Teoria da Detecção de Sinais pode ser usada para medir objetivamente a fadiga cognitiva



Duas métricas-chave da teoria da detecção de sinais, certeza perceptiva e viés de resposta, correlacionam-se com mudanças na fadiga cognitiva.

Uma equipe de pesquisadores de Nova Jersey mostrou que mudanças na certeza perceptiva e viés de resposta, duas métricas centrais da teoria da detecção de sinais (SDT), se correlacionam com mudanças na fadiga cognitiva. Eles também mostram que as medidas do SDT mudam em função de mudanças na ativação cerebral.

Esse achado foi relatado na Frontiers in Psychology em 15 de janeiro de 2021.

Os autores são Glenn Wylie, DPhil, Brian Yao, PhD, e John DeLuca, PhD, da Fundação Kessler, e Joshua Sandry, PhD, da Universidade Estadual de Montclair.


A fadiga cognitiva é uma experiência comum que afeta a população saudável, bem como indivíduos com lesão cerebral ou doença neurodegenerativa. Um grande conjunto de pesquisas mostra que sentimentos subjetivos de fadiga cognitiva não se correlacionam com o desempenho – ou seja, uma pessoa pode experimentar fadiga cognitiva e, ainda assim, medidas objetivas de seu desempenho, como seu tempo de resposta ou nível de precisão, não necessariamente pioram. Como resultado, os pesquisadores há muito não têm uma medida comportamental objetiva que covaria com a experiência subjetiva da fadiga.


Embora pesquisas anteriores tenha indicado que uma métrica de SDT, certeza perceptiva, pode mudar em função da fadiga, ainda não está claro se a certeza perceptiva covaria com fadiga. Além disso, não houve nenhuma pesquisa que investigue o efeito da fadiga na segunda métrica chave do SDT, viés de resposta, que é a quantidade de evidência que se requer antes de liberar uma resposta.

Entender se e como a fadiga cognitiva covaria com ambas as métricas SDT é essencial para o desenvolvimento de intervenções eficazes para pessoas com essa condição.

O estudo foi realizado no Rocco Ortenzio Neuroimaging Center da Fundação Kessler, uma instalação especializada dedicada exclusivamente à pesquisa de reabilitação. Para investigar a fadiga cognitiva usando SDT, os pesquisadores induziram a fadiga cognitiva em 39 voluntários saudáveis enquanto adquiriam dados de ressonância magnética estrutural e funcional (fMRI).


Eles avaliaram a fadiga cognitiva dos sujeitos usando uma escala analógica visual de fadiga (VAS-F) na linha de base e após cada uma das oito corridas das tarefas. Isso permitiu que a equipe avaliasse se a certeza perceptiva e o viés de resposta covary com fadiga cognitiva, e se padrões semelhantes de ativação cerebral estão por trás da fadiga cognitiva e das medidas de SDT.

Os pesquisadores descobriram que ambas as métricas do SDT estavam correlacionadas com mudanças na fadiga cognitiva. À medida que a fadiga aumentava, os sujeitos se tornaram mais conservadores em seu viés de resposta e sua certeza perceptiva diminuiu. Este estudo é o primeiro a mostrar que as mudanças na fadiga cognitiva estão correlacionadas com mudanças na certeza perceptiva.

Além disso, a equipe de pesquisa descobriu que a ativação no estriado do gânglio basal – uma área do cérebro que os pesquisadores de Kessler já identificaram como sensível às mudanças na fadiga cognitiva – também estava relacionada ao viés de resposta e à certeza perceptiva.

"Nossos resultados mostram que a fadiga cognitiva está relacionada a mudanças no viés de resposta dos sujeitos e à certeza perceptiva", disse o autor principal, Dr. Wylie, diretor do Centro Ortenzio. "Teorizamos que, à medida que a fadiga cognitiva aumenta, os sujeitos cometem mais erros porque sua sensibilidade perceptiva diminui e compensam isso adotando um viés de resposta mais conservador", enfatizou.

"Nosso trabalho demonstra a relevância das medidas do SDT na compreensão da fadiga e fornece aos pesquisadores um novo conjunto de ferramentas com as quais compreender melhor a natureza e as consequências da fadiga cognitiva."

Financiamento: New Jersey Commission for Brain Injury Research (10.005.BIR1) e a National Multiple Sclerosis Society (RG 4232A1/1)

“Using Signal Detection Theory to Better Understand Cognitive Fatigue” by Glenn Wylie, DPhil, Brian Yao, PhD, John DeLuca, PhD, and Joshua Sandry, PhD. Frontiers in Psychology


15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo