Um terço dos sobreviventes do COVID-19 manifestam problemas neurológicos



Muitos relatos de sintomas persistentes indicativos de sequelas de longo prazo, incluindo sintomas neurológicos, são relatados em pacientes que se recuperaram da doença COVID-19 (doença coronavírus 2019). Sequela, condição decorrente de lesão ou doença anterior, apresenta novas complicações aos provedores de terapia.


Nesta pandemia contínua, médicos e pesquisadores encontraram várias manifestações pós-COVID. Muitos pacientes COVID-19 experimentam sintomas e síndromes neurológicas. O impacto a longo prazo da síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2), o agente causador da infecção covid-19 no cérebro é incerto.

Em um estudo longitudinal publicado recentemente no servidor de pré-impressão medRxiv*,Andrea Pilotto et al. descobrir que um terço dos sobreviventes de infecção covid-19 têm manifestações neurológicas de longo prazo após a internação. Os sobreviventes apresentaram uma ampla gama de sintomas neurológicos: fadiga, desde problemas de memória e atenção até distúrbios do sono, mialgias seguidas de depressão/ansiedade, distúrbios visuais, tremores e anosmia, a perda do olfato.

A coorte do estudo incluiu uma amostra de 165 pacientes sobreviventes do COVID-19 que foram reavaliados de acordo com um protocolo clínico estruturado e padronizado. Esses pacientes foram examinados seis meses após a descarga de uma Unidade COVID-19 do Hospital ASST Spedali Civili, na Itália, entre fevereiro e abril de 2020.

A equipe realizou um acompanhamento de 6 meses após a internação e constatou que os pacientes sofreram fadiga (34%), memória/atenção (31%) e distúrbios do sono (30%) sendo o mais frequente. Após o exame neurológico, descobriram que os pacientes apresentavam anormalidades neurológicas, déficits cognitivos, hiposmia (diminuição do olfato) e tremor postural, o mais comum.

Observou-se que os pacientes que relataram sintomas neurológicos foram os afetados por parâmetros de infecção respiratória mais graves sars-cov-2 durante a internação

Pacientes com alta gravidade da doença relataram queixas de memória e distúrbios visuais. A equipe constatou que as anormalidades neurológicas estavam associadas à idade mais avançada, maior índice de comorbidade pré-mórbida, pior BCRSS (Brescia-COVID Respiratory Severity Scale), maior duração da internação e maior número de sintomas neurológicos relatados.

Os melhores preditores de anormalidades neurológicas foram identificados neste estudo como 1). a duração da internação e 2). o índice de comorbidade pré-mórbida (ou seja, doença presente antes do início do COVID-19). O comprometimento cognitivo foi especificamente associado à gravidade do COVID-19 independentemente da idade e condições pré-mórbidas. É conclusivo que a internação e a gravidade do COVID-19 tenham um grande impacto em pacientes com outras doenças.

"Neste estudo, não foram considerados pacientes com doenças neurológicas desenvolvidas durante a fase aguda da infecção pelo SARS-CoV-2, potencialmente subestimando a carga neurológica global devido ao COVID-19."

Este estudo apoia evidências prévias de consequências a longo prazo do COVID-19 envolvendo sistemas nervosos centrais e periféricos. A infecção pelo SARS-CoV-2 manifestada no COVID-19 é principalmente uma doença respiratória. No entanto, um exame mais aprofundado revela múltiplos órgãos e seu funcionamento sendo prejudicado devido à infecção pelo SARS-CoV-2.

Múltiplas anormalidades neurológicas, incluindo prejuízo cognitivo leve, têm sido associadas à gravidade da infecção respiratória sars-cov-2. Este estudo avalia quaisquer manifestações neurológicas após seis meses de acompanhamento em sobreviventes do COVID-19 e sua potencial relação com condições pré-mórbidas e gravidade da infecção pelo SARS-CoV-2. A equipe também argumenta que problemas neurológicos de longo prazo podem parecer comuns mesmo em pacientes com doenças menos graves. Este estudo enfatiza a importância de avaliar o impacto da infecção pelo SARS-CoV-2 no estado de saúde cerebral.

A "síndrome pós-COVID-19" debilitou muitas vidas, muitas vezes forçando os sobreviventes a retornar ao médico. É importante estudar e investigar a prevalência, tipo, duração e gravidade dos sintomas persistentes, seguindo a resolução da infecção aguda pelo SARS-CoV-2. Esta pesquisa ajuda a identificar a causa básica ̶, posteriormente, proporcionar melhor reabilitação e cuidado aos pacientes.

Journal reference:

COVID-19 severity impacts on long-term neurological manifestation after hospitalisation, Andrea Pilotto, Viviana Cristillo, Stefano Cotti Piccinelli, Nicola Zoppi, Giulio Bonzi, Davide Sattin, Silvia Schiavolin, Alberto Raggi, Antonio Canale, Stefano Gipponi, Ilenia Libri, Martina Frigerio, Michela Bezzi, Matilde Leonardi, Alessandro Padovani, medRxiv 2020.12.27.20248903; doi: https://doi.org/10.1101/2020.12.27.20248903, https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.12.27.20248903v1


26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo