Sinais de demência são escritos no sangue




Os pesquisadores identificaram 33 compostos metabólicos em amostras de sangue que diferiam entre aqueles com demência e idosos cognitivamente saudáveis. 7 dos metabólitos foram elevados em pacientes com demência, enquanto 26 estavam em níveis mais baixos em comparação com amostras daqueles sem demência. Níveis elevados desses metabólitos podem ter um efeito neuroprotetor contra a demência.

Fonte: OIST

Cientistas no Japão identificaram compostos metabólicos dentro do sangue que estão associados à demência.

O estudo revelou que os níveis de 33 metabólitos diferem em pacientes com demência, em comparação com idosos sem condições de saúde existentes. Seus achados, publicados esta semana na PNAS,poderiam um dia auxiliar no diagnóstico e tratamento da demência.


"Metabólitos são substâncias químicas produzidas por reações químicas vitais que ocorrem dentro de células e tecidos", disse o primeiro autor, Dr. Takayuki Teruya, que trabalha na Unidade de Células G0 do Instituto de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Okinawa (OIST). "Nosso corpo normalmente mantém esses níveis em equilíbrio, mas à medida que envelhecemos e se desenvolvermos doenças como a demência, esses níveis podem flutuar e mudar."

Demência não é apenas uma única doença, mas um termo geral usado para descrever um conjunto de sintomas, incluindo um declínio lento, mas tipicamente irreversível na capacidade de lembrar, pensar, tomar decisões ou realizar atividades cotidianas. De todas as doenças associadas ao envelhecimento, a demência é uma das mais graves, não apenas para os pacientes e sua família, mas para a sociedade como um todo, com cerca de 55 milhões de pessoas vivendo com a doença em todo o mundo.


Embora os cientistas saibam que a demência é causada por danos aos nervos, a causa exata deste dano, e os métodos de como ele pode ser detectado e tratado permaneceram evasivos.

No estudo, a equipe de pesquisa analisou amostras de sangue coletadas de oito pacientes com demência, além de oito idosos saudáveis. Eles também coletaram amostras de oito jovens saudáveis para usar como referência. Ao contrário da maioria dos estudos que analisam metabólitos sanguíneos, esta pesquisa incluiu compostos encontrados dentro de glóbulos vermelhos.

"As células sanguíneas são difíceis de manusear porque sofrem alterações metabólicas se não tratadas mesmo por um curto período de tempo", explicou o Dr. Teruya.

No entanto, a equipe de pesquisa desenvolveu recentemente uma maneira de estabilizar metabólitos em glóbulos vermelhos, permitindo-lhes examinar pela primeira vez a relação entre atividade de glóbulos vermelhos e demência.

Os cientistas mediram os níveis de 124 metabólitos diferentes em sangue inteiro e descobriram que 33 metabólitos, divididos em 5 subgrupos diferentes, correlacionados com a demência. Sete desses compostos aumentaram em pacientes com demência, enquanto 26 desses compostos apresentaram diminuição nos níveis. 20, incluindo nove abundantes em glóbulos vermelhos, desses compostos não tinham sido anteriormente ligados à demência.

"A identificação desses compostos significa que estamos um passo mais perto de poder diagnosticar a demência molecularmente", disse o autor sênior do estudo, professor Mitsuhiro Yanagida, que lidera a Unidade celular G0 do OIST.

Os sete metabólitos que apresentaram aumento dos níveis em pacientes com demência foram encontrados dentro do plasma de sangue e pertenciam ao subgrupo A de metabólitos. É importante ressaltar que alguns desses compostos têm efeitos tóxicos no sistema nervoso central.


"Ainda é muito cedo para dizer, mas pode sugerir uma possível causa mecanicista de demência, pois esses compostos podem levar ao comprometimento do cérebro", disse o Prof. Yanagida.

A equipe de pesquisa planeja testar essa ideia nos próximos passos de sua pesquisa, vendo se o aumento desses metabólitos pode induzir demência em modelos animais, como ratos.

Os 26 compostos restantes que diminuíram em pacientes com demência, em comparação com idosos saudáveis, pertenciam a outros quatro subgrupos metabólitos, B-E.

Sete metabólitos foram encontrados em pacientes de níveis mais elevados com demência, em comparação com idosos saudáveis. Imagem está em domínio público

Seis metabólitos que diminuíram em pacientes com demência foram classificados no subgrupo B, devido à sua estrutura semelhante. Esses compostos metabólicos são antioxidantes, que protegem células e tecidos reduzindo danos causados por radicais livres – moléculas instáveis produzidas por reações químicas nas células. Os pesquisadores descobriram que esses compostos antioxidantes derivados dos alimentos eram altamente abundantes em glóbulos vermelhos de idosos saudáveis.

"Pode ser que os glóbulos vermelhos ofereçam não apenas oxigênio, mas também metabólitos cruciais que protegem o sistema nervoso de danos", disse o Dr. Teruya.

Os subgrupos restantes contêm compostos que os pesquisadores acreditam desempenhar um papel no fornecimento de nutrientes, manutenção de reservas energéticas e proteção de neurônios contra danos.

"No futuro, esperamos iniciar alguns estudos de intervenção, seja suplementando pacientes com demência com compostos metabólicos nos subgrupos B-E, ou inibindo as neurotoxinas do subgrupo A, para ver se isso pode retardar, prevenir ou até mesmo reverter sintomas de demência", disse o Prof. Yanagida.

Author: Tomomi Okubo

Source: OIST

Contact: Tomomi Okubo – OIST

“Whole-blood metabolomics of dementia patients reveal classes of disease-linked metabolites” by Takayuki Teruya et al. PNAS



573 visualizações0 comentário