top of page

Tanto a C-19 quanto as vacinas podem levar a um maior risco de doença cardíaca, diz estudo




Um novo estudo sugere que tanto a infecção por C-19 quanto a vacinação contra o vírus podem aumentar o risco de síndrome de taquicardia ortostática postural (POTS), uma condição que faz com que o coração bata anormalmente rápido.

Em uma pessoa saudável, o sistema nervoso automaticamente aperta os vasos sanguíneos e causa um aumento moderado na frequência cardíaca para garantir que uma quantidade suficiente de sangue chegue ao cérebro. Na maioria dos pacientes com POTS, no entanto, esse sistema nervoso autônomo não funciona adequadamente, forçando o coração a bater mais rápido para compensar a queda no suprimento de sangue para o cérebro. Isso geralmente resulta em tonturas, desmaios, dor no peito e falta de ar, especialmente ao mudar de uma posição sentada para uma posição em pé.

Para o estudo, publicado esta semana na Nature Cardiovascular Research, uma equipe de cientistas examinou os diagnósticos de POTS pós-vacinação de 284.592 adultos de 2020 a 2022. A grande maioria desses pacientes recebeu as vacinas da Pfizer-BioNTech (62%), da Moderna (31%) e da Johnson & Johnson (6,9%).

"A partir desta análise, descobrimos que as chances de desenvolver POTS são maiores 90 dias após a exposição à vacina do que os 90 dias anteriores à exposição", disse o Dr. Alan Kwan, primeiro autor do estudo e especialista cardiovascular no Cedars-Sinai Medical Center, em um comunicado de imprensa. "Também descobrimos que as chances relativas de POTS eram maiores do que seria explicado pelo aumento nas visitas a médicos após a vacinação ou infecção".

Especificamente, as chances de desenvolver diagnósticos relacionados ao POTS após a vacinação em comparação com antes da vacinação foram de 1,33. Isso é menor do que as chances de obter um diagnóstico pós-vacinação de miocardite (2,57), que é um dos efeitos adversos mais comumente relatados das vacinas COVID-19 e, por esse motivo, usado como referência neste estudo.

Os pesquisadores também analisaram os registros de diagnóstico de 12.460 pacientes do Cedars-Sinai com COVID-19. Ao traçar as chances pós-exposição e as taxas absolutas de ocorrência de novos diagnósticos, eles descobriram que o risco pós-infecção de ser diagnosticado com POTS foi 5,35 vezes maior após a infecção por COVID do que após a vacinação.

"A partir desses resultados, podemos concluir que o POTS pode estar ocorrendo em uma frequência maior do que o esperado após a vacinação contra a COVID-19, embora a uma taxa geral menor do que a frequência de POTS ocorrendo após a infecção por SARS-CoV-2", escreveram eles no estudo.

Embora não esteja claro exatamente como a vacinação pode estar desencadeando o POTS, os pesquisadores disseram que isso pode ter a ver com o fato de que as vacinas de mRNA funcionam evocando uma resposta imunológica à proteína spike do vírus.

De acordo com Kwan, as descobertas devem levar a comunidade médica a estudar a ligação entre essa disfunção do sistema nervoso autônomo e as vacinas contra a COVID-19, mas não devem ser tomadas como algo desencorajador da vacinação.

"A principal mensagem aqui é que, embora vejamos uma ligação potencial entre a vacinação contra a COVID-19 e a POTS, prevenir a COVID-19 através da vacinação ainda é a melhor maneira de reduzir o risco de desenvolver POTS", disse Kwan.

A Dra. Madhava Setty, anestesiologista e editora sênior de ciência do site de notícias de saúde on-line The Defender, comentou que o estudo também deveria ter incluído pessoas que receberam vacinas COVID, mas ainda estavam infectadas com o vírus.

"Em outras palavras, eles não responderam à grande questão, que é se se vacinar reduziria o risco de contrair POTS uma vez que você contraiu COVID-19", disse Setty.

"Como a vacina não previne infecções, e não sabemos se as vacinas mitigam o risco de contrair POTS após a COVID-19, não temos ideia se o risco supera o benefício.

"Como a vacina não previne infecções, e não sabemos se as vacinas mitigam o risco de contrair POTS após a COVID-19, não temos ideia se o risco supera o benefício.

Nature Cardiovascular Research

Article https://doi.org/10.1038/s44161-022-00177-8

Apparent risks of postural orthostatic tachycardia syndrome diagnoses after COVID-19 vaccination and SARS-Cov-2 Infection Alan C. Kwan  1 , Joseph E. Ebinger  1 , Janet Wei1 , Catherine N. Le2 , Jillian R. Oft2 , Rachel Zabner2 , Debbie Teodorescu1 , Patrick G. Botting1 , Jesse Navarrette1 , David Ouyang  1 , Matthew Driver1 , Brian Claggett3 , Brittany N. Weber3 , Peng-Sheng Chen1 & Susan Cheng  1

681 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page