top of page

Taxa de letalidade da infecção por C19 foi de 0,0003% em 0-19 anos, diz estudo




Um estudo que analisou a taxa de letalidade da infecção estratificada por idade (IFR) da COVID-19 entre a população não idosa descobriu que a taxa era extremamente baixa entre os jovens.

https://doi.org/10.1016/j.envres.2022.114655

"A IFR mediana foi de 0,0003% em 0-19 anos, 0,002% em 20-29 anos, 0,011% em 30-39 anos, 0,035% em 40-49 anos, 0,123% em 50-59 anos e 0,506% em 60-69 anos", afirmou o estudo realizado em 29 países. "Em nível global, a IFR pré-vacinação pode ter sido tão baixa quanto 0,03% e 0,07% para pessoas de 0 a 59 e 69 anos de idade, respectivamente."

O estudo teve como objetivo estimar com precisão o IFR da COVID-19 entre populações não idosas na ausência de vacinação ou infecção prévia.

Para cada 10 anos adicionais de idade, observou-se que o IFR aumentou em cerca de quatro vezes. Depois de incluir dados de mais nove nações, a IFR mediana para 0-59 anos chegou a 0,025 a 0,032% e por 0-69 anos foi de 0,063 a 0,082%.

De acordo com o estudo, a análise sugere um IFR pré-vacinação "muito menor" na população não idosa do que havia sido sugerido anteriormente. As grandes diferenças encontradas entre as nações foram atreladas a diferenças em fatores como comorbidades.

Perigos da vacinação entre os jovens

Um estudo recente que analisou crianças entre as idades de 5 e 17 anos que receberam vacinas da Pfizer COVID-19 encontrou um risco elevado de inflamação cardíaca entre crianças de até 12 anos de idade.

A miocardite e a pericardite atingiram o limiar para um sinal de segurança para crianças com idades compreendidas entre os 12 e os 17 anos após a segunda e terceira doses. Essas condições cardíacas podem causar problemas a longo prazo e até a morte.

"O sinal detectado para miocardite / pericardite é consistente com publicações publicadas revisadas por pares demonstrando um risco elevado de miocardite / pericardite após vacinas de mRNA, especialmente entre homens mais jovens com idade entre 12-29 anos", disseram os pesquisadores.

Em uma entrevista à Fox News em janeiro, a pesquisadora do MIT Stephanie Seneff disse que era "ultrajante" dar vacinas contra a COVID-19 a jovens, pois eles têm um "risco muito, muito baixo" de morrer da infecção.

Ao olhar para os danos potenciais dessas vacinas para as crianças, elas não fazem "nenhum sentido", acrescentou. Com reforços repetidos, esse tratamento será "devastador" a longo prazo.

Os pais devem fazer "absolutamente tudo o que puderem" para evitar que seus filhos sejam vacinados contra a COVID-19, aconselhou o pesquisador.

Vacinação de crianças

Alguns países interromperam seus programas de vacinação contra a COVID-19 para crianças. Em outubro, a autoridade sueca de Saúde Pública deixou de recomendar a vacinação para jovens de 12 a 17 anos, exceto em circunstâncias especiais. A agência reconheceu que muito poucas crianças saudáveis foram seriamente afetadas pelo vírus.

"No geral, vemos que a necessidade de cuidados como resultado da COVID-19 tem sido baixa entre crianças e jovens durante a pandemia, e também diminuiu desde que a variante do vírus omicron começou a se espalhar", disse Soren Andersson, chefe de uma unidade da Autoridade de Saúde Pública, à emissora SVT na época. "Nesta fase da pandemia, não vemos que haja uma necessidade contínua de vacinação neste grupo."

Enquanto isso, nos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA) está avançando com a vacinação de crianças, permitindo a liberação emergencial de vacinas da Pfizer e da Moderna para crianças de apenas seis meses de idade.

Dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) mostram que é a população vacinada que compôs a maioria das mortes por COVID-19 em agosto.

Durante esse mês, 6.512 mortes foram registradas, das quais 58,6% foram atribuídas a indivíduos vacinados ou impulsionados. Em janeiro, as mortes por COVID-19 entre os vacinados e impulsionados representaram apenas 41% do total de mortalidades.


