O sono é insubstituível para a recuperação do cérebro



No entanto, não está claro até agora se isso é devido a um refinamento ativo de conexões neurais ou apenas devido à ausência de entrada nova durante o sono.


Descansar não substitui o sono profundo quando se trata de acompanhar as intensas demandas de desempenho da vida diária.

O sono é onipresente em animais e humanos e vital para o funcionamento saudável. Assim, o sono após o treinamento melhora o desempenho em várias tarefas em comparação com períodos iguais de vigília ativa.

No entanto, não está claro até agora se isso é devido a um refinamento ativo de conexões neurais ou apenas devido à ausência de entrada nova durante o sono. Agora, pesquisadores do Centro Médico – Universidade de Freiburg conseguiram mostrar que o sono é mais do que descanso para melhorar o desempenho.

Os achados, publicados na revista SLEEP em 6 de janeiro de 2021, fornecem informações importantes para o planejamento de períodos de aprendizagem intensiva ou treinamento.

"O sono é insubstituível para a recuperação do cérebro. Não pode ser substituído por períodos de descanso para melhor desempenho. O estado do cérebro durante o sono é único", diz o Prof. Dr. Christoph Nissen, que liderou o estudo como líder do grupo de pesquisa no Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Centro Médico – Universidade de Freiburg e agora trabalha na Universidade de Berna, na Suíça.

Em estudos anteriores, Nissen e sua equipe forneceram evidências para a noção de que o sono tem uma função dupla para o cérebro: conexões não uso são enfraquecidas e conexões relevantes são reforçadas.

No presente estudo, os pesquisadores realizaram um experimento de aprendizagem visual com 66 participantes. Primeiro, todos os participantes foram treinados distinguindo certos padrões. Depois, um grupo acordou assistindo vídeos ou jogando tênis de mesa. O segundo grupo dormiu por uma hora e o terceiro grupo ficou acordado, mas estava em um quarto escurecido sem estímulos externos e sob condições controladas de laboratório do sono.

Não só o grupo que dormia teve um desempenho significativamente melhor do que o grupo que estava acordado e ativo, mas o grupo do sono também teve um desempenho significativamente melhor do que o grupo que estava acordado, mas privado de quaisquer estímulos externos. A melhora no desempenho esteve ligada à atividade típica de sono profundo do cérebro, que tem uma função importante para a conectividade das células nervosas.

"Isso mostra que é o próprio sono que faz a diferença", diz o co-líder do estudo Prof. Dr. Dieter Riemann, chefe do laboratório do sono do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Centro Médico – Universidade de Freiburg. Em experimentos de controle, os pesquisadores de Freiburg garantiram que a fadiga e outros fatores gerais não tiveram influência nos resultados.

O estudo mostra que o sono não pode ser substituído por repouso durante fases de intensas demandas de desempenho no trabalho ou no cotidiano.


Christoph Nissen - Universidade de Freiburg

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo