top of page

'Um Assassino Silencioso': Demonstrado o mecanismo que a C19 desencadeia inflamação no cérebro




Resumo: A infecção pelo COVID-19 ativa a mesma resposta inflamatória no cérebro que a doença de Parkinson, relata um novo estudo.

Fonte: Universidade de Queensland

Uma pesquisa liderada pela Universidade de Queensland descobriu que o COVID-19 ativa a mesma resposta inflamatória no cérebro que a doença de Parkinson.

A descoberta identificou um potencial risco futuro para condições neurodegenerativas em pessoas que tiveram COVID-19, mas também um possível tratamento.

A equipe da UQ foi liderada pelo Professor Trent Woodruff e pelo Dr. Eduardo Albornoz Balmaceda da Escola de Ciências Biomédicas da UQ, e virologistas da Escola de Química e Biociências Moleculares.

"Estudamos o efeito do vírus nas células imunes do cérebro, 'microglia' que são as células-chave envolvidas na progressão de doenças cerebrais como Parkinson e Alzheimer", disse o professor Woodruff.

"Nossa equipe criou microglia humana em laboratório e infectou as células com SARS-CoV-2, o vírus causador do COVID-19.

"Descobrimos que as células efetivamente ficaram 'com raiva', ativando o mesmo caminho que as proteínas de Parkinson e Alzheimer podem ativar em doenças, os inflamadores."

Albornoz Balmaceda disse que desencadear o caminho inflamado provocou um "fogo" no cérebro, que inicia um processo crônico e sustentado de matar neurônios.

"É uma espécie de assassino silencioso, porque você não vê nenhum sintoma externo por muitos anos", disse o Dr. Albornoz Balmaceda.

"Isso pode explicar por que algumas pessoas que tiveram COVID-19 são mais vulneráveis ao desenvolvimento de sintomas neurológicos semelhantes à doença de Parkinson."

Os pesquisadores descobriram que o pico de proteína do vírus foi suficiente para iniciar o processo e foi ainda mais exacerbado quando já havia proteínas no cérebro ligadas ao Parkinson.

"Então, se alguém já está pré-disposto ao Parkinson, ter o COVID-19 pode ser como derramar mais combustível nesse 'fogo' no cérebro", disse o professor Woodruff.

"O mesmo se aplicaria a uma predisposição para Alzheimer e outras demências que foram ligadas a inflamações."

Mas o estudo também encontrou um tratamento potencial.

Os pesquisadores administraram uma classe de drogas inibitórias desenvolvidas pela UQ que estão atualmente em ensaios clínicos com pacientes com Parkinson.

"Descobrimos que bloqueou com sucesso a via inflamatória ativada pelo COVID-19, essencialmente apagando o fogo", disse o Dr. Albornoz Balmaceda.

"A droga reduziu a inflamação em ambos os camundongos infectados pelo COVID-19 e nas células microglia de humanos, sugerindo uma possível abordagem de tratamento para prevenir a neurodegeneração no futuro."

O professor Woodruff disse que, embora a semelhança entre a forma como as doenças do COVID-19 e demência afetam o cérebro fosse preocupante, também significava que um possível tratamento já existia.

"Mais pesquisas são necessárias, mas esta é potencialmente uma nova abordagem para o tratamento de um vírus que poderia ter incalculáveis ramificações de saúde a longo prazo."

A pesquisa foi co-liderada pelo Dr. Alberto Amarilla Ortiz e pelo Professor Associado Daniel Watterson e envolveu 33 coautores em toda a UQ e internacionalmente.

Source: University of Queensland

Contact: Press Office – University of QueenslandOriginal

“SARS-CoV-2 drives NLRP3 inflammasome activation in human microglia through spike protein” by Eduardo A. Albornoz et al. Molecular Psychiatry


438 visualizações0 comentário
bottom of page