Age-stratified infection fate of COVID-19 in the

non-elderly population

Angelo Maria Pezzullo a,b, Cathrine Axfors a, Despina G. Contopoulos-Ioannidis a,c,

Alexandre Apostolatos a,d, John P.A. Ioannidis a,e,*

a Meta-Research Innovation Center at Stanford (METRICS), Stanford University, Stanford, CA, USA

b Sezione di Igiene, Dipartimento di Scienze della Vita e Sanit`a Pubblica, Universit`a Cattolica del Sacro Cuore, Rome, Italy

c Division of Infectious Diseases, Department of Pediatrics, Stanford University School of Medicine, Stanford, CA, USA

d Faculty of Medicine, Universit ́e de Montr ́eal, Montreal, Canada

e Departments of Medicine, of Epidemiology and Population Health, of Biomedical Data Science, and of Statistics, Stanford University, Stanford, CA, USA

A B S T R A C T

The largest burden of COVID-19 is carried by the elderly, and persons living in nursing homes are particularly

vulnerable. However, 94% of the global population is younger than 70 years and 86% is younger than 60 years.

The objective of this study was to accurately estimate the infection fatality rate (IFR) of COVID-19 among non-

elderly people in the absence of vaccination or prior infection. In systematic searches in SeroTracker and PubMed

(protocol: https://osf.io/xvupr), we identified 40 eligible national seroprevalence studies covering 38 countries

with pre-vaccination seroprevalence data. For 29 countries (24 high-income, 5 others), publicly available age-

stratified COVID-19 death data and age-stratified seroprevalence information were available and were

included in the primary analysis. The IFRs had a median of 0.034% (interquartile range (IQR) 0.013–0.056%) for

the 0–59 years old population, and 0.095% (IQR 0.036–0.119%) for the 0–69 years old. The median IFR was

0.0003% at 0–19 years, 0.002% at 20–29 years, 0.011% at 30–39 years, 0.035% at 40–49 years, 0.123% at 50–59

years, and 0.506% at 60–69 years. IFR increases approximately 4 times every 10 years. Including data from

another 9 countries with imputed age distribution of COVID-19 deaths yielded median IFR of 0.025–0.032% for

0–59 years and 0.063–0.082% for 0–69 years. Meta-regression analyses also suggested global IFR of 0.03% and

0.07%, respectively in these age groups. The current analysis suggests a much lower pre-vaccination IFR in non-

elderly populations than previously suggested. Large differences did exist between countries and may reflect

differences in comorbidities and other factors. These estimates provide a baseline from which to fathom further

IFR declines with the widespread use of vaccination, prior infections, and evolution of new variants.

1. Introduction

The Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) pandemic has had grave

worldwide consequences. Among people dying from COVID-19, the

largest burden is carried by the elderly (Ioannidis et al., 2020), and

persons living in nursing homes are particularly vulnerable (Coma-

s-Herrera et al., 2020). However, non-elderly people represent the vast

majority of the global population, with 94% of the global population

being younger than 70 years old, 91% being younger than 65 years old,

and 86% being younger than 60 years old. It is therefore important to get

accurate estimates of the infection fatality rate (IFR) of COVID-19

among non-elderly people, i.e., the proportion of deceased among

those infected, and to assess the age-stratification of IFR among

non-elderly strata. Such assessments carry profound implications in

public health, from evaluating the pertinence of prevention measures to

vaccine strategies. Several previous evaluations (Ioannidis, 2021a; Levin

et al., 2020; O’Driscoll et al., 2021; Brazeau et al., 2020) have already

synthesized information on age-stratified estimates of IFR. Most of those

used data from early published studies, and these tended to have in-

formation from mostly hard hit countries, thus potentially with inflated

IFR estimates. Moreover, several analytical and design choices for these

reviews and data syntheses can be contested (Ioannidis, 2021b) and

many more potentially informative seroprevalence studies have been

published since then. We recently examined age stratified IFR in the

* Corresponding author. Meta-Research Innovation Center at Stanford (METRICS), Stanford University, Stanford, CA, USA..

E-mail address: jioannid@stanford.edu (J.P.A. Ioannidis).

Contents lists available at ScienceDirect

Environmental Research

journal homepage: www.elsevier.com/locate/envres

https://doi.org/10.1016/j.envres.2022.114655

Received 11 October 2022; Received in revised form 21 October 2022; Accepted 22 October 2022

285 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page