Um novo potencial para recuperação funcional após lesão medular



Lesões na medula espinhal afetam centenas de milhares de pessoas nos Estados Unidos, com milhares mais diagnosticados a cada ano.


Pesquisadores modificaram células gliais NG2 no sistema nervoso central em novos neurônios para promover a recuperação após lesão medular.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Indiana reprogramaram com sucesso um tipo de célula glianal no sistema nervoso central em novos neurônios para promover a recuperação após a lesão da medula espinhal — revelando um potencial inexplorado para alavancar a célula para a medicina regenerativa.

O grupo de investigadores publicou suas descobertas em 5 de março em Cell Stem Cell. Esta é a primeira vez que cientistas relataram modificar uma glia NG2 - um tipo de célula de suporte no sistema nervoso central - em neurônios funcionais após lesão na medula espinhal, disse Wei Wu, PhD, pesquisador associado em cirurgia neurológica na UI School of Medicine e co-primeiro autor do artigo.

Wu e Xiao-Ming Xu, PhD, a Mari Hulman George Professor de Pesquisa em Neurociências na UI School of Medicine, trabalharam no estudo com uma equipe de cientistas do Centro Médico sudoeste da Universidade do Texas. Xu também é um membro primário do Stark Neurosciences Research Institute, onde lidera o Indiana Spinal Cord and Brain Injury Research Group.

Lesões na medula espinhal afetam centenas de milhares de pessoas nos Estados Unidos, com milhares mais diagnosticados a cada ano. Neurônios na medula espinhal não se regeneram após lesões, o que normalmente faz com que uma pessoa experimente doenças físicas e neurológicas permanentes.

"Infelizmente, ainda faltam ser desenvolvidos tratamentos eficazes para uma recuperação significativa", disse Xu. "Esperamos que essa nova descoberta seja traduzida para uma estratégia de reparo clinicamente relevante que beneficia aqueles que sofrem de uma lesão medular."

Quando a medula espinhal é ferida, as células gliais, das quais existem três tipos - astrócito, ependímico e NG2 - respondem à forma de tecido cicatricial.

"Apenas células gliais NG2 apresentaram potencial neurogênico na medula espinhal após lesões em camundongos adultos, mas não conseguiram gerar neurônios maduros", disse Wu. "Curiosamente, ao elevar o fator de transcrição crítica SOX2, a conversão glia-neurônio é alcançada com sucesso e acompanhada com uma formação de cicatriz glial reduzida e aumento da recuperação funcional após lesão medular."

Os pesquisadores reprogramaram as células NG2 do modelo do camundongo usando níveis elevados de SOX2 – um fator de transcrição encontrado dentro da célula que é essencial para a neurogênese – para os neurônios. Essa conversão tem dois propósitos, disse Xu: gerar neurônios para substituir aqueles perdidos devido a uma lesão medular e reduzir o tamanho das cicatrizes gliais na área da lesão do tecido danificado.

Essa descoberta, disse Wu, serve como um alvo importante no futuro para potenciais tratamentos terapêuticos de lesão medular.

A parceria entre o laboratório de Chun-Li Zhang, PhD, professor do UT Southwestern Medical Center e o laboratório de Xu na UI School of Medicine beneficiou muito a pesquisa, acrescentou Xu, ao oferecer expertise complementar em reprogramação neuronal e em lesão medular, respectivamente.

"Essa colaboração será continuada entre os dois laboratórios para abordar a remodelagem neuronal e a recuperação funcional após a conversão bem-sucedida de células gliais em neurônios funcionais no futuro", disse Xu.

O estudo aparecerá em Células-Tronco

8 visualizações0 comentário