top of page

Um contágio de covardia






Dr. Jay Bhattacharya, professor de política de saúde na Universidade de Stanford,USA


A entrevista de Jordan Peterson com Jay Bhattacharya é uma das conversas mais perspicazes do período pós-pandemia. É fascinante ver Peterson chegando a um acordo com a enorme escala do lockdown, durante o qual ele estava bastante doente. Poderíamos ter usado a sua voz nessa altura e não tenho dúvidas de que ele teria sido fantástico.

Felizmente para o mundo inteiro, tivemos Jay. Não são apenas suas credenciais ou sua posição na Universidade de Stanford. Foi a sua erudição que lhe deu o alcance para dar sentido aos nossos tempos. Nesta entrevista, Jay explica o desenrolar dos eventos de maneiras que eu pessoalmente achei convincentes.

Resumindo sua mensagem, a resposta derrubou um século de prática de saúde pública baseada em modelagem computacional que não foi informada por nenhum conhecimento médico ou experiência em saúde pública. Essa modelagem veio a ser fundida com uma resposta de estilo militar que travou uma guerra contra um patógeno sem estratégia de saída. Poderosos interesses industriais viram sua chance de realizar todas as agendas ocultas.

Isso foi ainda mais complicado por uma grave divisão política. Mesmo que os lockdowns tenham começado sob o governo Trump, opor-se a eles misteriosamente passou a ser visto como "de direita", embora as políticas de pandemia tenham violado todas as liberdades civis, prejudicado maciçamente os pobres, dividido as classes e pisoteado liberdades essenciais, que se poderia supor serem preocupações da esquerda, uma vez.

Jay sabia desde o início que essas políticas eram um desastre, mas seu método de dissidência era ficar com a ciência genuína. Ele trabalhou com colegas muito cedo na pandemia em um estudo da Califórnia que provou que essa guerra contra o "inimigo invisível" era fútil. A COVID estava em toda parte e apenas uma ameaça mortal para um grupo restrito na população precisava ter a guarda levantada enquanto o resto da sociedade seguia em frente. Esse estudo foi divulgado em abril de 2020 e as implicações foram inegavelmente devastadoras para os planejadores de guerra e os defensores do lockdown. Caso vocês não saibam, após a publicação deste artigo que viralizou mundo a fora, Jay foi surpreendido com uma ameaça de morte da sua esposa. Todas as vezes que eu o assisti falando sobre isso correm as lágrimas.

A conclusão do estudo parece bastante comum agora: "A prevalência populacional estimada de anticorpos SARS-CoV-2 no condado de Santa Clara implica que a infecção pode ser muito mais generalizada do que o indicado pelo número de casos confirmados". Mas na época, quando a dissidência era rara, embora inexistente, na literatura científica, e quando a elite do planejamento havia declarado que seu objetivo número um era rastrear, rastrear e isolar e, assim, minimizar as infecções através da compulsão enquanto esperávamos por uma vacina, essa conclusão era um anátema.

Foi quando os ataques começaram. Era como se ele tivesse que ser desligado. A imprensa popular começou a persegui-lo selvagemente, manchando tanto o estudo quanto suas motivações (isso mais tarde se tornou censura total). Neste ponto, ele começou a perceber a intensidade da campanha contra a dissidência e o impulso para a unidade total em favor da resposta política. Não era como os tempos normais em que os cientistas podiam discordar. Isso era algo diferente, algo totalmente militarizado, quando um consenso de "todo o governo" e "toda a sociedade" estava sendo exigido por todas as instituições. Isso significava que nenhuma heresia contra a ortodoxia era permitida.

Neste ponto, a entrevista termina e Peterson começa a fazer perguntas de sondagem do tipo que ele gosta sobre a luta espiritual que todos nós enfrentamos na vida, um assunto que claramente o consome. Peterson acredita que todas as aparentes lutas políticas são, em última análise, pessoais. Recuamos e concordamos com a sabedoria convencional ou continuamos a caminhar em direção à luz, como mostrado por nossa consciência?

Ele pergunta a Jay se ele enfrentou esse momento, e Jay admite que ele realmente enfrentou isso. Ele percebeu que continuar nessa direção – pesquisando para descobrir fatos e dizendo a verdade como ele a via – iria perturbar enormemente sua carreira, sua vida e tudo o que ele havia trabalhado. Tudo seria diferente, longe do conforto e em uma fronteira incerta e isolada.

