Ultrassom no Tratamento de Doenças Cerebrais



Ondas ultrassônicas altamente focadas agora podem ser usadas para cirurgias não invasivas, entrega focal de terapêuticas ou genes para áreas selecionadas do cérebro e modulação terapêutica de redes neurais em várias doenças cerebrais.


A técnica de estimulação neural TPS é capaz de atingir e ativar invasivamente regiões cerebrais profundas, fornecendo um novo potencial de tratamento para uma série de distúrbios neurológicos e psicológicos.

O ultrassom não é usado apenas como uma técnica de imagem, mas pulsos direcionados de ultrassom podem ser usados como um tratamento altamente preciso para uma série de doenças cerebrais, para as quais antes havia apenas opções limitadas de tratamento.

Ao longo dos últimos anos, várias técnicas revolucionárias desse tipo foram desenvolvidas, principalmente em Toronto, mas também no MedUni Viena.

A técnica vienense melhora as funções cerebrais ativando externamente neurônios que ainda estão funcionais. Melhorias podem ser esperadas em várias doenças cerebrais neuropsiquiátricas, como Alzheimer, Parkinson, derrame, Esclerose Múltipla e neuralgia.

Uma revisão escrita conjuntamente pela MedUni Viena e pela Universidade de Toronto e publicada na revista especializada "Advanced Science" mostra que os novos tratamentos já estão à beira de uma ampla aplicação clínica.

Nos últimos anos, novos conceitos para terapia cerebral de ultrassom foram desenvolvidos. Ondas ultrassônicas altamente focadas agora podem ser usadas para cirurgias não invasivas, entrega focal de terapêuticas ou genes para áreas selecionadas do cérebro e modulação terapêutica de redes neurais em vár