais exigente para o cérebro do que se você ouvir algo que você conhece bem.

"Nossos cérebros estão constantemente se esforçando para ter o melhor modelo possível para o que ocorrer nos próximos momentos. Se você está exposto a novos estímulos, sejam sons ou imagens, o cérebro não tem um bom modelo, e por isso mais é necessário de você", explica Foldal.

Os pesquisadores Anne Danielsen e Guilherme Schmidt Câmara já mostraram anteriormente que músicos experientes têm um conhecimento embutido das propriedades dos sons, que eles usam para cronometrar a música corretamente. Foldal perguntou aos participantes do teste sobre sua experiência com a música, e ela pode ver que isso afeta os resultados.

"Em uma tarefa onde eles eram obrigados a detectar desvios em um ritmo, aqueles com experiência musical se saíram melhor. Isso confirma pesquisas anteriores que mostram como as pessoas com experiência musical são melhores em tempo.

Ser musical pode, portanto, ser uma vantagem quando encontramos sons inesperados ou perturbadores.

"Também pode ser que você melhore a divisão e controle sua atenção tocando música com os outros, para que você possa perceber sons diferentes, mas seja mais capaz de se concentrar no que é importante", ressalta Foldal.

Author: Mari Lilleslåtten

Source: University of Oslo

Contact: Mari Lilleslåtten – University of Oslo


147 visualizações0 comentário