Ele enfrentou essa escolha e tomou a decisão de ir em frente, sem se intimidar. Mas a decisão custou-lhe caro. Ele não conseguia dormir. Ele perdeu enormes quantidades de peso. Enfrentou o ostracismo social e profissional. Ele era arrastado pela lama diariamente na imprensa e bode expiatório para cada falha política. Ele foi acusado de conspirar com os fornecedores de dinheiro obscuro e todas as outras formas de corrupção profissional. Ele se viu irritado além do que ele já tinha sido em toda a sua carreira. Mas ainda assim ele avançou, eventualmente reunindo-se com outros cientistas para fazer o que é agora uma famosa declaração de saúde pública que resistiu ao teste do tempo. ( GREAT BARRINGTON DECLARATION), da qual eu sou signatário desde 2020.

É fascinante considerar como poucos na academia e na vida profissional fizeram essa escolha. E as razões pelas quais também são intrigantes. Muitos nessas profissões de ponta, particularmente na academia, têm muito menos flexibilidade de trabalho do que pensamos. Podemos supor que um professor titular da Ivy League poderia e diria o que quisesse.

O oposto é verdadeiro. Eles não são como o barbeiro ou mecânico de automóveis que pode deixar um emprego e facilmente começar outro a poucos quarteirões de distância ou em uma cidade diferente. Eles estão, de muitas maneiras, presos em seu próprio círculo de influência. Eles sabem disso e não se atrevem a se afastar das normas da indústria. E muitas vezes essas normas são formadas por financiamento. A Universidade de Yale, por exemplo, obtém mais receita geral do governo do que das mensalidades. Isso é típico entre essas instituições. E agora sabemos que a mídia e a tecnologia também estão na folha de pagamento.

Esses conflitos de interesse combinados com o carreirismo se desenrolaram de maneiras brutais nos últimos anos. Os profissionais de alto nível que deixaram seus empregos para trabalhar no governo Trump, por exemplo, descobriram que não tinham empregos esperando por eles quando essa presidência chegou ao fim. Eles não foram recebidos de volta, certamente não pela academia. Eles foram descartados. Pessoalmente, conheço muitos casos em que as pessoas em carreiras avançadas perderam tudo simplesmente por concordarem com o que acreditavam ser o serviço público.

A era dos lockdowns tornou isso muito pior. Em todo o país, cientistas, figuras da mídia, escritores, funcionários de think tanks, professores, editores e influenciadores de todos os tipos foram pressionados a ir junto. Não apenas isso: eles foram ameaçados de ir junto. E não eram apenas as opiniões que importavam. Houve todos os tipos de testes de conformidade ao longo do caminho. Houve o teste de "distanciamento social". Se você não praticou nele, isso de alguma forma o marcou como um inimigo. O mascaramento era outro: você pode dizer quem foi quem e o que foi o quê com base na vontade de cobrir o rosto.

O mandato da vacina, terrivelmente, tornou-se outra questão de cunha que permitiu que todos os tipos de profissões expurgassem as pessoas. Uma vez que o New York Times afirmou (verão de 2021) ter evidências de que os não vacinados eram mais propensos a serem apoiadores de Trump, isso aconteceu. O governo Biden e muitos administradores universitários sentiram que tinham a arma definitiva para alcançar o expurgo com o qual sonhavam há muito tempo.

Cumpra ou seja jogado fora. Essa era a nova regra. E realmente isso funcionou em grande parte. A diversidade de opinião em muitos setores da sociedade – mídia, academia, vida corporativa, militares – é drasticamente reduzida após essa época. Não importa que os tribunais mais tarde tenham vindo dizer que era tudo uma lei ruim. O estrago estava feito.

Ainda assim, temos que ser curiosos sobre aqueles que não foram junto. O que os levou a se afastar de seus semelhantes? É por isso que o livro de Gabrielle Bauer "Blindsight Is 2020" é tão valioso. Não cobre todos eles, mas destaca as vozes de muitos que ousaram pensar por si mesmos. E, no entanto, aqui está a verdade: entre esse conjunto dissidente, muito poucos não estão fazendo algo completamente diferente hoje do que estavam fazendo em 2019. Eles mudaram de emprego, mudaram de profissão, mudaram de cidade e de estado, e até viram famílias e redes de amizade despedaçadas.

Todos pagaram um preço enorme. Não tenho certeza se conheço alguma exceção à regra. Ir contra a corrente e ousar defender a verdade em um tempo de totalitarismo é extremamente perigoso. Os nossos tempos provaram-no. (O programa Brownstone Fellows é projetado para dar a muitas dessas pessoas expurgadas uma ponte para uma nova vida.)

Intitulei este artigo de um contágio de covardia. Pode ser muito grave chamá-lo assim. Muitas pessoas acompanharam por razões inteiramente racionais. Outro ponto a considerar é que o ensino moral nas grandes religiões normalmente não exigiu heroísmo absoluto. O que ela exige é não fazer o mal. E essas são realmente coisas diferentes. Ficar quieto pode não ser mau; é apenas a ausência de ser heroico. São Tomás até escreve isso em seu tratado sobre teologia moral: a fé celebra, mas nunca requer o martírio.

