Um abacate por dia mantém seus micróbios intestinais felizes





Os pesquisadores descobriram que as pessoas que comem abacate todos os dias como parte de uma refeição tinham uma maior abundância de micróbios intestinais que quebram fibras e produzem metabólitos que suportam a saúde intestinal. I




As pessoas que comem abacates diariamente têm uma maior abundância de micróbios intestinais que quebram fibras e promovem a saúde intestinal. Também apresentaram maior diversidade microbiana do que aqueles que consumiam abacates com menos frequência.

Universidade de Illinois


Comer abacate como parte de sua dieta diária pode ajudar a melhorar a saúde intestinal, mostra um novo estudo da Universidade de Illinois. Abacates são um alimento saudável que é rico em fibras dietéticas e gordura monoinsaturada. No entanto, não ficou claro como os abacates impactam os micróbios no sistema gastrointestinal ou no "intestino".

"Sabemos que comer abacates ajuda você a se sentir cheio e reduz a concentração de colesterol no sangue, mas não sabíamos como isso influencia os micróbios intestinais, e os metabólitos que os micróbios produzem", diz Sharon Thompson, estudante de pós-graduação da Divisão de Ciências Nutricionais da U of I e principal autora do artigo, publicado no Journal of Nutrition.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que comem abacate todos os dias como parte de uma refeição tinham uma maior abundância de micróbios intestinais que quebram fibras e produzem metabólitos que suportam a saúde intestinal. Também apresentaram maior diversidade microbiana em relação às pessoas que não receberam as refeições de abacate no estudo.

"Metabólitos microbianos são compostos que os micróbios produzem que influenciam a saúde", diz Thompson. "O consumo de abacate reduziu os ácidos biliais e aumentou os ácidos graxos de cadeia curta. Essas mudanças se correlacionam com desfechos benéficos para a saúde."

O estudo incluiu 163 adultos entre 25 e 45 anos com sobrepeso ou obesidade – definido como IMC de pelo menos 25 kg/m2 – mas de outra forma saudável. Eles receberam uma refeição por dia para consumir como substituto para café da manhã, almoço ou jantar. Um grupo consumia um abacate a cada refeição, enquanto o grupo controle consumia uma refeição semelhante, mas sem o abacate. Os participantes forneceram amostras de sangue, urina e fecal ao longo das 12 semanas de estudo. Eles também relataram quanto das refeições fornecidas eles consumiam, e a cada quatro semanas registravam tudo o que comem.

Embora outras pesquisas sobre o consumo de abacate tenham se concentrado na perda de peso, os participantes deste estudo não foram aconselhados a restringir ou mudar o que comem. Em vez disso, consumiram suas dietas normais, com exceção de substituir uma refeição por dia pela refeição fornecida pelos pesquisadores.

O objetivo deste estudo foi explorar os efeitos do consumo de abacate na microbiota gastrointestinal, diz Hannah Holscher, professora assistente de nutrição do Departamento de Ciência alimentar e Nutrição Humana da U of I e autora sênior do estudo.

"Nosso objetivo era testar a hipótese de que as gorduras e a fibra nos abacates afetam positivamente a microbiota intestinal. Também queríamos explorar as relações entre micróbios intestinais e desfechos de saúde", diz Holscher.

Abacates são ricos em gordura; no entanto, os pesquisadores descobriram que, enquanto o grupo de abacate consumia um pouco mais de calorias do que o grupo controle, um pouco mais de gordura era excretada em suas fezes.

"Maior excreção de gordura significa que os participantes da pesquisa estavam absorvendo menos energia dos alimentos que estavam comendo. Isso foi provavelmente por causa de reduções nos ácidos biliais, que são moléculas que nosso sistema de digestão se secreta que nos permitem absorver gordura. Descobrimos que a quantidade de ácidos biliares nas fezes era menor e a quantidade de gordura nas fezes era maior no grupo do abacate", explica Holscher.

Diferentes tipos de gorduras têm efeitos diferenciais no microbioma. As gorduras nos abacates são monoinsaturadas, que são gorduras saudáveis para o coração.

O teor de fibra solúvel também é muito importante, observa Holscher. Um abacate médio fornece cerca de 12 gramas de fibra, o que vai um longo caminho para atender à quantidade recomendada de 28 a 34 gramas de fibra por dia.

"Menos de 5% dos americanos comem fibras suficientes. A maioria das pessoas consome em torno de 12 a 16 gramas de fibra por dia. Assim, incorporar abacates em sua dieta pode ajudá-lo a se aproximar da recomendação de fibras", observa.

Comer fibra não é bom apenas para nós; é importante para o microbioma, também, afirma Holscher. "Não podemos quebrar fibras dietéticas, mas certos micróbios intestinais podem. Quando consumimos fibras dietéticas, é um ganha-ganha para micróbios intestinais e para nós."

O laboratório de pesquisa de Holscher é especializado em modulação dietética do microbioma e suas conexões com a saúde. "Assim como pensamos em refeições saudáveis para o coração, precisamos também pensar em refeições saudáveis e como alimentar a microbiota", explica.

O abacate é um alimento denso energético, mas também é denso de nutrientes, e contém micronutrientes importantes que os americanos não comem o suficiente, como potássio e fibras.

"É apenas uma fruta muito bem embalada que contém nutrientes que são importantes para a saúde. Nosso trabalho mostra que podemos adicionar benefícios à saúde intestinal a essa lista", diz Holscher.

Os autores são Sharon Thompson, Melisa Bailey, Andrew Taylor, Jennifer Kaczmarek, Annemarie Mysonhimer, Caitlyn Edwards, Ginger Reeser, Nicholas Burd, Naiman Khan e Hannah Holscher.

Financiamento: O financiamento para a pesquisa foi fornecido pelo Hass Avocado Board e pelo Instituto Nacional de Alimentos e Agricultura do USDA, projeto Hatch 1009249. Sharon Thompson foi apoiada pelo UsDA National Institute of Food and Agriculture AFRI Predoctoral Fellowship, projeto 2018-07785, e pelo Illinois College of ACES Jonathan Baldwin Turner Fellowship. Jennifer Kaczmarek foi apoiada por uma Divisão de Ciências Nutricionais Da Bolsa de Excelência. Andrew Taylor foi apoiado por um Departamento de Ciência de Alimentos e Nutrição Humana. A Divisão de Ciências Nutricionais forneceu financiamento de sementes através a margem de excelência doação.


Sobre essa pesquisa de microbioma


Fonte: Universidade de Illinois

Contato: Marianne Stein – Universidade de Illinois

88 visualizações0 comentário