E, no entanto, também é verdade que o heroísmo em nossos tempos é absolutamente necessário para a preservação da civilização quando ela está tão brutalmente sob ataque. Se todos escolherem o caminho seguro e tomarem suas decisões em torno do princípio da aversão ao risco, os bandidos realmente ganham. E onde é que esta terra e até onde podemos deslizar para o abismo sob essas condições? A história do despotismo e da morte pelo governo revela onde isso acaba.

O melhor argumento para o heroísmo sobre o carreirismo e a covardia é olhar para trás ao longo desses três anos e observar quanta diferença alguns podem fazer quando estão dispostos a defender a verdade, mesmo quando há um grande preço a ser pago por fazê-lo. Essas pessoas podem mudar tudo. Isso ocorre porque as ideias são mais poderosas do que os exércitos e toda a propaganda que uma máquina de poder pode reunir. Uma afirmação, um estudo, uma frase, um pequeno esforço para perfurar o muro de mentiras pode derrubar todo o sistema.

COVID-19 Antibody Seroprevalence in Santa Clara County, California

Eran Bendavid, Bianca Mulaney, Neeraj Sood, Soleil Shah, Emilia Ling, Rebecca Bromley-Dulfano, Cara Lai, Zoe Weissberg, Rodrigo Saavedra-Walker, Jim Tedrow, Dona Tversky, Andrew Bogan, Thomas Kupiec, Daniel Eichner, Ribhav Gupta, John P.A. Ioannidis, Jay Bhattacharya

doi: https://doi.org/10.1101/2020.04.14.20062463

Now published in International Journal of Epidemiology doi: 10.1093/ije/dyab010

587020510020354

Abstract

Background Addressing COVID-19 is a pressing health and social concern. To date, many epidemic projections and policies addressing COVID-19 have been designed without seroprevalence data to inform epidemic parameters. We measured the seroprevalence of antibodies to SARS-CoV-2 in a community sample drawn from Santa Clara County.

Methods On April 3-4, 2020, we tested county residents for antibodies to SARS-CoV-2 using a lateral flow immunoassay. Participants were recruited using Facebook ads targeting a sample of individuals living within the county by demographic and geographic characteristics. We estimate weights to adjust our sample to match the zip code, sex, and race/ethnicity distribution within the county. We report both the weighted and unweighted prevalence of antibodies to SARS-CoV-2.

We also adjust for test performance characteristics by combining data from 16 independent samples obtained from manufacturer’s data, regulatory submissions, and independent evaluations: 13 samples for specificity (3,324 specimens) and 3 samples for sensitivity (157 specimens).

Results The raw prevalence of antibodies to SARS-CoV-2 in our sample was 1.5% (exact binomial 95CI 1.1-2.0%). Test performance specificity in our data was 99.5% (95CI 99.2-99.7%) and sensitivity was 82.8% (95CI 76.0-88.4%). The unweighted prevalence adjusted for test performance characteristics was 1.2% (95CI 0.7-1.8%). After weighting for population demographics of Santa Clara County, the prevalence was 2.8% (95CI 1.3-4.7%), using bootstrap to estimate confidence bounds. These prevalence point estimates imply that 54,000 (95CI 25,000 to 91,000 using weighted prevalence; 23,000 with 95CI 14,000-35,000 using unweighted prevalence) people were infected in Santa Clara County by early April, many more than the approximately 1,000 confirmed cases at the time of the survey.

Conclusions The estimated population prevalence of SARS-CoV-2 antibodies in Santa Clara County implies that the infection may be much more widespread than indicated by the number of confirmed cases. More studies are needed to improve precision of prevalence estimates. Locally-derived population prevalence estimates should be used to calibrate epidemic and mortality projections.

Competing Interest Statement

The authors have declared no competing interest.

Funding Statement

We acknowledge many individual donors who generously supported this project with gift awards. The funders had no role in the design and conduct of the study, nor in the decision to prepare and submit the manuscript for publication.

Author Declarations

All relevant ethical guidelines have been followed; any necessary IRB and/or ethics committee approvals have been obtained and details of the IRB/oversight body are included in the manuscript.

Yes

All necessary patient/participant consent has been obtained and the appropriate institutional forms have been archived.

Yes

I understand that all clinical trials and any other prospective interventional studies must be registered with an ICMJE-approved registry, such as ClinicalTrials.gov. I confirm that any such study reported in the manuscript has been registered and the trial registration ID is provided (note: if posting a prospective study registered retrospectively, please provide a statement in the trial ID field explaining why the study was not registered in advance).

Yes

I have followed all appropriate research reporting guidelines and uploaded the relevant EQUATOR Network research reporting checklist(s) and other pertinent material as supplementary files, if applicable.

Yes




469 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page